Pular para o conteúdo principal

Condomínio verde em Turim




O que se esconde detrás desta desafiadora floresta, que ainda parece -só parece- meia bagunçada ?

Pois ultrapassado esta inédita fachada chegamos a estes ma-ra-vi-lho-sos espaços, sempre desfrutáveis pelos moradores, com lagoas atravessadas por trilhas e exuberantes jardins sobre os telhados, com a calidez das telhas de madeira de lariço e ainda a poesia do aço envelhecido. Com certeza morar neste condomínio é uma experiência de vida e tanto; sinceramente, adoraria morar neste condomínio, e vocês ? 



Logo daquela praça inteligente em Turim, ficamos na cidade para conhecer este belo condomínio no verde, chamado de “25 Verde”, uma verdadeira casa entre as árvores, com projeto do arquiteto turinés Luciano Pia. Dá para ver que estamos em presença de alguém sensível e incumbido com a sustentabilidade, não são simples devaneios de “artista”. É um edifício especial porque está vivo: cresce, respira e muda com 150 árvores de altos troncos que cobrem seus terraços; junto com 50 árvores plantadas no jardim central, elas produzem oxigênio, absorvem anidrido carbônico, reduzem a poluição do ar, protegem do ruído, seguindo o ciclo natural das estações, crescem dia após dia criando um microclima perfeito dentro do edifício, diminuindo as variações de temperatura no inverno e no verão. O pavimento de madeira dos terraços filtra a luz do sol no verão, enquanto no inverno deixam a luz invadir a casa. Este prédio foi pensado como floresta viva, uma casa nas árvores como essas que as crianças sonham em construir. O alvo do projeto foi a construção dum bloco perimetral com uma fachada continua, atuante como filtro entre o espaço interior habitado e a rua; a melhor receita para o estresse urbano -no campo não há estresse- é morar no meio do verde. As estruturas metálicas, parecem árvores que crescem desde o térreo até o telhado, enquanto sustentam as pranchas de madeira dos terraços: ficam entrelaçadas com a vegetação para formar uma fachada única. Agora, por que este edifício é sustentável ?


Pois um dos objetivos do projeto foi atingir a eficiência energética, apelando ao isolamento térmico continuo, proteções solares, calefação e refrigeração com bomba de calor que usa energia geotérmica, reúso das águas de chuva para molhar o verde. É um belo condomínio de 7.500 m², com 63 apartamentos todos diferentes e equipados com amplos terraços de formas irregulares que rodeiam as árvores. Atingir isto de apartamentos “todos diferentes” não é mole, é a expertise do arquiteto ! O verde diversificado é o coração do projeto claro: vasos grandes nos terraços, pátios-jardim, muros vegetais, telhados verdes privados no último andar; foram plantadas árvores de folha caduca para receber radiação solar no inverno.

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Edifício Passivhaus em Pamplona (2)

As aberturas de alto desempenho são um ponto-chave numa edificação Passivhaus, tal e como neste Edificio Thermos, em Pamplona, na Espanha.

Para isso devem ser termicamente isolantes, estanques à passagem de ar e, ainda não ter pontes térmicas. Estas aberturas estão construídas com caixilhos certificados pelo Passive House Institute. 


O Edificio Thermos está localizado em Pamplona, cidade que ainda tem um costume bárbaro, as corridas de toros nas ruas ! Mas felizmente há movimentos de pessoas preocupadas em proibir estas corridas de toros nas ruas, bem como nas Praças de Toros. A imagem de este protesto a encontrei neste site Peta ótimo para os que somos sensíveis  pelos bichinhos. 
Outro costume que fala de barbárie no mundo atual são os foguetes !

Earthship em Portugal

Vamos ver um caso de retrofit perto da localidade de Vale de Prazeres, na Serra da Gardunha, em Portugal. Uma oficina comunitária prática, transformou um antigo edifício de pedra em ruínas, em um novo prédio Earthship, totalmente auto-sustentável.






O conceito Earthship -significa navio terrestre- foi criado pelo arquiteto Michael Reynolds, chamado de “garbage warrior”, literalmente o guerreiro dos resíduos. Mas como assim ? Acontece que as suas edificações empregam quase um 45% de materiais reutilizados como garrafas de vidro e PET, latinhas, madeira recuperada, gesso natural e pedra, peças de metal de máquinas de lavar e geladeiras, e claro o material favorito do arquiteto...os pneus. No entanto os muros são feitos com pneus fora de uso e recheados de terra compactada. Estas casas autossuficientes aplicam seis critérios de desenho como materiais de construção naturais e reciclados; energia elétrica solar e eólica; produção de alimentos; calefação e refrigeração térmica solar; coleta de…