Pular para o conteúdo principal

Telhado verde em Brasília





Vamos visitar o Campus Brasília do Instituto Federal de Brasília (IFB), e conhecer seu telhado verde.

A função destes fantásticos prédios é o suporte para a Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica com espaços para eventos; o alvo do projeto é a eficiência energética e o menor impacto ambiental possível. São mais de 30 mil m² de área construída, com biblioteca, piscina coberta, ginásio poliesportivo, um auditório com 220 lugares, um teatro para 1.200 pessoas, quatro blocos de salas de aula e laboratórios. Acontece que em tempos de racionamento de água, o IFB é modelo em construção ecologicamente correta e de sustentabilidade entre os órgãos do Governo Federal com sede na cidade; o projeto é um dos poucos na cidade que possui telhado verde. No bloco das salas de aula e no administrativo, as lajes impermeabilizadas são cobertas por um sistema chamado Laminar Médio, são módulos de concreto leves e expandidos por todo o pavimento, preparados para receber as plantas de porte pequeno resistentes à seca. Conforme o Eng. Agr. João Manuel Linck Feijó, Diretor da empresa Ecotelhado que instalou o telhado: “O principal problema de manutenção dos telhados verdes no Brasil é a irrigação e com maior ênfase em locais de clima semi-áridos ou de chuvas sazonais. A Ecotelhado desenvolveu um sistema ideal para o clima brasileiro que é o Ecotelhado Laminar Médio. Por sinal, o clima de Brasília é tropical com estação seca.



O telhado verde capta as águas de chuva diminuindo o calor -principalmente no último andar dos prédios- com o objetivo de economizar até 40% de energia elétrica decorrente do ar condicionado. Além disso, essa mesma água, é utilizada para irrigação das plantas e descarga dos sanitários. A água excedente passa por um tratamento parcial, para ser armazenada em um reservatório, para ser utilizada em épocas de seca. Outras vantagens do sistema são a diminuição da poluição e melhora da qualidade do ar das cidades; o combate aos efeitos de ilhas de calor nos tempos de seca; maior retenção da água de chuva, pois a vegetação auxilia na drenagem da água e reduz assim a necessidade de escoamento dela; diminuição de possibilidades de enchentes devido  a retenção de água da chuva; aumento da biodiversidade atraindo pássaros e borboletas.

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

O que é Arquitetura Bioclimática ?

Podemos dizer que Arquitetura Bioclimática é aquela que usa o clima local como ferramenta de trabalho, significa que o arquiteto desde o pique orienta corretamente a sua edificação -casa ou prédio- para tirar partido do sol, isso já era conhecido por Sócrates no século IV A.C., também pelos romanos, só que com a Revolução Industrial e o advento dos sistemas de calefação e ar-condicionado e ainda aqueles caprichos “de artista” com grandes fachadas vidradas, essa sabedoria foi sendo esquecida. Olha que até o Tintin sem ter diploma de arquiteto...rss sabe das bondades do calor solar. Mas o arquiteto esperto também sabe tirar partido dos ventos prevalentes, do regime de chuvas, da umidade, do calor armazenado na terra...Uma arquitetura bioclimática, em conseqüência é como um termo de alfaiate, executado conforme o clima da região. O qual não significa dispensar o uso de equipamentos mecânicos de climatização, como ar-condicionado e sistemas de calefação, só que eles vão ser usados menos h…

Cittaslow Tolfa (em Roma)

Vamos conhecer um pouquinho de Tolfa, uma Cittaslow da região metropolitana de Roma. Uma fantástica parceria entre o município e a empresa pública de eletricidade Enel, permite implementar medidas de apoio ao desenvolvimento do território, alavancando a mobilidade sustentável e a melhoria dos centros comunitários. Por exemplo o apoio ao turismo protegendo o centro histórico da cidade, com bicicletas elétricas de uso compartilhado -bike sharing- fornecidas pelo Enel. Ainda os lugares de encontro e agregação serão aprimorados com foco nas áreas para crianças, o centro esportivo dedicado ao tênis e soluções energeticamente eficientes no campo da iluminação.O alvo é gerar benefícios mensuráveis e duradouros para as comunidades, com crescimento inclusivo e sustentável e criação de valor compartilhado.


Ainda pareça um comentário ingênuo...nos filmes às vezes aparecem velhas casas na Itália com pouca manutenção, porém o interior é caprichado e com todo o conforto moderno, não temos que ser pr…