Pular para o conteúdo principal

Berman House by Harry Siedler




Gostariam estar sentados sobre este dramático precipício fazendo meditação ou lendo um livro acompanhado de um cafezinho ?
Nesta Berman House vemos a poesia das elegantes ondas do telhado e ainda a sua ousadia estrutural...é possível sentir como trabalham estes tensores de aço, deles está pendurada a laje desta ópera-prima do arquiteto australiano Harry Siedler. Quando a arquitetura transcende o mero refúgio e a funcionalidade, aí estamos em presença de Arquitetura com maiúsculo, de Arte, isso é uma qualidade que é inata, que só poucos escolhidos podem atingir, porém a Faculdade pode lapidar algo que o filhote de arquiteto já trouxe desde o berço. Este é um verdadeiro artista, dito em palavras simples unindo o útil ao agradável, adoro todas as ousadias sempre e quando não sejam gratuitas...por exemplo este telhado ondulado serve como dispositivos de proteção solar, fundamental pelo clima australiano; ainda funciona para coletar as águas de chuva, as quais são armazenadas num reservatório debaixo da casa. Com 360 m² e interessantes interiores, a casa está localizada em Joadja, cidade histórica de New South Wales, na Austrália.



Foi construída sobre um penhasco, perto do topo de um profundo vale com um rio sinuoso correndo abaixo, com uma área de estar suspensa e varanda projetada com vista para um cenário natural. É fantástico como a moradia tira partido deste terreno virgem de planalto rochoso e da sua orientação solar, com uma planta em dois níveis com o pavilhão vidrado da área social abaixo da asa superior dos dormitórios. O desenho é um verdadeiro vestido sob encomenda, Siedler ainda construiu uma barragem entre dois rochedos criando uma profunda piscina natural com água suficiente no caso de incêndios florestais; mas a casa é construída inteiramente com materiais à prova de fogo. Os muros de arrimo construídos com grandes pedras de arenito locais, ajudam a ancorar a habitação ao acidentado terreno.
Esta belezura recebeu em 2001 o prêmio RAIA Blacket Award de The Royal Australian Institute of Architects. 

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Edifício Passivhaus em Pamplona (2)

As aberturas de alto desempenho são um ponto-chave numa edificação Passivhaus, tal e como neste Edificio Thermos, em Pamplona, na Espanha.

Para isso devem ser termicamente isolantes, estanques à passagem de ar e, ainda não ter pontes térmicas. Estas aberturas estão construídas com caixilhos certificados pelo Passive House Institute. 


O Edificio Thermos está localizado em Pamplona, cidade que ainda tem um costume bárbaro, as corridas de toros nas ruas ! Mas felizmente há movimentos de pessoas preocupadas em proibir estas corridas de toros nas ruas, bem como nas Praças de Toros. A imagem de este protesto a encontrei neste site Peta ótimo para os que somos sensíveis  pelos bichinhos. 
Outro costume que fala de barbárie no mundo atual são os foguetes !

Earthship em Portugal

Vamos ver um caso de retrofit perto da localidade de Vale de Prazeres, na Serra da Gardunha, em Portugal. Uma oficina comunitária prática, transformou um antigo edifício de pedra em ruínas, em um novo prédio Earthship, totalmente auto-sustentável.






O conceito Earthship -significa navio terrestre- foi criado pelo arquiteto Michael Reynolds, chamado de “garbage warrior”, literalmente o guerreiro dos resíduos. Mas como assim ? Acontece que as suas edificações empregam quase um 45% de materiais reutilizados como garrafas de vidro e PET, latinhas, madeira recuperada, gesso natural e pedra, peças de metal de máquinas de lavar e geladeiras, e claro o material favorito do arquiteto...os pneus. No entanto os muros são feitos com pneus fora de uso e recheados de terra compactada. Estas casas autossuficientes aplicam seis critérios de desenho como materiais de construção naturais e reciclados; energia elétrica solar e eólica; produção de alimentos; calefação e refrigeração térmica solar; coleta de…