Pular para o conteúdo principal

Happy hours com Wright (3)




Qual poderia ser o melhor cliente para um arquiteto ?

Talvez um cliente com muito dindin, como este Avery Coonley, um industrial de Chicago e sua esposa, Queen Ferry, ambos dois herdeiros de fortunas industriais e filantropos, com orçamento ilimitado para encomendar uma nova residência ao mestre Frank Lloyd Wright. 



Mas também é possível sim fazer boa arquitetura com pouco dinheiro, usando expertise e sensibilidade; não devemos confundir “arquitetura pobre” com a “arquitetura da pobreza”. Esta fantástica estrutura do arquiteto Kunlé Adeyemi, a escola flutuante em Makoko, Nigéria, na África, nasceu como um protótipo customizável, com possibilidade de ser replicado e com ajustes pode virar até habitação. É uma leve pirâmide de madeira e bambu de 10 m. de altura e 220 m², sobre uma base apoiada em barris de plástico. Ótima para flutuar na água e ainda resiste às ventanias fortes. Trata-se de um maravilhoso espaço de múltiplos usos, o verde térreo é aberto ao público; tem sala de aulas no segundo andar; e no terceiro um espaço para oficinas. No telhado os painéis fotovoltaicos produzem energia elétrica; os quebra-sóis favorecem  a ventilação natural. A plataforma vira um espaço de convívio para que o povo recupere sua dignidade, aí os habitantes podem-se reunir para descansar e conviver. Este belo projeto dignifica a vida do povo carente; mas não menos importante dignifica a profissão de arquiteto ! 
Finalmente, a casa Coonley junto com a casa Robie representam a maturação do estilo “prairie” do mestre, caracterizado por largos e salientes beirais, faixas horizontais de janelas com vidros coloridos, espaços interiores fluindo livremente e a mistura harmoniosa de terreno e edificação. Amanhã  vamos visitar a Robie House, apelidada de “navio de guerra”.

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Esverdeando as nossas cidades

Podemos esverdear as nossas cidades plantando árvores tal e como fez Curitiba, a capital verde da América; ou ainda com telhados e muros vegetais, em ambos os casos estamos repondo o verde destruído com a extensão de avenidas e a construção de edificações. Mas por que é tão importante acrescentar o verde nas cidades? Pois favorece o sombreamento melhorando a qualidade do ar; aliás o verde ajuda na luta contra o fenômeno da “ilha de calor”, onde o concreto aparece como um grande armazenador de calor. Pelo processo de evapotranspiração as plantas usam a energia calórica para evaporar a água, com isso são capazes de esfriar os prédios no verão, num processo similar ao que acontece no corpo humano. De quebra estamos lutando contra o alagamento das ruas, onde a rede pública de esgoto não consegue dar conta das chuvaradas intensas; estamos assim retrasando a chegada das águas pluviais ao coletor municipal. Mas do que falamos quando pensamos num telhado verde ou vegetal? Um telhado verde é a…

Charges do Consumismo (2)

Além do consumismo próprio feminino e masculino -até os homens hão caído nessa- temos o consumismo das crianças e adolescentes...pago com o dinheiro dos pais. O pai da imagem diz “I paid”, eu paguei !  Os vilões desta história são os cartões de crédito que facilitam consumir primeiro e pagar depois...
A imagem mostra o estilo de vida adolescente:  “Jovens de entre 8 e 18 anos de idade nos EUA, gastam um quarto do seu tempo de mídia usando diversos meios de comunicação.  O  24% dos jovens de 12 até 18 anos na maioria das vezes usam outra mídia enquanto assistem TV”.  Isto último também o fazem os adultos !  Mas a boa notícia é que as mídias podem ser usadas também para semear a cultura do desapego, do Consumo Colaborativo. Depende de nós...é só atitude. 
Ps. não sou um dinossauro...rss  Uso o correio eletrônico, o celular e o desenho por computador; principalmente como maravilhosas ferramentas de otimização do trabalho...e também de comunicação.