Pular para o conteúdo principal

o MIS no Rio de Janeiro (2)



O alvo do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, é levar ao visitante a um passeio pelo acervo da instituição, pela cidade e o tempo. 

Primeiro museu de audiovisual do País, lançou um gênero pioneiro seguido logo por diversas cidades brasileiras; foi inaugurado em setembro de 1965, é uma instituição de referência internacional. O acervo é composto por 30 coleções que reúnem 304.845 documentos como fotografias, cartazes, discos, filmes e vídeos, recortes de jornal e texto da Rádio Nacional. Além das coleções doadas ou adquiridas, o MIS começou a produzir desde 1966, sua própria coleção, chamada de “Depoimentos para a Posteridade”. Ela é constituída a partir da gravação, em áudio e vídeo, de depoimentos prestados por personalidades dos diversos setores da cultura. São quase mil depoimentos que fazem aproximadamente quatro mil horas de gravação, disponíveis para consulta. Atualmente, o acervo do museu está dividido entre duas sedes, uma na Praça XV e outra na Lapa. 



Duas idéias balizaram seu desenho, a rua como local de entretenimento e como símbolo da criação popular, representando grande parte da produção artística da cidade. O prédio é de fato uma grande avenida vertical, com suas rampas em zigzague inspiradas nas curvas do calçadão de Copacabana. Nos seus 7 andares com 10.000 m², o museu vai abrigar diversas salas de exposição; espaços para pesquisa e atividades didáticas; sala de teatro e cinema com 280 lugares; e o Museu Carmem Miranda. E ainda atividades comerciais como lojas; restaurante panorâmico; bar; boate e mirante; todo com jeitinho carioca. 
A construção do novo museu foi divida em três etapas: demolição da antiga boate Help; fundações e estruturas; acabamentos, instalações e esquadrias.O novo MIS é uma edificação sustentável com diversos quesitos como uso eficiente da água e da energia; coleta seletiva de resíduos; incentivo ao uso de transporte coletivo e alternativo; uso de 50% da madeira certificada; e controle da qualidade do ar na etapa de obra e no funcionamento do museu.Está no processo de certificação LEED concedida pelo U.S. Green Building Council. 

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Prédio eficiente em Lisboa

Em Lisboa, em 2006, foi construído o Solar Building XXI, este fantástico edifício pode ser considerado atualmente um prédio nZEB. Quer saber o que significa o acrônimo ? Pois nZEB  significa Nearly Zero Energy Buildings, refere aos edifícios com necessidades quase nulas de energia. O edifício foi construído no campus do LNEG, Laboratório Nacional de Energia e Geologia, com projeto dos arquitetos Pedro Cabrito e Isabel Diniz. Trata-se de um prédio energeticamente muito eficiente, com um desempenho energético 1/10 se comparado com um edifício padrão de escritórios; apela a uma combinação de técnicas de design passivo (como a correta orientação conforme o sol...) com tecnologias de energias renováveis, tais como painéis fotovoltaicos e coletores térmicos solares. No inverno para o aquecimento, a fachada principal tem um sistema fotovoltaico com recuperador de calor. No entanto no verão, o arrefecimento utiliza água fria fornecida por um sistema de tubos enterrados, bem como refrigeração …

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?