Pular para o conteúdo principal

o MIS no Rio de Janeiro (2)



O alvo do Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, é levar ao visitante a um passeio pelo acervo da instituição, pela cidade e o tempo. 

Primeiro museu de audiovisual do País, lançou um gênero pioneiro seguido logo por diversas cidades brasileiras; foi inaugurado em setembro de 1965, é uma instituição de referência internacional. O acervo é composto por 30 coleções que reúnem 304.845 documentos como fotografias, cartazes, discos, filmes e vídeos, recortes de jornal e texto da Rádio Nacional. Além das coleções doadas ou adquiridas, o MIS começou a produzir desde 1966, sua própria coleção, chamada de “Depoimentos para a Posteridade”. Ela é constituída a partir da gravação, em áudio e vídeo, de depoimentos prestados por personalidades dos diversos setores da cultura. São quase mil depoimentos que fazem aproximadamente quatro mil horas de gravação, disponíveis para consulta. Atualmente, o acervo do museu está dividido entre duas sedes, uma na Praça XV e outra na Lapa. 



Duas idéias balizaram seu desenho, a rua como local de entretenimento e como símbolo da criação popular, representando grande parte da produção artística da cidade. O prédio é de fato uma grande avenida vertical, com suas rampas em zigzague inspiradas nas curvas do calçadão de Copacabana. Nos seus 7 andares com 10.000 m², o museu vai abrigar diversas salas de exposição; espaços para pesquisa e atividades didáticas; sala de teatro e cinema com 280 lugares; e o Museu Carmem Miranda. E ainda atividades comerciais como lojas; restaurante panorâmico; bar; boate e mirante; todo com jeitinho carioca. 
A construção do novo museu foi divida em três etapas: demolição da antiga boate Help; fundações e estruturas; acabamentos, instalações e esquadrias.O novo MIS é uma edificação sustentável com diversos quesitos como uso eficiente da água e da energia; coleta seletiva de resíduos; incentivo ao uso de transporte coletivo e alternativo; uso de 50% da madeira certificada; e controle da qualidade do ar na etapa de obra e no funcionamento do museu.Está no processo de certificação LEED concedida pelo U.S. Green Building Council. 

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Edifício Passivhaus em Pamplona (2)

As aberturas de alto desempenho são um ponto-chave numa edificação Passivhaus, tal e como neste Edificio Thermos, em Pamplona, na Espanha.

Para isso devem ser termicamente isolantes, estanques à passagem de ar e, ainda não ter pontes térmicas. Estas aberturas estão construídas com caixilhos certificados pelo Passive House Institute. 


O Edificio Thermos está localizado em Pamplona, cidade que ainda tem um costume bárbaro, as corridas de toros nas ruas ! Mas felizmente há movimentos de pessoas preocupadas em proibir estas corridas de toros nas ruas, bem como nas Praças de Toros. A imagem de este protesto a encontrei neste site Peta ótimo para os que somos sensíveis  pelos bichinhos. 
Outro costume que fala de barbárie no mundo atual são os foguetes !

Earthship em Portugal

Vamos ver um caso de retrofit perto da localidade de Vale de Prazeres, na Serra da Gardunha, em Portugal. Uma oficina comunitária prática, transformou um antigo edifício de pedra em ruínas, em um novo prédio Earthship, totalmente auto-sustentável.






O conceito Earthship -significa navio terrestre- foi criado pelo arquiteto Michael Reynolds, chamado de “garbage warrior”, literalmente o guerreiro dos resíduos. Mas como assim ? Acontece que as suas edificações empregam quase um 45% de materiais reutilizados como garrafas de vidro e PET, latinhas, madeira recuperada, gesso natural e pedra, peças de metal de máquinas de lavar e geladeiras, e claro o material favorito do arquiteto...os pneus. No entanto os muros são feitos com pneus fora de uso e recheados de terra compactada. Estas casas autossuficientes aplicam seis critérios de desenho como materiais de construção naturais e reciclados; energia elétrica solar e eólica; produção de alimentos; calefação e refrigeração térmica solar; coleta de…