Pular para o conteúdo principal

Setor Fotovoltaico no Brasil (2)

Sabem por que é os sistemas fotovoltaicos instalados se amortizam em 5,5 anos no Rio de Janeiro e Belo Horizonte?
Fonte: Blog Green Building Council Brasil

O impacto na atratividade de um sistema fotovoltaico se deve principalmente à condição de radiação solar em sua localidade e ao preço da energia elétrica que esse sistema estará compensando. Assim, observa-se que para as capitais Rio de Janeiro e Belo Horizonte um mesmo sistema se torna mais atrativo comparado a outras capitais devido ao fato de possuírem as maiores tarifas de energia elétrica do Brasil -para consumidores residenciais e comerciais- e possuírem um alto índice de radiação solar.
Incentivos e crescimento
Atualmente existem bancos de fomento que financiam esse tipo de sistema a taxas mais atrativas do que as convencionais praticadas no mercado, isso tem impulsionado o setor cada vez mais. Dessa forma, diversos empreendedores enxergam a geração distribuída como uma alternativa de alavancar a economia e o mercado de trabalho. Em análise simplificada, um pequeno sistema fotovoltaico instalado pode gerar diretamente 3 novos postos de trabalho e mais 5 indiretos.O setor fotovoltaico vem apresentando expressivas taxas de crescimento, só em 2015 cresceu mais de 300% e contempla cerca de 0,0016% (Fonte: ANEEL, 12/07/2016) dos consumidores conectados à rede elétrica, seu potencial de crescimento é notório e será constante.
Uma alternativa para quem busca redução de gastos, novas oportunidades de investimento, trabalho e recolocação profissional, o setor fotovoltaico está apenas engatinhando no Brasil, mas com a certeza de que irá longe.
Texto escrito pela empresa Membro do GBC Brasil: Enova Solar.


Este é um convite feito com carinho para visitar minha coluna neste fantástico site. Fronteira da Paz

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Edifício Passivhaus em Pamplona (2)

As aberturas de alto desempenho são um ponto-chave numa edificação Passivhaus, tal e como neste Edificio Thermos, em Pamplona, na Espanha.

Para isso devem ser termicamente isolantes, estanques à passagem de ar e, ainda não ter pontes térmicas. Estas aberturas estão construídas com caixilhos certificados pelo Passive House Institute. 


O Edificio Thermos está localizado em Pamplona, cidade que ainda tem um costume bárbaro, as corridas de toros nas ruas ! Mas felizmente há movimentos de pessoas preocupadas em proibir estas corridas de toros nas ruas, bem como nas Praças de Toros. A imagem de este protesto a encontrei neste site Peta ótimo para os que somos sensíveis  pelos bichinhos. 
Outro costume que fala de barbárie no mundo atual são os foguetes !

Earthship em Portugal

Vamos ver um caso de retrofit perto da localidade de Vale de Prazeres, na Serra da Gardunha, em Portugal. Uma oficina comunitária prática, transformou um antigo edifício de pedra em ruínas, em um novo prédio Earthship, totalmente auto-sustentável.






O conceito Earthship -significa navio terrestre- foi criado pelo arquiteto Michael Reynolds, chamado de “garbage warrior”, literalmente o guerreiro dos resíduos. Mas como assim ? Acontece que as suas edificações empregam quase um 45% de materiais reutilizados como garrafas de vidro e PET, latinhas, madeira recuperada, gesso natural e pedra, peças de metal de máquinas de lavar e geladeiras, e claro o material favorito do arquiteto...os pneus. No entanto os muros são feitos com pneus fora de uso e recheados de terra compactada. Estas casas autossuficientes aplicam seis critérios de desenho como materiais de construção naturais e reciclados; energia elétrica solar e eólica; produção de alimentos; calefação e refrigeração térmica solar; coleta de…