Pular para o conteúdo principal

simplesmente Biomimética (1)





Podemos levar a natureza para dentro dos prédios, como no caso do edifício Pasona que vimos anteontem. Mas outra inteligente abordagem é quando temos desenhos inspirados na natureza. Vejam este bela palestra TED de Janine Benyus com subtítulos em português.

Será que os arquitetos, designers, engenheiros, cientistas e urbanistas, poderiam se inspirar na natureza para concretizar as sua idéias? A resposta é SIM ! A mãe da Biomimética é Janine Benyus, ela lançou em 1997 seu livro “Biomimicry: Innovation Inspired by Nature”, Biomimética: inovação inspirada pela natureza. A Biomimética usa as regras e processos da natureza no desenho, não só como resposta estética, e sim pelo contrário procurando inspiração no funcionamento das formas naturais, no seu desempenho. Por exemplo, este trem-bala no Japão usa o perfil do bico do martim-pescador. 
Agora surge a pergunta por que o homem deveria procurar inspiração na natureza ? 

Postagens mais visitadas deste blog

O que é Arquitetura Bioclimática ?

Podemos dizer que Arquitetura Bioclimática é aquela que usa o clima local como ferramenta de trabalho, significa que o arquiteto desde o pique orienta corretamente a sua edificação -casa ou prédio- para tirar partido do sol, isso já era conhecido por Sócrates no século IV A.C., também pelos romanos, só que com a Revolução Industrial e o advento dos sistemas de calefação e ar-condicionado e ainda aqueles caprichos “de artista” com grandes fachadas vidradas, essa sabedoria foi sendo esquecida. Olha que até o Tintin sem ter diploma de arquiteto...rss sabe das bondades do calor solar. Mas o arquiteto esperto também sabe tirar partido dos ventos prevalentes, do regime de chuvas, da umidade, do calor armazenado na terra...Uma arquitetura bioclimática, em conseqüência é como um termo de alfaiate, executado conforme o clima da região. O qual não significa dispensar o uso de equipamentos mecânicos de climatização, como ar-condicionado e sistemas de calefação, só que eles vão ser usados menos h…

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Cittaslow Tolfa (em Roma)

Vamos conhecer um pouquinho de Tolfa, uma Cittaslow da região metropolitana de Roma. Uma fantástica parceria entre o município e a empresa pública de eletricidade Enel, permite implementar medidas de apoio ao desenvolvimento do território, alavancando a mobilidade sustentável e a melhoria dos centros comunitários. Por exemplo o apoio ao turismo protegendo o centro histórico da cidade, com bicicletas elétricas de uso compartilhado -bike sharing- fornecidas pelo Enel. Ainda os lugares de encontro e agregação serão aprimorados com foco nas áreas para crianças, o centro esportivo dedicado ao tênis e soluções energeticamente eficientes no campo da iluminação.O alvo é gerar benefícios mensuráveis e duradouros para as comunidades, com crescimento inclusivo e sustentável e criação de valor compartilhado.


Ainda pareça um comentário ingênuo...nos filmes às vezes aparecem velhas casas na Itália com pouca manutenção, porém o interior é caprichado e com todo o conforto moderno, não temos que ser pr…