Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2016

Marina Barrage em Singapore (1)

Uma barragem poderia ser um local ótimo para atividades de lazer ? Sim claro, estas instalações da Marina Barrage em Singapora, são um fantástico complexo de múltiplos usos, compreende um grande reservatório de água doce, ainda serve de controle das inundações e fornece instalações de passeio para os habitantes. Trata-se do décimo quinto reservatório da cidade, com um território de captação de 10.000 hectares, ocupa 1/6 da sua superfície. Foi inaugurado em 2008, é o maior e mais urbanizado reservatório, está localizado no coração de Singapura.
A Marina Barrage atua como barreira contra a maré, ajudando a aliviar inundações nas áreas baixas da cidade. Quando chover muito durante a maré baixa, as comportas da barragem são abertas para liberar o excesso de água do reservatório para o mar. No entanto se cai muita chuva durante a maré alta, as comportas permanecem fechadas e são acionadas as bombas gigantes de drenagem para bombear o excesso de água para o mar.

Aplicativo Caronaê da UFRJ

Será possível melhorar o trânsito, diminuir o efeito estufa, unir a comunidade e ainda aliviar o bolso ? Sim, com imaginação e o uso das TICs, as Tecnologias da Informação e o Conhecimento. Os estudantes da Escola Politécnica, da Coppe e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da UFRJ, desenvolveram um aplicativo para incentivar as caronas entre os alunos, professores e funcionários da Cidade Universitária da UFRJ. O aplicativo funciona como os anúncios classificados; no celular os motoristas colocam quantas vagas têm disponíveis e a rota a percorrer. Quem estiver interessado avisa e combina com ele, no total há 10 pontos de encontro distribuídos na Cidade Universitária. Para garantir a privacidade e segurança dos usuários, o acesso ao programa só está franqueado a quem está regularmente registrado na UFRJ. A meta é alcançar toda a comunidade universitária, umas 75.000 pessoas.
O aplicativo Caronaê foi vencedor do concurso Soluções Sustentáveis 2014, recebendo financiamento do Fundo Ve…

Workshop de Arquitetura Tropical Sustentável

O que acham de fazer uma viagem a Singapura para fazer turismo e assistir ao Workshop Internacional de Arquitetura Sustentável TROPICAL, organizado pela GreenA Consultants do 11 até o 16 de Julho. Através de um olhar profundo nos projetos mais representativos locais, o workshop está focado na promoção do know-how de Singapura sobre arquitetura tropical e práticas sustentáveis, tecnologias renováveis, infra-estrutura verde e desenvolvimento eficiente. A programação é super interessante e inclui um curso de introdução à Certificação BCA (Building & Construction Authority of Singapore)-Green Mark; e ainda uma visita à exibição mundial City Solutions Singapore 2016.
A arquitetura dos países tropicais pode -e deve- ser sustentável, um engano comum é crer que a eficiência energética e a sustentabilidade são coisas só dos países desenvolvidos, ou até de climas frios como os europeus, onde a energia para calefaccionar é cara. Mas não é assim de jeito nenhum, acontece que os recursos natura…

Boulevard Olímpico no RIO

Na Zona Portuária do Rio, a população e os turistas poderão acompanhar de graça as competições dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. Todo desde o Boulevard Olímpico, calçadão de 3,2 quilômetros em construção entre o prédio do AquaRio e a Praça Quinze. O desenho inclui três palcos com telões, o “Palco Maravilha” (perto da Praça Quinze), “Palco do Amanhã” (nas imediações do Museu do Amanhã) e “Palco dos Esportes” (próximo ao AquaRio). O público vai ter a chance entre as diversas provas, de assistir shows de MPB, apresentações de artistas de rua e comer em “food trucks”.O projeto ainda inclui a instalação na Praça Mauá, de um balão para que o público possa subir a 150 metros de altura e ter uma visão panorâmica da região. Na imagem 1 o Museu do Amanhã de Santiago Calatrava, na foto 2 a fachada do AquaRio, e na imagem 3 a Praça XV.

Fabricando com Resíduos (2)

O engenheiro Arthur Huang com sua empresa Miniwiz Co. está desenhando tênis, ele trabalha em parceria desde faz muito tempo com a fábrica Nike, desenvolvendo materiais inovadores criados a partir de placas-mãe e chassis de micro; nos mostrando o potencial dos materiais reutilizados para alavancar o design para o varejo.
Também desenhou móveis para a cervejaria Le Blé d´Or no Taiwan, que aliás tem sua própria rede de restaurantes, este é o maior e mais novo. Está construído com lixo da produção da cerveja e polipropileno reciclado. O teto, sistema de tijolos e móveis são todos baseados neste novo biocomposto desenhado sob encomenda.
Finalmente a sabedoria do arquiteto e engenheiro estrutural Arthur Huang, desenhou este avião, construído a partir de resíduos da aviação usando materiais de qualidade reciclados do pós-consumo. Arthur e a sua empresa Miniwiz foram reconhecidos como Pioneiros Tecnológicos pelo Fórum Econômico Mundial em 2015.

Fabricando com Resíduos (1)

Este é um assunto fundamental nos dias de hoje, o que fazemos com os nossos resíduos ? Estou falando dos resíduos do consumo bem como dos resíduos industriais. Arthur Huang, o desenhista do museu EcoARQ construído com tijolos de garrafas PET, é o fundador e CEO da Miniwiz Co., Ltd. Ele é um engenheiro estrutural, arquiteto, inovador em soluções de economia de ciclo fechado para materiais de construção, especializado em aplicações pós-consumo de reciclagem de resíduos. Conhecido por seus conceitos e trabalhos inovadores e ambiciosos, seu alvo é ajudar na transição para uma economia de ciclo fechado. 
Como vemos na imagem, no processo linear, os recursos naturais são extraídos, logo processados nas fábricas para elaborar produtos; os quais finalmente sofrem seu destino final no aterro sanitário. Este processo aberto que usa fontes de energia não renováveis.
Pelo contrario na economia circular o processo é fechado, os materiais biológicos tanto como os materiais técnicos, são extraídos e p…

Rocky Mountain Institute, nova sede (3)

O Centro de Inovação do RMI foi desenhado como uma vitrine de práticas de design sustentáveis, atingindo a LEED Platinum; também como um espaço confortável de escritórios. Os desenhistas tiveram em mente diversos fatores que afetam o conforto dos funcionários: velocidade do ar interior, umidade, vestuário e níveis de atividade, temperaturas radiantes das superfícies. Em dias de inverno, vemos aos empregados só vestindo malhas de lã, e no verão bermudas e camisas de manga curta; eles têm a cultura da moda casual, não usam camisa branca e gravata. Além disso os trabalhadores não estão presos a mesas específicas, podem se mover para as partes do edifício que estejam mais confortáveis; um funcionário com frio pode optar por um local próximo às janelas viradas a sul. Com os funcionários trabalhando confortavelmente a sua produtividade aumentou !
Nas imagens a seguir vemos o térreo, o 1ro andar e o 2do andar. O piso térreo tem algum espaço de escritórios, mas é projetado para acomodar reuniõ…

Rocky Mountain Institute, nova sede (2)

O Rocky Mountain Institute RMI teve um papel pioneiro nos Estados Unidos, muito antes da certificação LEED existir, eles estavam pregando as virtudes da energia solar passiva (a estufa com as bananeiras) e as grosas paredes com super-isolamento térmico. Mas agora o RMI tem sua nova sede, o Centro de Inovação, também no Colorado; um prédio de 2 andares de 1450 m², com projeto do escritório ZGF Architects. 
É o edifício mais energeticamente eficiente localizado na região mais fria de América do Norte, com temperaturas médias de 15 ºC negativos. Usa 74 % menos energia que edifícios de escritórios semelhantes na zona. Quer saber como é a climatização deste maravilhoso prédio ?
Na fachada Sul grandes janelas -vidros quádruplos- permitem o ganho solar passivo nos meses mais frios; enquanto no verão um sistema de brises automatizado ajuda a regular os ganhos de calor. Surpreendentemente, só há um pequeno sistema de calefação, uma espécie de tapetes elétricos direcionados, para ser usados apena…

Rocky Mountain Institute, nova sede (1)

Conforme o jornal Zero Hora de hoje: “Depois de um fim de semana chuvoso, o tempo volta a ficar firme no Rio Grande do Sul, mas a mudança na direção do vento promete derrubar a temperatura.” Então, as estratégias para ter conforto térmico no inverno, são impedir tanto como possível a fuga de calor, bem como a captação e armazenamento do calor do sol. Um dos edifícios mais sustentáveis nos Estados Unidos, é o Rocky Mountain Institute, organização sem fins lucrativos com sede no Colorado, Estados Unidos. Fundado em 1982 e liderado pelo guru energético Dr. Amory Lovins; nas primeiras três imagens. Nesta região onde podemos ter até 40 ºC negativos, vemos aplicadas as duas estratégias. Grossos muros de 40 cm de espessura com super-isolamento térmico; também o uso da energia solar para esquentar o ar desta grande estufa central. Esse ar morno logo é direcionado às outras locais do prédio pelos trocadores de calor ar-ar; o sinal do ótimo funcionamento são estas bananeiras e uma moradora part…

Convite Especial

Este é um convite muito especial, estou replicando os posts deste blog Arquitetura Solar, no fantástico site Designboom. Ali aparecem publicados -através do Twitter- no canto direito do Designboom.

Museu de garrafas PET (2)

Os muros exteriores de este fantástico museu EcoARQ são de garrafas PET sim, mas o prédio está apoiado em uma estrutura metálica de 28 m de altura, pode-se desmontar e voltar a montar em outro lugar pois estes tijolos Polli-Bricks têm um encaixe perfeito. Vejam na imagem como o fechamento exterior em forma de colméia, está preso entre uma malha metálica e uma manta de acrílico revestida de uma substância não inflamável,  para proteger os Polli-Bricks do fogo e as tempestades. As garrafas estão vazias possibilitando o isolamento térmico e ainda deixam passar a luz natural, com isso reduzimos o uso de iluminação artificial. Esta edificação atingiu a certificação LEED Platino da construção sustentável, também pelo reúso das águas de chuva em seu sistema de resfriamento, bem como pelas as placas fotovoltaicas; estas geram a energia elétrica para a iluminação LED das fachadas. 

Museu de garrafas PET (1)

Será possível erguer um prédio, no caso um museu, construído com garrafas de plástico PET ? Isto foi possível com a expertise do arquiteto e engenheiro estrutural Arthur Huang, diretor da empresa Miniwiz-Sustainable Energy Development, com operações comerciais no Taiwan, Xangai e Berlin. O museu EcoARQ é baseado no conceito das três erres “Reduzir, Reutilizar e Reciclar”; trata-se de um grande pavilhão cultural de 2.186 m², com anfiteatro e salão de exposições distribuídos em 3 pavimentos. Foi construído no Taiwan em 2010 com 1,5 milhões de Polli-Bricks, são tijolos feitos com garrafas PETs recicladas. Na imagem acima vemos ao arquiteto pulando e testando a resistência estrutural dos tijolos. O maravilhoso prédio com seus tijolos de PET tem a metade do peso de um edifício convencional, é desmontável e ainda resiste terremotos, furacões e fogo. Mas como assim ?

Úteis & Belas Venezianas

No Brasil um pioneiro no uso de engenhosas proteções solares exteriores para os prédios, foi o mestre Rino Levi; com isso levava a sério a iluminação e ventilação naturais. 




Este Edifício Albina em São Paulo de 1962, com projeto dos arquitetos Alfredo Botti e Marc Rubin, foi um dos primeiros de diversos prédios de apartamentos com a fachada coberta de venezianas de madeira. Elas abrem-se como sanfonas horizontais, estão construídas de cedro e localizadas no lado Norte, a face do prédio que recebe mais horas do sol no ano todo, isso ajudou na conservação e evitou o apodrecimento.



No entanto o prédio Vertical Itaim em São Paulo -o vimos ontem- tem dois anos, foi desenhado pelo escritório Studio MK27 com os arquitetos Marcio Kogan e Carolina Castroviejo.




Finalmente, esta é a Prefeitura de Melbourne, o Council House 2, estas fantásticas venezianas de madeira na fachada Norte, giram conforme a posição do sol, estão movidas por energia fotovoltaica.