Pular para o conteúdo principal

Cultura do Projeto Luminotécnico (1)



Com muito orgulho estou apresentando a nossa colunista convidada à prestigiosa Lighting Designer curitibana Eliana Zielonka.  O conteúdo da matéria é excelente e ainda escrito sem frescuras. Vamos lá !

Cultura do Projeto Luminotécnico - ou a falta dela

Em quase treze anos de trabalho no segmento de iluminação, percebo que o projeto luminotécnico ainda é visto como um "bicho de sete cabeças" por um grande número de profissionais.  Há pouco mais de uma década estávamos limitados ao uso das velhas e boas lâmpadas incandescentes, fluorescentes, vapor de sódio, vapor de mercúrio, néon e uma ou outra coisa a mais. Mas o avanço tecnológico neste campo foi grande e, de repente, passou-se a falar em dicróicas, halógenas, PAR, multivapores metálicos, fibra ótica e -pasmem- LEDs!   "O que é isto?"  "Como usar?"  Estas são as perguntas mais comuns entre jovens arquitetos, engenheiros ou profissionais ávidos por dominarem a arte/ciência da iluminação. Entretanto, mais urgente do que responder a estas perguntas ou até mesmo antes que se conceitue um projeto luminotécnico, está a questão do "quando". QUANDO fazer um projeto luminotécnico ?  Em que etapa da obra ?   Em termos simplistas, uma construção se dá nas seguintes etapas:
a) Contratação do arquiteto
b) Elaboração do projeto arquitetônico
c) Elaboração de um projeto estrutural
d) Elaboração de um projeto hidráulico
e) Elaboração de um projeto elétrico
Na maior parte das vezes, a etapa do projeto luminotécnico é inexistente. A iluminação passa a ter alguma importância após a conclusão da obra, junto ao trabalho de ambientação e decoração.  Julgam ser projeto, a colocação de luminárias em pontos preexistentes. Pontos estes deixados por profissionais aos quais nada foi dito sobre a necessidade e uso -modus vivendi, operandi - do usuário, do morador.  Deparamo-nos com os indefectíveis dois pontos na sala de estar, um ponto na cozinha, alguns pontos -calculados pelo sistema ponto a ponto- quando é o caso de áreas consideradas técnicas e só.  Tem início aí a saga do "querer fazer o que não se pode".  Rasga-se a laje? Aumenta-se o número de interruptores?  Coloca-se ou retira-se o gesso?

Eliana Zielonka é consultora em Iluminação, tem formação em Luminotecnia pela Universidade de Buenos Aires, em Lumière et Architecture pela Citée Universitaire na cidade de Lyon, curso de Luminotecnia residencial, clínica e comercial pela Universidade de Tucuman, além de ser diretora do escritório de projetos e loja Klee Iluminação, em Curitiba.   www.kleeiluminacao.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Trunfos da Dwelle House

Se a namorada do seu filho quer se mudar com vocês, ou se precisar um quarto extra para praticar ioga, o que faz, se muda de casa ? A solução é instalar no seu terreno uma habitação da Dwelle, empresa britânica fabricante desta casas minimalistas. São casas high tech com possibilidade de customização, vejam na imagem como é possível escolher diversos acabamentos interiores e exteriores; ainda componentes como painéis fotovoltaicos, sistema de coleta de águas de chuva, lareira de alto desempenho. O isolamento térmico é por conta de celulose de jornais 100% reciclados; opcionalmente se pode escolher isolamento térmico com lã de ovelha, mais aberturas com vidro triplo e placas PCM. Estas PCM  com espessura de 1,5 cm, tem a mesma capacidade de armazenar calor que um muro de 12 cm de tijolo,  ou  9 cm de concreto. PCM é o acrônimo de Phase Change Material, material de mudança de fase. 






A Dwelle é uma casa de qualidade que leva 8 semanas para sua fabricação na empresa, nesse tempo podem-se r…

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Cidade Masdar nos Emirados Árabes Unidos

Estou publicando um vídeo sobre a cidade de Masdar, ainda em construção nos Emirados Árabes Unidos, uma cidade sem carros convencionais...pois há outro tipo de automóveis. Nascendo no meio do deserto como uma milionária aposta de 22.000 milhões de dólares dedicados à pesquisa, desenvolvimento e comercialização de fontes de energia e soluções de tecnologias renováveis e limpas. O programa inclui a sede central da companhia Abu Dhabi Future Energy Company, a gerenciadora do empreendimento. Com zonas econômicas diferenciadas para 1.500 empresas; um Centro de Inovação acolhendo uma incubadora de novas tecnologias. 




A cereja do bolo é a universidade Masdar Institute of Science and Technology, filial do mítico MIT, o prestigioso Massachusetts Institute of Technology. A cidade de Masdar vai ser a maior e mais moderna comunidade auto-sustentável do mundo, vai produzir mais energia da que consume, a primeira cidade livre de gás carbônico CO2 e lixo zero.