Pular para o conteúdo principal

Cultura do Projeto Luminotécnico (1)



Com muito orgulho estou apresentando a nossa colunista convidada à prestigiosa Lighting Designer curitibana Eliana Zielonka.  O conteúdo da matéria é excelente e ainda escrito sem frescuras. Vamos lá !

Cultura do Projeto Luminotécnico - ou a falta dela

Em quase treze anos de trabalho no segmento de iluminação, percebo que o projeto luminotécnico ainda é visto como um "bicho de sete cabeças" por um grande número de profissionais.  Há pouco mais de uma década estávamos limitados ao uso das velhas e boas lâmpadas incandescentes, fluorescentes, vapor de sódio, vapor de mercúrio, néon e uma ou outra coisa a mais. Mas o avanço tecnológico neste campo foi grande e, de repente, passou-se a falar em dicróicas, halógenas, PAR, multivapores metálicos, fibra ótica e -pasmem- LEDs!   "O que é isto?"  "Como usar?"  Estas são as perguntas mais comuns entre jovens arquitetos, engenheiros ou profissionais ávidos por dominarem a arte/ciência da iluminação. Entretanto, mais urgente do que responder a estas perguntas ou até mesmo antes que se conceitue um projeto luminotécnico, está a questão do "quando". QUANDO fazer um projeto luminotécnico ?  Em que etapa da obra ?   Em termos simplistas, uma construção se dá nas seguintes etapas:
a) Contratação do arquiteto
b) Elaboração do projeto arquitetônico
c) Elaboração de um projeto estrutural
d) Elaboração de um projeto hidráulico
e) Elaboração de um projeto elétrico
Na maior parte das vezes, a etapa do projeto luminotécnico é inexistente. A iluminação passa a ter alguma importância após a conclusão da obra, junto ao trabalho de ambientação e decoração.  Julgam ser projeto, a colocação de luminárias em pontos preexistentes. Pontos estes deixados por profissionais aos quais nada foi dito sobre a necessidade e uso -modus vivendi, operandi - do usuário, do morador.  Deparamo-nos com os indefectíveis dois pontos na sala de estar, um ponto na cozinha, alguns pontos -calculados pelo sistema ponto a ponto- quando é o caso de áreas consideradas técnicas e só.  Tem início aí a saga do "querer fazer o que não se pode".  Rasga-se a laje? Aumenta-se o número de interruptores?  Coloca-se ou retira-se o gesso?

Eliana Zielonka é consultora em Iluminação, tem formação em Luminotecnia pela Universidade de Buenos Aires, em Lumière et Architecture pela Citée Universitaire na cidade de Lyon, curso de Luminotecnia residencial, clínica e comercial pela Universidade de Tucuman, além de ser diretora do escritório de projetos e loja Klee Iluminação, em Curitiba.   www.kleeiluminacao.com.br

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Charges do Consumismo (2)

Além do consumismo próprio feminino e masculino -até os homens hão caído nessa- temos o consumismo das crianças e adolescentes...pago com o dinheiro dos pais. O pai da imagem diz “I paid”, eu paguei !  Os vilões desta história são os cartões de crédito que facilitam consumir primeiro e pagar depois...
A imagem mostra o estilo de vida adolescente:  “Jovens de entre 8 e 18 anos de idade nos EUA, gastam um quarto do seu tempo de mídia usando diversos meios de comunicação.  O  24% dos jovens de 12 até 18 anos na maioria das vezes usam outra mídia enquanto assistem TV”.  Isto último também o fazem os adultos !  Mas a boa notícia é que as mídias podem ser usadas também para semear a cultura do desapego, do Consumo Colaborativo. Depende de nós...é só atitude. 
Ps. não sou um dinossauro...rss  Uso o correio eletrônico, o celular e o desenho por computador; principalmente como maravilhosas ferramentas de otimização do trabalho...e também de comunicação.

Esverdeando as nossas cidades

Podemos esverdear as nossas cidades plantando árvores tal e como fez Curitiba, a capital verde da América; ou ainda com telhados e muros vegetais, em ambos os casos estamos repondo o verde destruído com a extensão de avenidas e a construção de edificações. Mas por que é tão importante acrescentar o verde nas cidades? Pois favorece o sombreamento melhorando a qualidade do ar; aliás o verde ajuda na luta contra o fenômeno da “ilha de calor”, onde o concreto aparece como um grande armazenador de calor. Pelo processo de evapotranspiração as plantas usam a energia calórica para evaporar a água, com isso são capazes de esfriar os prédios no verão, num processo similar ao que acontece no corpo humano. De quebra estamos lutando contra o alagamento das ruas, onde a rede pública de esgoto não consegue dar conta das chuvaradas intensas; estamos assim retrasando a chegada das águas pluviais ao coletor municipal. Mas do que falamos quando pensamos num telhado verde ou vegetal? Um telhado verde é a…