Pular para o conteúdo principal

Lições aprendidas do Pixel



O maravilhoso da profissão de arquiteto -como de todas as profissões- é a experiência que vai-se adquirindo. Em inglês chama-se de lessons learned. Agora vamos ver as lições aprendidas do prédio Pixel.
Embora as turbinas de eixo vertical do telhado têm girado regularmente produzindo energia elétrica, às vezes o sistema não se desligou da rede pública distribuidora, com o resultado de energia desperdiçada.  A solução foi implementar uma ligação direta dos inversores para o alarme do sistema de automação predial, para que as eventuais falhas das turbinas sejam rapidamente identificadas re-conectando a energia à rede.
A instalação original de biogás utiliza um recipiente de aço inoxidável para o lodo com tubulação de cobre para a transmissão de gás ao telhado. O tubo de cobre logo foi substituído por tubo plástico para permitir o uso com metano.
Durante o projeto as luminárias LED especificados foram atualizados pelo fornecedor para incluir uma nova função para proporcionar uma luz mais espalhada nos escritórios. Mas esta função afetou os sensores de luz e enviou uma mensagem errada para o software no prédio. As luminárias tiveram que ser ajustadas.
Os sanitários a vácuo são de uso relativamente novo no mercado australiano, face isso houve problemas com sua limpeza e manutenção. Aconteceu que alguns materiais de limpeza foram atraídos para o sistema danificando a bomba de vácuo.


Os painéis fotovoltaicos de rastreamento -eles acompanham o movimento do sol nas diversas horas do dia- têm um sistema de controle que monitora a sua iluminação e ajusta sua direção para maximizar os níveis de luz.  Verificou-se que o sistema ajustou os painéis à noite para enfrentar a luz forte da vizinha cidade de Melbourne, desperdiçando energia no processo. A solução foi agregar relógios de tempo para limitar o movimento dos painéis nas horas de luz solar.

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

O que é Arquitetura Bioclimática ?

Podemos dizer que Arquitetura Bioclimática é aquela que usa o clima local como ferramenta de trabalho, significa que o arquiteto desde o pique orienta corretamente a sua edificação -casa ou prédio- para tirar partido do sol, isso já era conhecido por Sócrates no século IV A.C., também pelos romanos, só que com a Revolução Industrial e o advento dos sistemas de calefação e ar-condicionado e ainda aqueles caprichos “de artista” com grandes fachadas vidradas, essa sabedoria foi sendo esquecida. Olha que até o Tintin sem ter diploma de arquiteto...rss sabe das bondades do calor solar. Mas o arquiteto esperto também sabe tirar partido dos ventos prevalentes, do regime de chuvas, da umidade, do calor armazenado na terra...Uma arquitetura bioclimática, em conseqüência é como um termo de alfaiate, executado conforme o clima da região. O qual não significa dispensar o uso de equipamentos mecânicos de climatização, como ar-condicionado e sistemas de calefação, só que eles vão ser usados menos h…

Cittaslow Tolfa (em Roma)

Vamos conhecer um pouquinho de Tolfa, uma Cittaslow da região metropolitana de Roma. Uma fantástica parceria entre o município e a empresa pública de eletricidade Enel, permite implementar medidas de apoio ao desenvolvimento do território, alavancando a mobilidade sustentável e a melhoria dos centros comunitários. Por exemplo o apoio ao turismo protegendo o centro histórico da cidade, com bicicletas elétricas de uso compartilhado -bike sharing- fornecidas pelo Enel. Ainda os lugares de encontro e agregação serão aprimorados com foco nas áreas para crianças, o centro esportivo dedicado ao tênis e soluções energeticamente eficientes no campo da iluminação.O alvo é gerar benefícios mensuráveis e duradouros para as comunidades, com crescimento inclusivo e sustentável e criação de valor compartilhado.


Ainda pareça um comentário ingênuo...nos filmes às vezes aparecem velhas casas na Itália com pouca manutenção, porém o interior é caprichado e com todo o conforto moderno, não temos que ser pr…