Pular para o conteúdo principal

Lições aprendidas do Pixel



O maravilhoso da profissão de arquiteto -como de todas as profissões- é a experiência que vai-se adquirindo. Em inglês chama-se de lessons learned. Agora vamos ver as lições aprendidas do prédio Pixel.
Embora as turbinas de eixo vertical do telhado têm girado regularmente produzindo energia elétrica, às vezes o sistema não se desligou da rede pública distribuidora, com o resultado de energia desperdiçada.  A solução foi implementar uma ligação direta dos inversores para o alarme do sistema de automação predial, para que as eventuais falhas das turbinas sejam rapidamente identificadas re-conectando a energia à rede.
A instalação original de biogás utiliza um recipiente de aço inoxidável para o lodo com tubulação de cobre para a transmissão de gás ao telhado. O tubo de cobre logo foi substituído por tubo plástico para permitir o uso com metano.
Durante o projeto as luminárias LED especificados foram atualizados pelo fornecedor para incluir uma nova função para proporcionar uma luz mais espalhada nos escritórios. Mas esta função afetou os sensores de luz e enviou uma mensagem errada para o software no prédio. As luminárias tiveram que ser ajustadas.
Os sanitários a vácuo são de uso relativamente novo no mercado australiano, face isso houve problemas com sua limpeza e manutenção. Aconteceu que alguns materiais de limpeza foram atraídos para o sistema danificando a bomba de vácuo.


Os painéis fotovoltaicos de rastreamento -eles acompanham o movimento do sol nas diversas horas do dia- têm um sistema de controle que monitora a sua iluminação e ajusta sua direção para maximizar os níveis de luz.  Verificou-se que o sistema ajustou os painéis à noite para enfrentar a luz forte da vizinha cidade de Melbourne, desperdiçando energia no processo. A solução foi agregar relógios de tempo para limitar o movimento dos painéis nas horas de luz solar.

Postagens mais visitadas deste blog

Trunfos da Dwelle House

Se a namorada do seu filho quer se mudar com vocês, ou se precisar um quarto extra para praticar ioga, o que faz, se muda de casa ? A solução é instalar no seu terreno uma habitação da Dwelle, empresa britânica fabricante desta casas minimalistas. São casas high tech com possibilidade de customização, vejam na imagem como é possível escolher diversos acabamentos interiores e exteriores; ainda componentes como painéis fotovoltaicos, sistema de coleta de águas de chuva, lareira de alto desempenho. O isolamento térmico é por conta de celulose de jornais 100% reciclados; opcionalmente se pode escolher isolamento térmico com lã de ovelha, mais aberturas com vidro triplo e placas PCM. Estas PCM  com espessura de 1,5 cm, tem a mesma capacidade de armazenar calor que um muro de 12 cm de tijolo,  ou  9 cm de concreto. PCM é o acrônimo de Phase Change Material, material de mudança de fase. 






A Dwelle é uma casa de qualidade que leva 8 semanas para sua fabricação na empresa, nesse tempo podem-se r…

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Cidade Masdar nos Emirados Árabes Unidos

Estou publicando um vídeo sobre a cidade de Masdar, ainda em construção nos Emirados Árabes Unidos, uma cidade sem carros convencionais...pois há outro tipo de automóveis. Nascendo no meio do deserto como uma milionária aposta de 22.000 milhões de dólares dedicados à pesquisa, desenvolvimento e comercialização de fontes de energia e soluções de tecnologias renováveis e limpas. O programa inclui a sede central da companhia Abu Dhabi Future Energy Company, a gerenciadora do empreendimento. Com zonas econômicas diferenciadas para 1.500 empresas; um Centro de Inovação acolhendo uma incubadora de novas tecnologias. 




A cereja do bolo é a universidade Masdar Institute of Science and Technology, filial do mítico MIT, o prestigioso Massachusetts Institute of Technology. A cidade de Masdar vai ser a maior e mais moderna comunidade auto-sustentável do mundo, vai produzir mais energia da que consume, a primeira cidade livre de gás carbônico CO2 e lixo zero.