Pular para o conteúdo principal

Universidade no deserto de Arizona (2)





Para se dar bem na luta contra o clima severo do deserto, os arquitetos empregaram um leque de estratégias que incluem o emprego de materiais idôneos para o clima; os edifícios têm estrutura metálica e estão protegidos por diversos dispositivos exteriores para barrar o sol antes que entre, tal e como diversos tipos de brises, treliças de malha de arame e chapa perfurada. Outro segredo foi a equalização do layout arquitetônico, significa dispor as instalações para favorecer a ventilação natural como vemos na imagem. Também o desenho de ruas para fornecer sombra, aí os arquitetos pegaram inspiração nas ruas estreitas de Marrakesh, ladeadas por edifícios altos que mantêm os pedestres na sombra. 
Mas claro que a ventilação natural não é suficiente, foi preciso procurar o apoio de equipamentos de ar-condicionado, a premissa de desenho foi como diminuir a carga do ar-condicionado sem perder conforto. Face isso foram instalados 11 eficientes unidades de manipuladores de ar com volume de ar variável que funcionam com água gelada.



O campus do politécnico está composto por uma mistura de cinco prédios, quatro pátios com verde e passarelas pedonais, com reaproveitamento de dos prédios da antiga base aérea. Compreende salas de aulas e laboratórios para 10.000 estudantes. Todo comunicado por estreitas ruas e passarelas pedonais; vejam estas duas alunas batendo tranquilamente um papo protegidas do calor do deserto. O prédio atingiu a certificação LEED Gold, com coisas tão interessantes como o reaproveitamento de 3.500 toneladas de asfalto, bem como o concreto das antigas trilhas da base aérea; todo esse material de demolição foi logo moído. Ainda foi reciclado o 91% dos resíduos na etapa de construção do campus. Quem sabe se este projeto no deserto de Arizona poderia servir de inspiração para um complexo de prédios de educação no Nordeste...

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

O que é Arquitetura Bioclimática ?

Podemos dizer que Arquitetura Bioclimática é aquela que usa o clima local como ferramenta de trabalho, significa que o arquiteto desde o pique orienta corretamente a sua edificação -casa ou prédio- para tirar partido do sol, isso já era conhecido por Sócrates no século IV A.C., também pelos romanos, só que com a Revolução Industrial e o advento dos sistemas de calefação e ar-condicionado e ainda aqueles caprichos “de artista” com grandes fachadas vidradas, essa sabedoria foi sendo esquecida. Olha que até o Tintin sem ter diploma de arquiteto...rss sabe das bondades do calor solar. Mas o arquiteto esperto também sabe tirar partido dos ventos prevalentes, do regime de chuvas, da umidade, do calor armazenado na terra...Uma arquitetura bioclimática, em conseqüência é como um termo de alfaiate, executado conforme o clima da região. O qual não significa dispensar o uso de equipamentos mecânicos de climatização, como ar-condicionado e sistemas de calefação, só que eles vão ser usados menos h…

Cittaslow Tolfa (em Roma)

Vamos conhecer um pouquinho de Tolfa, uma Cittaslow da região metropolitana de Roma. Uma fantástica parceria entre o município e a empresa pública de eletricidade Enel, permite implementar medidas de apoio ao desenvolvimento do território, alavancando a mobilidade sustentável e a melhoria dos centros comunitários. Por exemplo o apoio ao turismo protegendo o centro histórico da cidade, com bicicletas elétricas de uso compartilhado -bike sharing- fornecidas pelo Enel. Ainda os lugares de encontro e agregação serão aprimorados com foco nas áreas para crianças, o centro esportivo dedicado ao tênis e soluções energeticamente eficientes no campo da iluminação.O alvo é gerar benefícios mensuráveis e duradouros para as comunidades, com crescimento inclusivo e sustentável e criação de valor compartilhado.


Ainda pareça um comentário ingênuo...nos filmes às vezes aparecem velhas casas na Itália com pouca manutenção, porém o interior é caprichado e com todo o conforto moderno, não temos que ser pr…