Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2015

Sustentabilidade, Turismo & Telenovelas (1)

Nestes tempos de recessão econômica vamos ver como as telenovelas podem -se bem feitas claro- servir para promover o turismo. Por exemplo, a Turquia hoje é um destino comum para viajar, mas com certeza atrás disto houve uma inteligente operação de marketing. E o que têm a ver as telenovelas turcas com isso ? Muito, pois quem não assistiu inúmeras vezes aos personagens das “Mil e uma noites” ou Fatmagül tomando um chá ou um café à turca à beira-mar ?   Na imagem 4 vemos a Onur e Scherezade da primeira telenovela.
Na próxima vamos conhecer algo realmente fantástico, o caso duma prefeitura de Valencia, Espanha, fazendo um investimento de milhares de Euros, para a filmagem duma telenovela com o alvo de promover o turismo regional. O caso é que ela multiplicou por 36 o montante do investimento.



o BRT, criado no Brasil (2)

O interessante é como o sucesso deste sistema de transporte público criado no Brasil, baseado em corredores exclusivos para ônibus, foi replicado em outras cidades do mundo todo, hoje temos perto de 83 cidades que implantaram (ou estão construindo) um sistema de transporte que eles chamam “o de Curitiba”. Por exemplo, a cidade Bogotá, na Colômbia, implantou o BRT TransMilenio, na imagem 1.   Na imagem 2 temos o BRT de Los Angeles, nos Estados Unidos. Já a imagem 3 é uma enquete de satisfação do usuário na Cidade do México, aí os passageiros deram nota de 7,8 em 10 pontos possíveis. 
No Brasil temos estes corredores para ônibus no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre. O sistema de transporte público de Curitiba, a Rede Integrada de Transporte (RIT) é baseada neste conceito do BRT. Abrangendo 81 quilômetros, onde circulam ônibus e veículos biarticulados que transportam cerca de 2 milhões de passageiros por dia. 
Trata-se dum sistema completo que compreende ônibus express…

o BRT, criado no Brasil (1)

O conceito do BRT Bus Rapid Transit, o corredor exclusivo para ônibus, foi criado em Curitiba em 1974 pelo Prefeito arquiteto Jaime Lerner, o alvo foi não só transportar pessoas senão ordenar o crescimento urbano. Conforme Lerner nessa época a cidade tinha um grave problema de mobilidade urbana com ônibus lotados, acidentes e engarrafamentos na hora do pique. Então a população começou a pedir o metrô, mas a Prefeitura não tina verba para isso; ciente disso a solução foi construir um sistema de carris exclusivos para ônibus com estações ao nível do pavimento do bus.  Este metrô de superfície tem a mesma capacidade que o metrô subterrâneo convencional, mas com custo 100 vezes menor por quilômetro. Na imagem 3 vemos a curitibana Linha Verde.

o VLT do Rio de Janeiro

Fonte: http://www.vltcarioca.com.br/

O VLT do Rio será um dos primeiros do mundo projetado totalmente sem catenárias (cabos para captar energia elétrica em fios suspensos). O abastecimento de energia será feito pelo sistema APS (alimentação pelo solo), que é uma espécie de terceiro trilho, já implantado com sucesso em diversas cidades européias. Na prática, trata-se de um sistema de alimentação de energia pelo solo combinado a um supercapacitor (uma fonte de energia embarcada).
O VLT é um veículo ecologicamente correto, pois utiliza um sistema próprio de geração de energia pelo solo para circular e não utiliza combustível fóssil, por isso não emite gases tóxicos. Outra característica é a presença de três mecanismos de freio: mecânico, motor e de emergência. Além disso, o VLT possui piso rebaixado, que garante uma melhor acessibilidade aos vagões e ar-condicionado de última geração, mantendo o clima interno entre 20° e 24°c.
Os condutores do VLT serão profissionais altamente capacitados e…

Bondes na Europa (2)

Na imagem 1 vemos os bondes de Amsterdam, entanto na imagem 2 este fantástico amarelo em Berlin. Na imagem 3 vemos um bonde sem catenárias em Bordeaux. As catenárias são as estruturas instaladas no telhado do bonde para captar a energia elétrica dos fios suspensos. Esta é a versão mais moderna do bonde, tal e como os que estão se instalando em Rio, batizados de VLT Veículo Leve sobre Trilhos. A primeira fase do VLT está prevista para entrar em operação em abril de 2016, e vai funcionar durante os Jogos Olímpicos de Rio; amanhã vamos ver isso.

Bondes na Europa (1)

O arquiteto Jaime Lerner -o pai da Curitiba moderna- longe de ver as cidades como problema as vê como solução; então um elemento chave para ter melhores cidades é a mobilidade urbana, para isso é fundamental um transporte público eficiente. No entanto as cidades da Europa estão promovendo o uso do bonde, um meio de transporte que parecia em vias de extinção, mas que está voltando com uma imagem renovada, mais eficiente e sustentável. Todo isso possível pela adaptação da tecnologia ferroviária ao entorno urbano ou suburbano. Estes bondes elétricos que não contaminam estão hoje presentes nas principais cidades europeias, as três imagens são dos bondes de Paris. 

Clínicas em Arizona (fim)

Desde o pique o alvo dos arquitetos foi desenhar uma edificação com longa vida e pouca manutenção; acontece que este escritório Lake | Flato Architects esta engajado com a sustentabilidade. . Na imagem 2 vemos como são coletadas as águas pluviais do telhado com cisternas de 4 m³, as quais são usadas logo para irrigar as plantas do jardinismo baseado em espécies nativas. No telhado temos um sistema fotovoltaico de 69 kW para gerar energia elétrica a partir do sol. 
Ainda esta “sinfonia” verde no clima desértico da Arizona tem seu correlato na democratização da gestão, pois a Arizona State University tem um site interativo chamado de Campus Metabolism ( www.cm.asu.edu ). Acessando nele é possível para o publico ver o uso dos recursos dos diversos prédios do campus, como estas cínicas Health Services Building por exemplo. Pelas suas características sustentáveis o edifício atingiu a certificação LEED Platina; no entanto seu desempenho energético é 49 % menor que o estabelecido pela norma A…

Clínicas em Arizona (3)

Esta maravilhosa clinica é um edifício bioclimático onde a orientação dos prédios dá uma turbinada às atividades da histórica Palm Walk; no entanto a entrada dos estudantes ao pavilhão, se faz por este passeio de palmeiras através de sombreadas varandas com treliças e videiras. O paisagismo é um elemento chave que, aliás, fornece privacidade às áreas de espera interiores bem como às exteriores, o edifício é de fato um espaço de convivência para os estudantes e o bairro. Mas também a correta orientação serve para maximizar a iluminação natural; vejam na imagem 2 onde aparecem as horas de sol e os ventos prevalentes no inverno e no verão, estes aspectos foram estudados ao detalhe antes dos arquitetos começar a rabiscar os primeiros desenhos da clinica. Isto é um método de trabalho que deveria ser ensinado nas faculdades de arquitetura.

Clínicas em Arizona (2)

Este prédio localizado na cidade de Tempe faz parte do campus da Arizona State University; implicou a demolição de 1400 m² de edifício ineficiente, a renovação de 1300 m² em dois andares contendo escritórios, laboratórios e programas de bem-estar, bem como 1858 m² de nova construção em dois pavimentos para abrigar clínicas de saúde para os estudantes. 
Este desenho biofílico reforça a relação entre os ocupantes e o meio ambiente, preservou quase 500 m² para programas de bem-estar como meditação e yoga. Vejam na imagem 3 as laranjeiras nas fachadas do edifício. Uma coisa sutil onde dá para ver a expertise dos arquitetos é a contribuição para o principal objetivo da Universidade, a desinstitucionalização das instalações para conseguir mudar a percepção dos estudantes da "clínica de saúde" e incentivar a adoção de "estilos de vida saudáveis". Desenho biofílico significa o desenho arquitetônico que incorpora a natureza, há evidências dos benefícios para a saúde física e…

Clínicas em Arizona (1)

O que acham destas clínicas de saúde no clima desértico de Arizona, nos Estados Unidos?  Prédios de similares características poderiam ser construídos cá no Nordeste brasileiro. Este é um caso de retrofit e ampliação, um fantástico projeto que transformou os antigos e ineficientes prédios da Arizona State University Health Services Building, num complexo muito bem organizado, uma instalação eficiente e acolhedora. 
É uma obra-prima do escritório Lake I Flato Architects do ano 2012 com 3158 m², um projeto holístico onde a sensibilidade dos arquitetos conseguiu ir mais além da simples clínica de saúde, promovendo o conceito de vida saudável e o bom relacionamento com o entorno existente, vejam como casa bem com esta avenida de palmeiras, a Palm Walk. Mas como foi possível este maravilhoso retrofit e quais são os seus trunfos? Amanhã vamos ver...

Apartamentos em Berlim (2)

Estes belos apartamentos da rua Boyen são de construção mista de alvenaria, com uma estrutura metálica que suporta brises de madeira na fachada Sul. Eles controlam a quantidade de iluminação natural que penetra no interior; os lofts têm um layout aberto e customizável, o que permite aos usuários diversas disposições dos cômodos e móveis. O projeto do escritório Deimel Oelschläger Architekten ganhou o Passive House Award em 2014. Trata-se dum edifício com emissões atmosféricas quase zero, com placas fotovoltaicas que produzem energia primaria para o consumo, e ainda alimentam o sistema de ventilação, o elemento chave da eficiência energética do prédio. Isto é fundamental se lembramos que os apartamentos são estanques, então a ventilação mecânica fornece ar fresco e climatização no inverno e no verão. Vejam acima uma abertura padrão com triple vidro e duas câmaras de ar recheias de gás Argônio; alumínio por fora e pelo interior a calidez da madeira.
A cereja do bolo: a eletricidade não c…

Apartamentos em Berlim (1)

Adorei estes brises que fornecem proteção solar bem como a calidez da madeira, para estes fantásticos apartamentos. Estão localizados num prédio de nova construção e sete andares,do ano 2013, em Berlin, hoje capital européia da cultura. Como apartamentos Passivhaus que são, o desenho de sua envoltória exterior é estanque, dai suas aberturas com triple vidro e duas câmaras de ar recheias de gás Argônio. A construção inclui o superisolamento térmico dos muros e telhado. Os 21 apartamentos têm no total 2535 m², com estrutura mista de alvenaria e madeira.

Escola Montessori na Alemanha (2)

Esta Escola Montessori em Aufkirchen atende todos os parâmetros de desenho da Norma Paasivhaus, como a envoltória exterior com superisolamento térmico nos muros, pavimento e telhado. O telhado verde além de bonito serve para isolamento para na perder calor no inverno. Ainda sua ótima orientação solar com vidrados na fachada Sul, permite aproveitar a iluminação natural. Adorei esta planta baixa “orgânica” de forma arredondada. A envoltória exterior da escola tem condições de estanqueidade; no entanto a calefação é por conta duma caldeira de condensação CHP Combined Heat & Power. 

Escola Montessori na Alemanha (1)

Será possível construir ou ainda reformar escolas existentes usando a rigorosa Norma alemã da Passivhaus? A boa noticia é que no Reino Unido, Alemanha e Áustria existem já mais de trinta escolas Passivhaus; muitas vezes com iguais custos de construção se comparada a uma escola de construção convencional.  
Hoje vamos visitar a Escola Montessori em Aufkirchen, Alemanha; com projeto do escritório WGVL, Walbrunn Grotz Vallentin Loibl. Obra de 2004 com 3275 m² e sistema de construção misto de alvenaria e madeira. Ela ganhou o Passive House Award 2014 na categoria prédios educacionais.