Pular para o conteúdo principal

O que é o Pacto do Rio?


Fonte: http://www.rio.rj.gov.br/web/ipp/o-que-e

No aniversário dos seus 450 anos de História, a cidade do Rio de Janeiro terá com certeza muitos motivos para comemorar. Ciente dos desafios e também das oportunidades para construir uma cidade mais humana, justa e conectada, o Instituto Municipal de Urbanismo Pereira Passos (IPP) lança o Pacto do Rio: por uma cidade integrada, nesta quarta-feira, 17 de dezembro, no Museu de Arte do Rio (MAR). 
O Pacto do Rio é um conjunto de compromissos articulados entre os setores público e privado, a academia e a sociedade civil, com base em informação qualificada e compartilhada, para promover e monitorar o desenvolvimento sustentável da cidade do Rio de Janeiro. O objetivo é gerar uma grande rede – compartilhada, autorregulada,  autofinanciada e apartidária –, capaz de unir esforços entre os segmentos e diversos atores em prol da melhoria da qualidade de vida da população, através de uma maior  integração da cidade. O Pacto foi inspirado em duas grandes redes das quais o IPP faz parte: a Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável-SDSN (http://unsdsn.org/), iniciativa proposta pelo Secretário Geral da ONU, Ban Ki Moon; e o Fórum Nacional. 
Da SDSN Global nasceu, em março deste ano, a SDSN Brasil, da qual o IPP é uma das instituições âncora. O passo fundamental para a criação do Pacto do Rio foi o compromisso assumido pelo Prefeito Eduardo Paes, durante a sua viagem a Nova York, em setembro deste ano, para participar da Conferência do Clima (Climate Week). 
Na ocasião, o prefeito se comprometeu com Jeffrey Sachs, diretor da SDSN Global, em criar um projeto piloto para fazer do Rio de Janeiro um modelo de cidade sustentável, nos eixos de resiliência, inclusão e conectividade. Como o IPP no âmbito da Prefeitura é o órgão de referência na coleta, análise e geração de informação qualificada e compartilhada, foi encarregado pela elaboração dos indicadores e promover as ações referentes ao eixo de Inclusão. 
Por outro lado, há mais de quatro anos, no âmbito do Fórum Nacional, promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), algo muito inovador foi criado: o Colegiado "Favela é Cidade", que reúne realizadores e lideranças de favelas, empresas, instituições públicas e acadêmicas, com o objetivo de elaborar um plano de desenvolvimento dessas áreas para sua inclusão social e econômica. 
O Pacto do Rio visa, através de informação qualificada e compartilhada, a fortalecer nossas experiências bem-sucedidas de parcerias público-privadas participativas, em que ouvir a sociedade faz parte desde o começo do seu planejamento. É um pacto da cidade para a cidade, entre indivíduos e instituições que compartilham princípios e um objetivo comum: uma cidade cada vez mais humana, justa, integrada. Só assim cumpriremos nossa missão de transformar o Rio numa cidade-modelo de desenvolvimento sustentável. 
Veja fotos em: https://www.flickr.com/photos/institutopereirapassos/sets/72157649392280869/

Curta a nossa página em: facebook.com/pactodorio

Postagens mais visitadas deste blog

Paris, reciclando uma estação de trem

Atenção aos que tem planos de viajar a Paris, que tal visitar La REcyclerie? Um inusitado lugar onde é possível comer ou tomar uma bebida no café-cantina, visitar e cuidar da granja urbana, e dar uma vasculhada na oficina de consertos; de fato o local atua como uma verdadeira praça de convívio, algo muito bom para lutar contra a violência urbana atual. Mas como assim? La REcyclerie é um lugar ma-ra-vi-lho-so funcionando nas instalações duma antiga estação de trem desativada em Paris; abriga duas empresas, uma de catering para administrar o bar-cantina e  uma associação de animação para gerenciar as atividades pedagógicas e culturais (Les Amis Recycleurs). Estas duas entidades permitem que os empregados sejam contratados, através de um acordo coletivo que corresponda às suas respectivas necessidades. A associação Os Amigos Recicladores é responsável pela animação e programação da oficina e da granja urbana. O objetivo do projeto é promover o “uso” ao invés da “propriedade” das coisas, …

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

TAIPEI 101 (4)

Vamos ver hoje um curioso mecanismo deste arranha-céu de Taipei 101, o temos também em outros prédios altos do mundo. Trata-se de um amortecedor de massa nos seus andares superiores, o qual funciona como um pêndulo; sua missão é contra-restar as flutuações e movimentos laterais do prédio, se deslocando em sentido contrário destes. Acontece que todos os prédios em altura experimentam movimentos conforme um eixo horizontal, e se são prédios muito elevados como este os efeitos destes deslocamentos realmente são importantes. Para os que gostam das matemáticas, trata-se de um balanço conforme o eixo “x” num sistema de eixos “x” e “y”. Na parte direita da imagem acima é mostrado como se produzem estas flutuações num prédio alto.