Pular para o conteúdo principal

Norman Foster x 4 (fim)




A quarta obra do arquiteto Norman Foster é a Hearst Tower em Nova Iorque, prédio multiuso, pois além da revista “The Hearst Magazine” e outros escritórios, há uma local de fotografia, um centro de saúde, um fórum de palestras, um restaurante no andar 44, uma cafeteria (Café 57), e o teatro Joseph Urban. A torre inaugurada em 2006, tem 182 metros de altura e 46 andares, foi construída em 3 anos e custou 366 milhões de Euros. É o primeiro arranha-céu nova-iorquino a obter o Gold LEED (Liderança em Energia e Desenho Ambiental). Esta fantástica reciclagem aproveita um prédio de alvenaria de 6 andares do 1928, o qual virou um grande átrio, uma zona de uso comum ótima para encontros com amigos, chamada de “Praça Urbana”, na imagem 3. Sua climatização apela a uma laje radiante com tubos embutidos onde circula água quente ou fria. Colado às escadas há uma série de cascatinhas cuja água contribui a arrefecer o ar no verão; elas providenciam música, são a trilha sonora da praça. 
A logomarca da Hearst Tower são as suas fachadas em forma de diamante, de estrutura com diagonais de aço inox, este desenho arrojado conseguiu poupar 2.000 toneladas de aço, o 85% do material estrutural é reciclado. Com esta disposição, penetra maior quantidade de luz natural nos escritórios. Há também sensores de luz que desligam as luzes quando há suficiente luz natural, e sensores de movimento que desligam os computadores quando o escritório está vazio. Com todos estes dispositivos o arranha-céu consume 25% menos energia que outros similares do seu tipo.
Na cobertura do prédio temos um telhado verde onde se recolhe a água de chuva, a qual logo é armazenada e usada na substituição da água que evaporou do ar condicionado, na rega das plantas e árvores da avenida. Assim estamos reduzindo a quantidade de água usada direcionada á rede pública. A sustentabilidade compreende a cuidadosa escolha dos materiais, com proibição de acabamentos e colantes que emitam VOCs, compostos orgânicos voláteis.

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.