Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2015

França, escola em Fréjus (1)

Vamos visitar uma escola que não utiliza ar-condicionado, ela usa ventilação natural. Mas como se produz este milagre? Pois este milagre é na realidade um velho truque...Acontece que este fantástico Lycee Albert Camus está localizado em Fréjus, no Sul da França; numa cidade que desfruta do clima mediterrâneo com temperatura agradável e que recebe muita energia do sol. A escola secundária está dedicada aos estudantes nos últimos três anos do currículo, os que já têm a carreira escolhida para continuar seus estudos. Todo começou com um concurso de projetos em 1991, o ganhador foi o escritório Norman Foster & Partners. O prédio possui uma planta quadrada de 200 m de comprimento com um total de 14.500 m² construídos, basicamente está formado por muros vidrados e abóbadas de concreto; foi concluído em 1993. O layout é uma muito comprida "rua" que faz de eixo central criando uma espécie de praça no núcleo.

Itália, escritórios duma fábrica de luminárias (2)

Vejam como desde os croquis iniciais, o arquiteto Cucinella e seu time tinham em mente o aproveitamento da ventilação e iluminação naturais; no inverno com o sol mais baixo e no verão com o sol mais alto. O prédio de escritórios tem planta retangular de 40 x 19,3 metros, são quatro pavimentos de escritórios abertos e outros parcialmente fechados. No primeiro andar temos a administração, na seção intermediária,que liga o prédio existente com o novo, estão os serviços.  Entanto na cobertura temos a diretoria da empresa com varanda diante dos escritórios. Todo está organizado em torno dum átrio central de 100 m² que fornece iluminação natural aos espaços interiores; este luminoso pátio central com verde plantas oferece qualidade de vida aos funcionários...até dá vontade de trabalhar na iGuzzini.

A abundância de superfícies vidradas contribui à iluminação, mas é uma iluminação dirigida e controlada, também para evitar ofuscamentos visuais aos funcionários. Para equalizar o fornecimento de …

Itália, escritórios da fábrica de luminárias (1)

Isto é ma-ra-vi-lho-so! Acreditam vocês que uma empresa fabricante de luminárias, a  iGuzzini Illuminazione, encarregou o projeto para sua sede em Recanati, na Itália, com o alvo de maximizar a iluminação natural ? 
Acontece que a cidade está numa região de clima seco e quente no Sul da Itália, face isso o desenho do edifício contempla o máximo aproveitamento da iluminação e ventilação naturais. Os estudos da iluminação natural foram feitos em parceria com a Escola Politécnica de Lausana; dá para ver como custo-benefício é rentável aproveitar a luz do sol. O criador deste fantástico prédio é o italianíssimo arquiteto Mario Cucinella, um arquiteto sustentável e ...um artista.
Na imagem 4 vemos o Auckland Museum com iluminação da iGuzzini.

The BOBs 2015

Acabei de inscrever este blog "Arquitetura Solar" no prêmio The BOBs 2015, The Best of Blogs, concurso da Deutsche Welle alemã. Na edição 2014 ganhei o segundo lugar como “Favorito do público em português”.  O júri vai escolher os vencedores nas três categorias internacionais do concurso, Mudança Social, Privacidade e Segurança e Artes & Mídia. Este ano ainda foi agregado o Prêmio Liberdade de Expressão, que será concedido pela Deutsche Welle. Os ganhadores nas 14 categorias por idioma serão escolhidos por uma votação online a partir de 9 de abril.  Só que há um detalhe, esta vez me registrei na categoria Mudança Social, toda vez que a sustentabilidade é um assunto de atitude, é necessário uma mudança cultural das pessoas.
www.thebobs.com/portugues/

Alemanha, prédio inteligente de escritórios (2)

A sofisticada fachada ventilada da empresa Herrmann Püttmer, nas imagens 1 e 2, leva uma pele exterior fixa de montantes e vidro duplo, logo temos uma câmara de ar de 60 cm. Entanto a pele interior tem portas de correr de operação manual e esquadrias de movimento mecânico, também de vidro duplo. Dentro da câmara temos dois alçapões de ventilação, uma na parte inferior e a outra na superior; elas permitem o movimento ascendente do ar dentro da fachada ventilada. Na imagem vemos os ventiladores axiais nas quinas do prédio, eles geram correntes horizontais para distribuir o ar pré-aquecido. Dentro da câmara ainda há espaço para uma veneziana de alumínio, a qual pode servir como proteção refletindo o sol para o exterior; ou ainda para o fundo de edifício através dos painéis do forro. 
O sistema funciona usando as grandes superfícies como trocadores de calor, no teto com água fria para refrigerar o ambiente, e no pavimento radiante com água para calefação. Uma instalação de 200 m² de coleto…

Alemanha, prédio inteligente de escritórios (1)

Que outra coisa poderia ser este edifício senão a sede duma empresa fabricante de fachadas de alto desempenho? O prédio é o melhor anúncio publicitário! A empresa Herrmann Püttmer está localizada na cidade de Würzburg, Alemanha, entanto os arquitetos deste fantástico prédio são Webler & Geissler.
O prédio é um volume compacto e de planta quadrada, com dois pavimentos e pé direito de 4,10 metros. Ótimo para minimizar as trocas de calor, o interessante é sua engenhosa fachada perimetral, ela atua como um amortecedor térmico poupando as perdas térmicas no inverno e os ganhos de calor no verão. O layout do prédio é flexível, em base a grandes salas separadas só por paredes de vidro sem caixilhos, todo ao redor dum átrio central com jardim e espelho de água. Na parte superior temos o elemento mais importante para a ventilação natural, uma grande clarabóia móvel de 12 x 12 metros, funciona automaticamente e ainda pode ser ativada em forma manual pelos funcionários. 
Na imagem 2 vemos à es…

Vietnã, casa de tijolos ventilada (2)

Esta casa é um poema, uma pérola rara com coisas a salientar como uma planta simples, racional, lógica, parece uma planta baixa de engenheiro...rss Impossível não pensar como ninguém antes desenhou uma planta assim! Ë uma engenhosa planta organizada em torno a um espaço comum, com duas escadas; ainda o espaço embaixo delas foi aproveitado para colocar num deles um lavabo e no outro, parte do banheiro do dormitório em suíte, que alias tem seu walk-in closet. No térreo temos o living e a sala de jantar, a cozinha com depósito mais despensa, um espaço de trabalho, um piano e uma bicicleta. 
Entanto sobre o espaço comum, no pavimento superior, temos um vazio; outro dormitório em suíte, uma biblioteca, um lavabo, um depósito e um espaço para o recolhimento espiritual.  Com economia de recursos, mas com eles corretamente empregados, com sensibilidade de artista, a expertise dos arquitetos conseguiu uma verdadeira obra de arte empregando basicamente belos tijolos e concreto aparente. As carac…

Vietnã, casa de tijolos ventilada (1)

Nos diversos climas tropicais do Brasil e do mundo todo, é fundamental levar a sério o sol nas nossas edificações, sabem por quê? Porque é necessário 3 vezes mais energia para refrigerar uma habitação que para calefacioná-la! O que significa que um desenho ruim com certeza vai trazer maiores gastos em ar-condicionado. Os conceitos de baixo consumo energético também são aplicáveis a climas tropicais como este do sudeste asiático. Este fantástico sobrado, projeto do escritório Tropical Space, está localizada em Da Nang, cidade do Vietnã que fica 15 graus acima do Equador; num local de clima tropical e ventos monzones. 
O carro chefe da casa é seu sistema de fachada dupla pele e vazada, ela permite que a casa respire e seja bem iluminada pelo sol. São as fachadas curtas Norte e Sul de tijolos, colocados separados deixando ocos entre eles para a ventilação. Logo vem uma câmara de ar de 45 centímetros de espessura, com altura igual à da casa. Por atrás dela temos a segunda fachada com esqua…

Inglaterra, escritórios Arup (2)

A ventilação destes prédios da Arup é praticamente natural pelas escotilhas das chaminés solares com controle automático. Alias as fachadas estão equipadas com escotilhas automatizadas para a ventilação noturna e de inverno. Só o centro de informática e o auditório são climatizados por um sistema de ventilação que utiliza ar exterior. O conceito de eficiência energética inclui o desenho diferenciado das fachadas e proteções solares; na imagem 2 vemos os brises de alumínio fixos na frente do frontispício. Na imagem 3 temos venezianas de madeira na fachada sudeste. 
O carro chefe deste fantástico edifício são estas belas chaminés solares, uma verdadeira poesia da engenharia; elas possibilitam uma planta profunda de 24 metros bem iluminada, com ambientes abertos e contínuos. Locais de uso flexível, o cenário perfeito para o trabalho interdisciplinar de projetos desta empresa de engenharia;é um prédio que funciona a contento para o trabalho eficiente e feliz dos funcionários, acreditem que…

Inglaterra, escritórios Arup (1)

Este maravilhoso prédio é a sede do globalizado escritório britânico de engenharia ARUP em Solihull, perto de Birmingham, na Inglaterra. Eles têm até filiais em São Paulo e Rio de Janeiro. Conforme o croqui este edifício é uma verdadeira lição de arquitetura, vejam como sua forma exterior obedece a critérios de eficiência energética, maximizando a iluminação e ventilação naturais, apelando a estas “chaminés solares” (clarabóias no telhado) que permitem que entre a luz do sol e ainda aproveitam os ventos prevalentes. Os croquis iniciais foram seguidos por simulações computacionais na busca da forma mais eficiente. Para aqueles céticos que não acreditam nisto, basta pensar que este prestigioso escritório Arup não é um escritório só de arquitetura, trata-se duma firma de engenharia que maximiza os recursos e em conseqüência os benefícios. Trás disto há uma questão cultural, na faculdade ó engenheiro é treinado para obter o maior benefício do dinheiro do cliente. Entanto às vezes a capaci…

USA, escolas de alto desempenho (2)

Um bom design para as escolas também produz ambientes mais confortáveis com adequada iluminação, temperatura do ar, umidade e níveis de ruído.  Esses fatores reduzem as distrações e criam ambientes onde alunos e professores podem ver claramente, ouvir com precisão, e não sentem muito calor ou frio. Estes ganhos de eficiência do prédio podem poupar dinheiro em contas de serviços públicos; e são tão importantes que algumas organizações fornecedoras de fundos aos proprietários dos edifícios os incluem no projeto. Face isso ambientes mais saudáveis podem trazer dinheiro para a escola, diminuindo o absenteísmo e aumentando o financiamento com base na média de atendimento diário.  Estes benefícios financeiros, em saúde e produtividade são o resultado dum projeto integrado: significa a compreensão de como os elementos de construção interatuam entre eles para otimizar o desempenho da escola inteira.
Outra prova mais do estilo de vida esbanjador do Ocidente; a imagem 1 diz “ A cada ano o estuda…

USA, escolas de alto desempenho (1)

Já vimos uma escola tipo passivhaus na Áustria, agora vamos ver as pautas de desenho da Collaborative for High Performance Schools, CHPS nos Estados Unidos.  É uma organização líder que fornece subsídios para a construção e operação das instituições de ensino de alta perfomance. Seu bordão é “Melhores prédios. Melhores alunos”. Assim foram estabelecidos critérios visando à construção de escolas energeticamente eficientes e rentáveis. Uma escola de alto desempenho é eficiente ao respeito do consumo de energia e recursos, segura, customizável e fácil de operar e manter, saudável, confortável, bem iluminada e contem as comodidades para uma educação de qualidade. Os seus parâmetros de desenho ajudam na redução de custos operacionais, aumentam a assistência dos alunos, mantém a qualidade dos professores e da equipe, minimizam o impacto ambiental. 
Um design de alto desempenho vai ter um efeito positivo sobre a saúde e o conforto dos alunos, professores e funcionários. Por exemplo, as estrat…

Áustria, escola passivhaus (fim)

Na fachada Sul desta maravilhosa escola, a que recebe mais sol, no térreo temos o recreio e a sala de atos com duplo pé direito, na imagem 2. Entanto no primeiro andar está a biblioteca, na imagem 1. Isto que parece um acabamento de madeira não é tal; é uma proteção para o sol do verão na fachada Sul, executada com chapa de cobre perfurada ao 30%, vejam a cor do cobre. Eu resgato a expertise dos arquitetos para desenhar as diversas fachadas com diferentes dispositivos de proteção e filtragem da luz solar, conforme a orientação da rosa dos ventos.
Para encerrar duas boas noticias, estes dispositivos já estão estudados ao detalhe num excelente livro do ano 1957 ! Trata-se do “Solar Control & Shading Devices” (Controle Solar & Dispositivos de Sombra) dos autores Olgyay & Olgyay. Hoje o arquiteto tem o apoio de programas computacionais de simulação que permitem escolher as melhores soluções. Também existe um programa distribuído grátis pelo Departamento de Energia dos Estados U…

Áustria, escola passivhaus (2)

Esta escola primaria em Klaus possui três andares; na planta padrão há um corredor central, na fachada Leste temos as doze salas de aula, na imagem 1. Entanto a sala de professores, espaços de apoio, laboratórios, banheiros, estão voltados à fachada Oeste.
Sobre este corredor central temos uma serie de clarabóias, elas permitem o funcionamento dum sistema controlado de impulsão e exaustão de ar com pré-aquecimento em canal subterrâneo. No verão o ar fresco ainda é pré-refrigerado neste canal subterrâneo, poupando assim equipamentos complementares de ar-condicionado. As clarabóias permitem desfrutar da presença constante da luz que chega até o térreo, óbvio dizer que além do conforto visual e psicológico da luz natural, a luz é alegria! Como o Carnaval !! Prova disto é o índice de suicídios nos países que passam meses na escuridão, com pouco sol, como a Suécia e a Noruega. De quebra estamos poupando energia com iluminação artificial. 

Áustria, escola passivhaus (1)

Atrás desta fantástica escola, temos o caprichoso trabalho do escritório de arquitetos Dietrich & Untertrifaller e um time de consultores para os projetos complementares como instalações; estrutura de concreto; de madeira; condições térmicas e ainda mais. O prédio, um encargo da prefeitura de Klaus, na Áustria, cumpre a norma das Passivhaus de consumo de calefação menor a 15 kWh/m² por ano. Os custos adicionais desta passivhaus frente a uma construção convencional são só 3% mais. O cliente contratou ainda um estudo prévio de custos, para tomar a decisão da venda do prédio da antiga escola primaria e a construção dum novo edifício. Decisão ecológica e economicamente correta. Também serviu para escolher a melhor opção de entre um leque de opções sobre calefação. A calefação das salas de aula é por conta do sistema de ventilação; entanto a sala de atos e a biblioteca, que não seguem o modelo passivhaus, são esquentadas por uma laje radiante de baixa temperatura alimentada por uma cal…