Pular para o conteúdo principal

Moto elétrica Sudaca




Moto o bicicleta ? Pouco importa, o interessante é que se trata dum transporte elétrico criado por quatro estudantes de Desenho Industrial da Universidad de Buenos Aires. O que no começo foi um trabalho para a faculdade agora está virando um empreendimento, num mundo onde muitas pessoas preferem a segurança dum emprego, estes moços estão começando outra carreira, a de empreendedor. Parabéns ! Estes criadores da primeira moto elétrica argentina estão à procura de investidores para fabricá-la, a moto produzida em série vai custar em torno de 16.000 pesos argentinos, uns R$ 4.800. 
A moto Sudaca foi pensada para às pessoas que viajam ao redor de 20 quilômetros diários entre sua casa e o trabalho. O alvo foi criar uma moto feita à medida do corpo humano -ergonométrica- com dimensões que facilitem os deslocamentos nos reduzidos espaços da cidade. O resultado foi um produto compacto, com visual atrativo e com peso menor aos 80 kg. Pode atingir uma velocidade de 40 km/h, sua bateria se recarga em 6 horas com uma autonomia de 30 quilômetros.
Na imagem 3 vemos a e-bike, uma bicicleta elétrica fabricada em Manaus (AM) pela Dafro desenhada para percorrer pequenas distâncias. Construída em alumínio pesa só 28,8kg, cabe no porta-malas do carro pois é dobrável.  Vem equipada com bateria de lítio; com uma velocidade constante de 25 km/hora e pedaladas leves a autonomia pode ser de 50 km. Uma coisa importante para todos os produtos é que os fabricantes tenham previsões sobre sua correta disposição final, neste caso é fundamental para as baterias. As baterias tradicionais de chumbo são tóxicas para a saúde humana, a mesma coisa acontece com as de lítio, como as dos celulares. Não é possível enterrá-las nos aterros “sanitários” ou lixões ! Também no caso dos estudantes argentinos a disposição final deve ser ensinada na faculdade; faz anos que se fala em Análise do Ciclo de Vida dos produtos. 
Ps. gostaria ter retorno de outros modelos desenhados no Brasil, até em alguma universidade.

Postagens mais visitadas deste blog

Paris, reciclando uma estação de trem

Atenção aos que tem planos de viajar a Paris, que tal visitar La REcyclerie? Um inusitado lugar onde é possível comer ou tomar uma bebida no café-cantina, visitar e cuidar da granja urbana, e dar uma vasculhada na oficina de consertos; de fato o local atua como uma verdadeira praça de convívio, algo muito bom para lutar contra a violência urbana atual. Mas como assim? La REcyclerie é um lugar ma-ra-vi-lho-so funcionando nas instalações duma antiga estação de trem desativada em Paris; abriga duas empresas, uma de catering para administrar o bar-cantina e  uma associação de animação para gerenciar as atividades pedagógicas e culturais (Les Amis Recycleurs). Estas duas entidades permitem que os empregados sejam contratados, através de um acordo coletivo que corresponda às suas respectivas necessidades. A associação Os Amigos Recicladores é responsável pela animação e programação da oficina e da granja urbana. O objetivo do projeto é promover o “uso” ao invés da “propriedade” das coisas, …

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

TAIPEI 101 (4)

Vamos ver hoje um curioso mecanismo deste arranha-céu de Taipei 101, o temos também em outros prédios altos do mundo. Trata-se de um amortecedor de massa nos seus andares superiores, o qual funciona como um pêndulo; sua missão é contra-restar as flutuações e movimentos laterais do prédio, se deslocando em sentido contrário destes. Acontece que todos os prédios em altura experimentam movimentos conforme um eixo horizontal, e se são prédios muito elevados como este os efeitos destes deslocamentos realmente são importantes. Para os que gostam das matemáticas, trata-se de um balanço conforme o eixo “x” num sistema de eixos “x” e “y”. Na parte direita da imagem acima é mostrado como se produzem estas flutuações num prédio alto.