Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2014

UNITED KINGDOM, Monastery Court (1)

Aonde estão indo estes estudantes entrando no velho casarão? Ainda não pareça eles estão indo a estudar desenho digital. Este é outro fantástico projeto de reciclagem, neste caso um armazém de 1860, logo utilizado como mosteiro e capela Batista; o alvo foi transformá-lo no carro chefe da Norwich University College of the Arts -NUCA- para abrigar o Laboratório de Arte Digital. O projeto de Hudson Architects, com 717m² foi completado em 2010; dá nova vida a um antigo prédio, poupando a energia da demolição e da construção de um novo. Acontece que todos os materiais têm energia embutida, é a energia empregada na sua fabricação; então a cada vez que um edifício é demolido ou que partes dele acabam no aterro sanitário, estamos enterrando essa energia, é a mesmo que dizer que estamos enterrando dinheiro. É um projeto interessante demais para todo arquiteto, a expertise dos arquitetos permitiu adaptar um velho prédio ao ensino das artes visuais com tecnologias digitais. Com layout ótimo para…

WASHINGTON, luminoso loft (2)

A luz é o elemento fundamental que faz a diferença na transformação desta fantástica casa, por isso para conseguir uma boa reflexão da luz foram empregadas diversas estratégias; nos andares superiores os muros de tijolo levam acabamento de aço e nos outros foi aplicada tinta branca. Este reforma demonstra como nesta época de ambientes pequenos, é possível reciclar um velho prédio e usando uma linguagem arquitetônica moderna, empregando vidro e metal, ter o conforto de ambientes generosos e ainda um ar de loft. Vou confessar que estou guardando as plantas desta bela casa para pegar inspiração para os meus projetos. Esta reforma recebeu diversos prêmios nos Estados Unidos, seus 300 m² foram completados em 2007. O casarão foi renovado completamente, a fachada original em pedra caliça teve uma pequena modificação no térreo, com o agregado duma porta adicional para gerar uma entrada independente e uma fachada comercial; se trata dum prédio histórico. Na imagem 1 vemos as pequenas janelas d…

WASHINGTON, luminoso loft (1)

Sabem o que se esconde atrás da fachada deste prédio no bairro histórico em Washington DC, Estados Unidos ? Pois temos uma mistura de casa familiar e loft, um local onde o espaço parece fluir como nas casas do genial Frank Lloyd Wright. Acreditam vocês que esta luminosa casa já foi um velho prédio escuro, e até triste? Às vezes comprar um velho prédio pode ser uma bela oportunidade para fazer um retrofit e ganhar qualidade de vida. O criador deste milagre foi o arquiteto Robert Gurney, ele conseguiu tirar partido desta planta baixa profunda demais e transformá-la numa casa familiar com terraço. O edifício um armazém industrial com mais dum século de antiguidade, tem pé direito de 2,70 m, são 6 m de frente por 30 de profundidade. Com essa profundidade era escuro pois a luz natural penetra só até seis metros da fachada. O retrofit conservou o sistema original da estrutura e a maioria das vigas existentes, mas foram demolidas algumas paredes. Para conseguir boa iluminação o prédio passou…

SINGAPORE, Nanyang Technological University (2)

O carro chefe desta Escola de Arte, Desenho e Mídia da Universidade Técnológica de Nanyang é seu fantástico telhado verde em forma de amêndoa. Formado por dois braços descendentes em forma de fita travados com um terceiro braço menor; abrigam um pátio com fontes, cascatinhas, uma plataforma flutuante; seu espelho de água cria um ambiente prazeroso que contribui a arrefecer o ar.  A temperatura de Cingapura é uniformemente quente o ano todo, está perto do Equador. Faze isso o principal fator de conforto do prédio é a refrigeração, ajudada com este telhado que fornece o isolamento térmico necessário; também o escoamento da água de chuva, nesta região com fortes chuvaradas no inverno. A irrigação do telhado é feita com água de chuva coletada e armazenada em reservatórios subterrâneos. Aliás, a criação dum telhado verde apropriado a este local tropical foi um desafio e tanto, supus conhecer o crescimento dos diversos tipos de grama, e uma caprichosa instalação de irrigação e de drenagem d…

SINGAPORE, Nanyang Technological University (1)

As formas audaciosas deste maravilhoso prédio convidam à criatividade, acho que se respira um ar de liberdade ótimo para esta Escola de Arte, Desenho e Mídia da Universidade Técnica de Nanyang na Cingapura. É um assunto simbólico, pois este descolado prédio casa bem com as intenções da escola, a promoção da criação dos alunos numa aproximação não convencional à educação.  
É um projeto é do escritório CPG Consultants, são 20.000 m² inaugurados em 2006, com custo de 36 milhões de dólares. Mostra como a sustentabilidade e um prédio comunitário pode combinar a contento; o programa arquitetônico inclui mais de 24 salas e laboratórios para mídia e desenho, salas para seminários, duas galerias de arte, estúdio de som, auditório para 450 poltronas, biblioteca e escritórios.  Conforme o Diretor do escritório Hoong Bee Lock: “Nós quisemos deixar à paisagem desempenhar um papel importante na moldagem do prédio”. A terra é um bem escasso na Cingapura e na Universidade, então a solução dos arquite…

LONDRES, condomínio BedZED (fim)

Este maravilhoso condomínio BedZED foi projetado para mostrar que é possível a construção sustentável em grande escala, e ainda ter ótimo custo-benefício para a incorporadora. Porque é importante construir sustentavelmente? Pois acontece que o entorno construído, significa as casas e os prédios, são o maior consumidor de matérias primas virgem e o maior gerador de produtos indo para o aterro sanitário. Neste caso a construção empregou mão de obra e materiais locais, a maioria dos materiais foi produzida num raio máximo de 50 km, isto poupa o combustível dos caminhões e emissões atmosféricas. Foram empregados materiais reusados como areia, concreto, madeira, vigas metálicas, além de madeira certificada. As vigas vieram do desmantelamento duma antiga estação de trem, foram submetidas a testes antes de seu uso.
A cereja do morango, este "bento" BedZED está nos propondo um novo estilo de vida, hoje fala se em lifestyle, nesta época de exaltação do individualismo, temos um modelo …

LONDRES, condomínio BedZED (3)

Estes painéis fotovoltaicos que vemos na imagem 1 produzem energia elétrica para 40 carros de uso compartilhado pelos moradores. Para pequenos deslocamentos ainda há motos elétricas. No total são 770 m² instalados na fachada Sul, produzem 107 kWp. O uso dos fotovoltaicos para fornecer força aos prédios foi descartado pelo prazo de amortização, no entanto, os edifícios estão desenhados para aceitá-los no futuro quando baixem os custos.
Para produzir energia temos uma caldeira CHP de cogeração que fornece eletricidade, calor para calefação, e água quente sanitária. O combustível empregado é biomassa, são aparas de madeira trazidas de zonas vizinhas que alimentam um gasificador.
Para o uso eficiente da água foram empregadas duas estratégias, o reaproveitamento e a redução do consumo. Para aproveitar as águas de chuva temos um sistema de coleta que as armazena em reservatórios subterrâneos, logo são usadas nas descargas sanitárias e na rega dos espaços verdes. A primeira hora de chuva é par…

LONDRES, condomínio BedZED (2)

A monitoração do funcionamento faz parte deste fantástico BedZED, face isso se o comparamos com um condomínio convencional temos que o consumo de água quente para calefação é 45% menor. A eletricidade para iluminação, cozinha e eletrodomésticos é 55% menor; entanto o consumo de água é 60 % menor. Mas como foi possível esta maravilha ?  
Pois uma correta envoltória exterior é fundamental para usar pouca calefação e ainda ter fresquinho no verão, os grossos muros e os jardins das coberturas atuam com armazenadores de calor. Estes telhados verdes têm 30 cm de espessura. Conforme a imagem 3 os muros têm três capas, bloco maciço de concreto, após 30 cm de isolamento térmico, por fora tijolo local ou carvalho local certificado FSC. As esquadrias tem vidro triplo; entanto nas estufas o vidro é duplo. As estufas são um terraço jardim voltado ao Sul para o aproveitamento do calor e da iluminação do sol. As unidades habitacionais empregam ventilação cruzada e ventilação por chaminé de vento com …

LONDRES, condomínio BedZED (1)

O que temos atrás do verde e das fachadas solares deste fantástico condomínio BedZED ? Neste condomínio inaugurado em 2002 há qualidade de vida, mas também uma bela parceria e muito trabalho de pesquisa. Desde 1999 a Peabody Trust se associou com o escritório de engenharia Arup com o alvo de estudar a viabilidade econômica do BedZED, acrônimo que significa Beddington Zero Energy Developent. Trata-se dum condomínio com consumo zero de energias fósseis como carvão, gás e petróleo. O Peabody Trust é uma incorporadora de habitação social de longa data e com visão de futuro. O projeto também é resultado de muitos anos de testar idéias entre os engenheiros do Arup e o arquiteto projetista Bill Dunster, especializado em desenho ambiental usando energias renováveis. Acho excelente o compromisso ambiental do arquiteto, pois para dar uma checada prática ao assunto ele construiu sua própria casa com esses parâmetros de desenho. Desde o pique já temos os três quesitos fundamentais como instalaçõe…

CANADÁ, verde Dockside Green (fim)

A eficiência energética é o primeiro objetivo a ser cumprido para atingir a certificação LEED; a cada um dos 26 prédios do Dockside Green é 50 % mais energeticamente eficiente que o exigido pelo Canadian Model National Energy Code. As cocinhas estão equipadas com eletrodomésticos eficientes; as unidades habitacionais dispõem de iluminação artificial eficiente e sensores de ocupação. Têm equipamentos de ventilação com recuperador de calor, os quais aproveitam o calor do ar expulso para esquentar o ar fresco de entrada. As residências têm monitores que medem a pegada ecológica de cada uma. As torres residenciais de 5 e 8 andares estão construídas em concreto armado; entanto as moradias de baixa altura estão construídas com estrutura de madeira. Outras melhoras que ajudam na eficiência energética são o emprego de ótimo isolamento térmico, esquadrias de alto desempenho e dispositivos de sombreamento.
O condomínio está conectado à distribuidora local de energia, mas dispõe duma usina de cog…

CANADÁ, verde Dockside Green (2)

Um destaque deste Dockside Green é a eficiente gestão da água apoiada por uma completa infraestrutura; conforme o promotor imobiliário vão ter uma poupança de 264 milhões de litros de água anuais. Todo começa com a coleta de águas pluviais nas coberturas dos prédios com telhados verdes e pérgulas; esta água alimenta a descarga dos sanitários e serve para irrigação. Entanto os esgotos recebem tratamento numa ETE Estação de Tratamento de Esgoto e logo são conduzidos a uma vala de infiltração biológica (bioswale); junto com as pluviais percorrem um circuito que termina no porto, mas que antes passa baixo a rua e ainda por outra vala de infiltração biológica. O 100% do esgoto é tratado e reusado diminuindo a necessidade de água potável num 65% para os vasos sanitários de duplo fluxo, e metais sanitários eficientes. Excelente !
Esta Greenway -calçada verde- não só serve para a coleta das águas senão tem uma função adicional assegurando condições de intimidade aos moradores, a questão da pri…

CANADÁ, verde Dockside Green (1)

Que tal fazer um passeio por este calçadão entre espelhos de água e logo tomar uma cervejinha ? Este fantástico condomínio Dockside Green é uma operação de revitalização urbana, numa antiga zona industrial vizinha ao porto. O terreno está localizado na cidade de Victoria, na Columbia Britânica, no Canadá; cidade que desfruta de belas paisagens e do clima mais temperado do país. Trata-se dum condomínio de usos múltiplos, residencial, habitação e trabalho, varejo, escritórios, estacionamento subterrâneo e serviços públicos. Face isso o masterplan do Busby Perkins + Will Architects, na imagem 2, prevê a valorização e restauração da costa, passeio pela orla marítima e passarelas pedestres, docas para pequenos barcos, algumas atividades industriais leves como estaleiro de iates. Entanto as instalações culturais incluem uma grande praça com anfiteatro e palco, playground para as crianças. 
O ambicioso projeto foi completado em 2008, está localizado num terreno de seis hectares, no total são …

INDONÉSIA, resort nas falésias (2)

Nesta região de Uluwatu com sua longa estação seca o uso eficiente da água é fundamental, neste oásis a fonte principal de abastecimento é um abrangente sistema de coleta de águas pluviais em reservatórios subterrâneos, os quais fazem possível também que a água se infiltre no solo. Também há um extenso sistema de reúso de águas cinza, para abastecer a descarga dos vasos sanitários e a irrigação. Mas esta maravilha toda não termina cá, sendo que o esgoto recebe tratamento, o esgoto tratado junto com a água de chuva abastece o sistema de águas cinza. Mas o importante é que tudo isto é certificado, significa que você tem que provar e comprovar como funciona, neste caso o sistema do uso eficiente da água excede os 21 padrões da Green Globe, um programa de certificação global para as indústrias de viagens e turismo com práticas sustentáveis. Basicamente as empresas certificadas poupam água e energia, além de outros cuidados com o meio ambiente. Entanto no Brasil existe a Norma NBR 15.401 d…

INDONÉSIA, resort nas falésias (1)

Dá para acreditar que esta bela moradia com seu espelho de água está localizado numa savana seca e pedregosa ?  A casa pertence ao Alila Villas Uluwatu, resort localizado na ilha de Bali, na Indonésia; ao invés de localizá-lo nas regiões frescas do Norte os arquitetos escolheram a região de Uluwatu na Península de Bukit na zona Sul. É um projeto do escritório WOHA Design de Cingapura, construído logo da inauguração do aeroporto vizinho e do apelo da prefeitura local para desenvolver esta área para o turismo; assim a península foi se desenvolvendo rapidamente. 
Conforme a imagem 4 temos as villas das falésias, as do hotel, e villas da encosta (imagem 3), no total são 56 moradias de um dormitório e outras 26 de três e quatro dormitórios, o complexo é construído sobre o declive do terreno, o que permite desfrutar a cada habitação da vista panorâmica para o mar e as falésias. As moradias de três e quatro dormitórios estão compostas de pavilhões separados, mas conectados por pátios com espe…

IRLANDA, verde condomínio multiúso (fim)

Mas, porque é tão importante assim que o ELM Park seja multiúso ?  É importante que o condomínio seja multiúso, pois isso garante que não esteja vazio de gente na maior parte do dia, isso ajuda no controle da violência urbana. Pelo contrário outras cidades têm zonas especializadas conforme as atividades; por exemplo, a city, uma área de escritórios e bancos, logo das 17 horas fica vazia e perigosa. Também é interessante pela mistura de pessoas de diversas idades, classes sociais e profissões, isso gera inclusão social. E claro pela riqueza dos diversos tipos de prédios, conforme a imagem 2 temos: 1-hospital; 2-hotel; 3-três blocos de escritórios; 4-centro de palestras; 5- restaurante; 6-dois blocos de apartamentos; 7-piscina e fitness center; 8-sete blocos de casas para idosos; e ainda acolhe uma creche.
Também é importante que o condomínio seja de alta densidade, a densidade do ELM Park é 6 vezes maior que a da periferia. Face isso é necessário muito espaço de estacionamento, foi prov…

IRLANDA, verde condomínio multiúso (2)

Significa que a natureza faz o trabalho de ventilação e iluminação naturais neste condomínio bioclimático, desenhado como um terno de alfaiate conforme o clima local. Mas como é o clima de Dublin ? A cidade tem clima temperado com poucos dias ensolarados e sem vento, o comum é ter céu encoberto. Segundo o arquiteto: “Os ventos prevalentes impulsionam o desenho mais que a luz solar”. Estes prédios compridos e estreitos estão orientados conforme o eixo Norte-Sul para tirar partido dos ventos prevalentes do Oeste. Na imagem 2 vemos o vento sugando o ar que está dentro da fachada ventilada, este espaço é preenchido pelo ar interior dos apartamentos que sai, este ar interior é substituído pelo ar exterior que penetra pela fachada Leste. É uma fachada ventilada trabalhando como uma chaminé térmica e arrastando o ar dos apartamentos com ventilação cruzada.  Ainda o ar que entra nos prédios do ELM Park sopra sobre um sistema de tubos de água quente, colocados perto da fachada Leste, para prov…