Pular para o conteúdo principal

Fórmula E





A Fórmula E estreou este sábado passado em Pequim, na China; o ganhador foi o piloto brasileiro Lucas di Grassi. Teve a participação de mais dois pilotos brasileiros como Nelsinho Piquet, que ficou no nono lugar, e Bruno Senna, que abandonou.  Esta primeira temporada vão ser 10 etapas em circuitos de rua nas grandes cidades, perto de pontos turísticos; com duas corridas na América do Sul: o 13 de dezembro em Punta del Este e o 10 de janeiro em Buenos Aires. Foi anunciada uma etapa o 15 de novembro em Rio de Janeiro, mas logo foi cancelada pelos organizadores por causa dos apertados prazos, que pena. Mas o que é exatamente esta Fórmula E ?  
A competição é uma categoria de carros monopostos movidos exclusivamente a energia elétrica. É obvio dizer que estes carros elétricos possuem taxa zero de emissões de carbono; foram desenhados e construídos pela Spark Racing Technology. McLaren será a fornecedora dos motores, transmissões e sistemas eletrônicos de todos os carros. Williams do sistema de armazenamento de energia; o câmbio é por conta da Hewland. Ainda os chassis são da Dallara e a Michelin vai ser o único fornecedor de pneus. A categoria nasceu com o intuito de servir como laboratório de pesquisa e desenvolvimento, promovendo os investimentos no automobilismo sustentável. Falando nisso o ator Leonardo di Caprio é um dos sócios fundadores da equipe Venturi Automóveis, empresa líder na fabricação de carros movidos com energia elétrica. No total são 10 equipes, a cada equipe vai ter 2 pilotos e 4 monopostos, em circuitos de 3 a 4 quilômetros de extensão. Os monopostos vão acelerar de 0 a 100 km/h em 3 segundos com uma velocidade máxima de 225 km/h. Quando a bateria esteja esgotada o piloto fará uma parada em boxes e logo deverá descer do veiculo e correr 100 metros para subir a um monoposto recarregado, a cada corrida leva 2 paradas obrigatórias em boxes.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

trunfos da casa Koda

Sabiam que esta fantástica microcasa, Koda House, está fabricada com alguns componentes vindos da tecnologia aeroespacial e aplicações militares? Tal e como muitas tecnologias hoje comuns. Conforme a imagem, temos painéis solares no telhado para gerar energia e dentro, uma casa inteligente com alarme, iluminação LED ajustável e controle climático. A salientar que com a profundidade do local de 4,50 metros, estamos maximizando a iluminação natural. O exterior é de concreto e o interior de madeira natural. A envoltória exterior além do vidro quádruplo tem finas paredes de concreto. Mas como assim ? 





Acontece que muros exteriores têm painéis VIP, não têm nada a ver com as socialites VIP..rss São conhecidos desde 1930, aplicados logo na industria aeroespacial e militar. O painel de isolamento a vácuo (Vacuum Insulation Panel), é composto de um núcleo hermeticamente fechado, em uma folha fina e multicamada especial. Durante o processo de fabricação todo o ar é extraído e, conforme isto os g…

Truques do Bangalô em NY

Será possível construir num terreno em declive na floresta, minimizando os trabalhos manuais no canteiro de obra, dispensando muro de arrimo, fundações importantes e o concreto bombeado ? Ainda dispondo de um enxuto orçamento e mão de obra dos proprietários, dois construtores amadores, com a ajuda de uma turma de fim-de-semana ? A expertise não se compra na farmácia, os arquitetos do escritório JacobsChang Architecture saíram vitoriosos do desafio !Esta “Half-Tree House” é uma a arquitetura levantada acima do solo que depende do suporte das árvores, todo começou com 2 sapatas de concreto ancoradas na terra -na esquerda da imagem- vejam o cabeçal preparado para receber as vigas de madeira. 



Os extremos delas ficam fixados nas árvores, com um sistema de ancoragem especial chamado Garnier Limb; uma espécie de parafuso gigante com elementos metálicos para segurar a madeira.O interessante é que este sistema patenteado permite que a árvore e a estrutura se comportem de forma independente.O t…

Cittaslow Pijao na Colômbia

Estou publicando este vídeo de Cittaslow International, sobre a cidadezinha de Pijao na Colômbia, única Cittaslow da América Latina. Um povoado cafeteiro que presta serviços a centenas de cafeicultores, numa área de riquezas naturais e biodiversidade; também uma bonita cidade com seu ritmo lento -vejam a logomarca do caracol- e moradores hospitaleiros, prestativos e ainda preocupados com ela. 





Lembremos que para aderir à rede Cittaslow International, as cidades candidatas não podem exceder os 50.000 habitantes, ainda devem se comprometer a trabalhar diferentes áreas que precisam ser certificadas por um comitê de coordenação. Eles são assuntos referentes ao meio ambiente, saneamento básico, comida local, energias renováveis, arquitetura tradicional e educação projetada para cada cidadão. Neste caso, a criadora e promotora do projeto “Cidade do bom viver” foi a Fundação Pijao Cittaslow, uma entidade sem fins lucrativos.
Quem sabe se no Brasil os moradores de alguma cidade, como Antônio Pr…