Pular para o conteúdo principal

Curitiba, crisol de culturas



Esta pequena história sobre Curitiba foi escrita com carinho, ficaria grato de receber comentários dos curitibanos e viageiros que a visitaram. Capital do Paraná, com 1,8 milhões de habitantes, é uma cidade moderna, natural e integrada, com ótimo transporte, e com cultura de imigração; há 50 anos teve uma transformação pra valer. Conforme o arquiteto Jaime Lerner “pai” da Curitiba moderna, atualmente todas as cidades do mundo apresentam três desafios fundamentais: a mobilidade, a sustentabilidade e a tolerância à sociodiversidade. Para que haja qualidade de vida urbana, é necessário um equilíbrio entre esses fatores, a sugestão é simplesmente mesclá-los. Na década dos 60-70 temos uma primeira etapa chamada assim “da descoberta da imigração”, onde foi criada a identidade da cidade. Isto é fundamental gente.  Acontece que naquela época a cidade não tinha identidade; o qual é ruim para o turismo e para outras oportunidades de negócios, pois eles também geram emprego. Mas havia uma grande riqueza com sua herança alemã, japonesa, polonesa, ucraniana, israelense, italiana, árabe e espanhola. Então caiu a ficha ! A identidade de Curitiba, seu branding, seria a riqueza desta diversidade cultural !  Na imagem a seguir, vemos a Praça do Japão e logo o mirante do Bosque Alemão.



Acho ótimo, pois tudo isto gera inclusão social; também há uma operação de marketing de promoção da marca Curitiba, isto é velho como o mundo. Já os imigrantes portugueses eram expertos comerciantes, sabiam muito do dito cujo marketing. Em palavras do urbanista Toni Puig, responsável pelo redesenho de Barcelona: “Não gosto do termo americano citymarketing, mas me interessa o que está na sua raiz: como transformar uma cidade num espaço de ótima qualidade, para a vida de todos os cidadãos e suas organizações. Todas as cidades podem atingir isso, inclusive as mais deprimidas. O problema não é o dinheiro: é de vontade cidadã e política com visão de futuro compartilhado. E de ação sem demora.” Estes foram os conceitos que balizaram o trabalho do arquiteto Lerner, ex-prefeito de Curitiba e ex-governador do Paraná. Na imagem a seguir vemos o Memorial Árabe e logo o Memorial Ucraniano.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.