Pular para o conteúdo principal

ACUPUNTURA URBANA por Jaime Lerner (fim)


Continua a entrevista ao arquiteto Jaime Lerner.
Fonte: http://panorama.jll.com.br/conceito-de-acupuntura-urbana-contribui-para-o-desenvolvimento-sustentavel-das-cidades/ 

Segundo ele, atualmente todas as cidades do mundo apresentam problemas semelhantes, porém existem três desafios fundamentais que exigem mais atenção: a mobilidade, a sustentabilidade e a tolerância à sociodiversidade. “O planejamento deve ser um ato contínuo na vida das cidades. O fundamental é a concepção da localidade”, acrescenta. Para que haja um equilíbrio entre esses fatores, a sugestão é simplesmente mesclá-los. “Quanto mais elementos relacionados a essas questões, melhor a cidade será. Haverá mais contato entre as pessoas e mais diversidade, contribuindo para que os locais se tornem mais humanizados”, ressalta o especialista, ao mencionar que a convivência é um ponto extremamente importante e que deve ser beneficiado. “A cidade é uma relação de funções, de renda, de idade. Quanto mais misturado for, mais humana e tolerante a cidade fica. Não dá mais para viver em guetos de gente rica ou de gente pobre”, argumenta.
O conceito de acupuntura urbana é válido principalmente por gerar atributos que contribuem para sustentabilidade e para a preservação do entorno de determinados empreendimentos. O Rio de Janeiro é um exemplo de cidade que pode ser beneficiada pelo conceito, pois conta com um entorno histórico a ser preservado. Um projeto de retrofit de um edifício, por exemplo, pode ser considerado um ponto de energia. Percebemos que a revitalização de determinado local é capaz de mudar completamente o comportamento de seu entorno.  Na maioria dos casos, a acupuntura urbana é aplicada de forma inconsciente no Brasil, que ainda não acompanha o mesmo ritmo de planejamento de outros países. O planejamento urbano ainda não é feito de forma consistente. Existem muitos projetos pulverizados, que não oferecem a estrutura linear que a acupuntura urbana exige. Por outro lado, encontramos empreendimentos que promovem, às vezes inconscientemente, essa mudança. Um dos exemplos a citar é a zona portuária fluminense, que hoje passa por um processo de revitalização. Mesmo sendo uma área grande, existem alguns locais da região que irão funcionar como pontos de acupuntura urbana, ao gerar mudanças em áreas ao redor. Um deles é o Museu de Arte do Rio (MAR), que já tem provocado outras melhorias na infraestrutura próxima ao espaço.

Comentário: na imagem o MAR, adoro estas fotos bem tiradas e com perspectiva !
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.