Pular para o conteúdo principal

Austrália, a descolada casa Rozak (fim)



O arquiteto Adrian Welke destaca que o desenho passivo para a iluminação natural, refrigeração e calefação são os vetores básicos para a poupança energética. Também que esta é uma casa autônoma que produz sua própria energia fotovoltaica, coleta a água necessária e trata todos seus resíduos. É importante salientar que nesta casa Rozak a água de chuva se coleta e armazena, em cisternas localizadas estrategicamente para guardá-la para a estação seca. 
E o que acontece no Brasil ? Pois no Brasil orgulhosamente já existe a Etiqueta Nacional de Conservação de Energia ENCE do Inmetro; no qual conforme critérios de eficiência energética são avaliados três vetores das edificações: a envoltória exterior, a iluminação artificial, e o sistema de ar-condicionado. No começo foi criada para prédios comerciais, de serviços e públicos; logo foi ampliada para edificações residenciais; porem a adesão à etiquetagem é voluntária. Vejam como a etiqueta da Faculdade de Tecnologia Nova Palhoça atingiu “A” a categoria mais eficiente nos quesitos envoltória, iluminação artificial e condicionamento do ar. Para encerrar, esta casa Rozak está desenhada especificamente para climas tropicais, com muita liberdade, tem tantas coisas que não são paralelas...rss 
   
Convite: continuando com estas casas Energia Zero, amanhã vamos visitar a Lighthouse (imagem 1), a primeira casa Carbono Zero do Reino Unido desenhada para clima temperado marítimo. 

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Melbourne, prédio de madeira

Que colorido apartamento !  Só tem um detalhe... ao invés de ter estrutura de concreto armado ou ainda de aço, como é corriqueiro, tem estrutura de madeira !! Mas de uma madeira especial, se trata de madeira laminada cruzada CLT cross-laminated timber.  Foi erguido com apenas 4 carpinteiros e um guindaste para posicionar e fixar os painéis CLT no lugar. O cubo de plástico preto à direita da imagem (4) é um banheiro pré-fabricado, feito em Brisbane.  Este é o prédio Forté em Melbourne, na Austrália; são 10 andares com 23 apartamentos e 32 metros de altura.
A madeira além da calidez dos seus veios aparentes é um material sustentável. Mas como assim ?  Pois a produção de uma tonelada de cimento gera 1,12 toneladas de carbono, entanto a produção de aço gera 1,5 toneladas; no processo ambos dois passam pelo forno.   É o que se denomina de energia embutida, significa a energia gasta em produzir um material ou componente construtivo. Pelo contrário as árvores produzem oxigênio e são capazes d…