Pular para o conteúdo principal

Austrália, a descolada casa Rozak 4



A estratégia passiva de climatização é criar sombra -com beirais- e capturar os movimentos do ar para mitigar a umidade. Esta é uma casa de 200 m² formada por três pavilhões feitos com malha transparente de aço, como se fosse uma tela mosquiteira, o que segura o fluxo constante de ar, também através das frestas das madeiras do piso tipo deck. Acreditam vocês que durante as fortes tormentas típicas da região, a chuva entra na casa mas vai embora pelo deck ? As passarelas elevadas têm telhado transparente de policarbonato  que as protege da chuva e permite que a iluminação natural atinja o prédio. O arquiteto Adrian Welke salienta: “Nos trópicos menos é mais, as edificações devem ser leves e elevadas, quanto menos prédio tenhas melhor. O edifício tem que respirar e proporcionar fluxo de ar para otimizar o resfriamento.” Mas a casa e seus moradores devem estar em sintonia com o estado do tempo diário, com um ritmo mais devagar quando faz muito calor e ainda se adaptando aos ciclos de sol e chuva. Tudo bem, mas construtivamente como foi resolvida esta casa ?  A casa Rozak está pendurada num cume íngreme e rochoso como um fantástico paradoxo pois parece leve, quase frágil; entanto está exposta às condições meteorológicas extremas como ventos monções, ciclones e tormentas elétricas. Os pavilhões estão muito elevados do solo para minimizar a carga de calor e potenciar o fluxo de ar por baixo e ao redor da casa. O Mike ainda acrescenta: “na união dos três pavilhões se ergue um mirante no qual você pode subir para estar sozinho ou dormir baixo as estrelas. A torre também funciona como pára-raios pois há muitas tormentas elétricas.” Na imagem vemos a fachada Norte e ainda uma das cisternas para armazenar água.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

trunfos da casa Koda

Sabiam que esta fantástica microcasa, Koda House, está fabricada com alguns componentes vindos da tecnologia aeroespacial e aplicações militares? Tal e como muitas tecnologias hoje comuns. Conforme a imagem, temos painéis solares no telhado para gerar energia e dentro, uma casa inteligente com alarme, iluminação LED ajustável e controle climático. A salientar que com a profundidade do local de 4,50 metros, estamos maximizando a iluminação natural. O exterior é de concreto e o interior de madeira natural. A envoltória exterior além do vidro quádruplo tem finas paredes de concreto. Mas como assim ? 





Acontece que muros exteriores têm painéis VIP, não têm nada a ver com as socialites VIP..rss São conhecidos desde 1930, aplicados logo na industria aeroespacial e militar. O painel de isolamento a vácuo (Vacuum Insulation Panel), é composto de um núcleo hermeticamente fechado, em uma folha fina e multicamada especial. Durante o processo de fabricação todo o ar é extraído e, conforme isto os g…

Truques do Bangalô em NY

Será possível construir num terreno em declive na floresta, minimizando os trabalhos manuais no canteiro de obra, dispensando muro de arrimo, fundações importantes e o concreto bombeado ? Ainda dispondo de um enxuto orçamento e mão de obra dos proprietários, dois construtores amadores, com a ajuda de uma turma de fim-de-semana ? A expertise não se compra na farmácia, os arquitetos do escritório JacobsChang Architecture saíram vitoriosos do desafio !Esta “Half-Tree House” é uma a arquitetura levantada acima do solo que depende do suporte das árvores, todo começou com 2 sapatas de concreto ancoradas na terra -na esquerda da imagem- vejam o cabeçal preparado para receber as vigas de madeira. 



Os extremos delas ficam fixados nas árvores, com um sistema de ancoragem especial chamado Garnier Limb; uma espécie de parafuso gigante com elementos metálicos para segurar a madeira.O interessante é que este sistema patenteado permite que a árvore e a estrutura se comportem de forma independente.O t…

Cittaslow Pijao na Colômbia

Estou publicando este vídeo de Cittaslow International, sobre a cidadezinha de Pijao na Colômbia, única Cittaslow da América Latina. Um povoado cafeteiro que presta serviços a centenas de cafeicultores, numa área de riquezas naturais e biodiversidade; também uma bonita cidade com seu ritmo lento -vejam a logomarca do caracol- e moradores hospitaleiros, prestativos e ainda preocupados com ela. 





Lembremos que para aderir à rede Cittaslow International, as cidades candidatas não podem exceder os 50.000 habitantes, ainda devem se comprometer a trabalhar diferentes áreas que precisam ser certificadas por um comitê de coordenação. Eles são assuntos referentes ao meio ambiente, saneamento básico, comida local, energias renováveis, arquitetura tradicional e educação projetada para cada cidadão. Neste caso, a criadora e promotora do projeto “Cidade do bom viver” foi a Fundação Pijao Cittaslow, uma entidade sem fins lucrativos.
Quem sabe se no Brasil os moradores de alguma cidade, como Antônio Pr…