Pular para o conteúdo principal

Cape Shanck House do Paul Morgan (fim)



Meu comentário final é que sim, a casa é sustentável mas talvez essas formas loucas não trazem paz ao espírito, até é discutível se são formas belas, isso é coisa de cada um, sou um cara racional e gosto das coisas digamos assim mais ordenadas, mais estruturadas.  Porém neste blog tento escrever livre e solto, sem essa ordem que vocês podem encontrar nas revistas o livros de arquitetura, essa ordem pode significar aborrecimento; muitas vezes gosto de começar pelo final, identificando em cada edificação qual é o seu coração, o carro chefe que balizou o trabalho do arquiteto. Mas vou confessar que também não gosto muito dessas plantas baixas ortogonais onde tudo são ângulos retos, isso é chato -para mim- adoro uma planta com movimento e curvas ! Vou dizer na minha defesa que nasci quando o Elvis começava a gravar discos e tenho meus preconceitos, como todos os temos. Mas sim que existem projetos arquitetônicos feios com ângulos agudos, agressivos, e para pior esses ângulos não são funcionais, dá para ver que em qualquer ângulo menor a um reto não entra nem uma cadeira nem uma mesa !  As vezes acho que no intuito de obter destaque, alguns arquitetos fazem uma espécie de “vale tudo”, como se fosse uma estética da feiúra. Até nos penteados das mulheres -as vezes- vigora esta estética de coisa feia; e no visual de alguns roqueiros modernos a mesma coisa... Estes meus conceitos podem até aparecer contraditórios, mas é o que eu sinto. O arquiteto americano Robert Venturi escreveu um fantástico livro “Complexidade e Contradição na Arquitetura”, ele diz que não gosta da escolha entre o branco e o preto, ele prefere branco mais preto... a cinza !  Todo isto é muito pessoal, gostos não se discutem; também não aprecio esse negocio do minimalismo e decoração clean, para mim isso significa pobreza, mas há os que gostam, e tem todo o direito, sim senhor. Para encerrar ainda duvido se esta casa no Cape Shanck poderia ser também pré-fabricada em série. Muitos arquitetos têm essa vontade de tentar sempre procurar formas novas e estranhas...parece até coisa frívola, produto da educação nas faculdades de arquitetura, onde são educados como “artistas”. Já o engenheiro procura a eficiência, não perde o sono pela procura de formas raras.


Ps. amanhã vamos retomar o fantástico tema da presença do verde em nossas edificações, aguardo a vocês !
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.