Pular para o conteúdo principal

Cape Shanck House do Paul Morgan 2



Como a água é o bem mais prezado na Austrália os reservatórios para a coleta da água de chuva são muito populares; esse bolbo branco está colocado no meio da sala de estar, com valor simbólico, ocupa o lugar da lareira e serve para armazenar a água da chuva e ainda colabora para refrescar o interior ! Mas como assim ? Acontece que este reservatório coleta as pluviais vindas de uma calha que fica escondida no telhado; as suas paredes de 6 mm de aço temperado mantêm a temperatura da água a 21ºC e serve para refrescar a casa. Acontece que o ar quente que circula a temperaturas maiores a 30ºC pela ventilação cruzada, se arrefece em contato com a água mais fria, dispensando o ar-condicionado. É um velho truque da arquitetura bioclimática, usado nos países do trópico seco. E o excesso de água ? A água que sobra é direcionada a um tanque exterior para ser empregada na descarga dos sanitários, na rega do jardim e na limpeza de roupa de neoprene. Acho que os donos de casa devem fazer mergulho. Neste grande país há uma cultura destes reservatórios, coletores solares e aero-geradores, só que eles são colocados com a casa finalizada, não foram levados em conta na etapa do projeto arquitetônico, e às vezes ficam meio desconjuntados. Ao invés disso o nosso arquiteto tira partido do bolbo branco e o coloca em destaque, demonstrando como um arquiteto esperto pode tirar vantagem das soluções sustentáveis. Mas vocês internautas inteligentes já haverão imaginado que o dito cujo bolbo branco cumpre outras funções. Exato ! Ele serve de apoio ao telhado da casa e a divide em quatro zonas, cozinha, sala de jantar, sala de estar, escritório. A casa tem duas assas bem diferenciadas pela função e pelos materiais empregados; a área social com acabamento exterior de Alucobond e a área intima com três dormitórios revestida de Ecoply. Na imagem 2, à esquerda vemos o contraste entre os dois materiais.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.