Pular para o conteúdo principal

Alemanha, Salão de Cabeleireiro 2


Ambos módulos têm uma capa de isolamento térmico de 200 milímetros, todas as portas e janelas são de vidro duplo; tudo isso garante que não haja perdas de calor no inverno. Mas também temos os ganhos solares passivos pois as caixas aproveitam o calor do sol que perpassa os vidros, na imagem vemos a fachada Sul vidrada que se abre à cobertura; a calefação ainda se completa com uma estufa a lenha de alta performance. E no verão ? No verão se abrem as aberturas das fachadas opostas para que entre a brisa, é a famosa ventilação cruzada.
O projeto é uma demonstração de como é possível ocupar com arquiteturas audaciosas alguns espaços não aproveitados nas cidades, dispensando a demolição e a ocupação dos terrenos virgens. Esta estratégia de aproveitar as coberturas nas cidades deveria ser ensinada nas faculdades de arquitetura e replicada; todo com o intuito de evitar a expansão sem controle na periferia. Esta expansão desgovernada das cidades como uma mancha de óleo é chamada de “sprawl” em inglês; acontece quando as Prefeituras não têm um Plano Diretor para planejar o crescimento da cidade. Isto é fundamental pois a expansão duma cidade obriga a maiores despesas para levar serviços de água e esgoto, eletricidade, linhas de ônibus, lojas, saúde e educação. Como acredita o arquiteto Jaime Lerner pai da Curitiba moderna, a cidade econômica é uma cidade compacta. Finalmente é um projeto respeitador das fachadas existentes agregando um traço de arquitetura moderna, numa feliz convivência de correta arquitetura dos anos 60s com a arquitetura contemporânea. É um projeto original, econômico, eficiente. A obra é uma pérola rara !

Ps. na próxima vamos conhecer uma história de amor na casa do vento, num paraíso para surfistas no Havaí.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Melbourne, prédio de madeira

Que colorido apartamento !  Só tem um detalhe... ao invés de ter estrutura de concreto armado ou ainda de aço, como é corriqueiro, tem estrutura de madeira !! Mas de uma madeira especial, se trata de madeira laminada cruzada CLT cross-laminated timber.  Foi erguido com apenas 4 carpinteiros e um guindaste para posicionar e fixar os painéis CLT no lugar. O cubo de plástico preto à direita da imagem (4) é um banheiro pré-fabricado, feito em Brisbane.  Este é o prédio Forté em Melbourne, na Austrália; são 10 andares com 23 apartamentos e 32 metros de altura.
A madeira além da calidez dos seus veios aparentes é um material sustentável. Mas como assim ?  Pois a produção de uma tonelada de cimento gera 1,12 toneladas de carbono, entanto a produção de aço gera 1,5 toneladas; no processo ambos dois passam pelo forno.   É o que se denomina de energia embutida, significa a energia gasta em produzir um material ou componente construtivo. Pelo contrário as árvores produzem oxigênio e são capazes d…