Pular para o conteúdo principal

Hotel Remota na Patagônia (fim)



Deixei para o final estas palavras do arquiteto Germán del Sol, para comprovar outra vez como atrás das grandes obras de arquitetura -com maiúsculo- sempre há uma filosofia do projeto, neste caso também há uma poesia do projeto que o arquiteto a faz explícita. Tentei traduzir para o português seus pensamentos em espanhol; minha vovó quando me ensinava francês -no século passado...rss- me dizia que há duas traduções a literal (a exata) e a “do coração”, tentei fazer esta última, tomara seja com sucesso. Mas antes uma última reflexão, eu sempre gostei da eficiência dos engenheiros, eles são treinados para fazer projetos racionais. Pelo contrário às vezes vemos projetos de arquitetura -agora com minúsculo- onde as questões estéticas estão por sobre as sustentáveis ou ainda funcionais, pois os arquitetos são capacitados para procurar a beleza, e agreguem vocês essa parte de egocentrismo tal e como os artistas do cinema, e temos assim esses projetos esquisitos e snobs. Mas neste caso além de eficiente e sustentável este arquiteto tem sensibilidade, isso não se compra na farmácia, nem todos os profissionais a têm.
Vamos lá com as palavras do arquiteto: 

Remoto é acho, o local geométrico onde se cumpre para cada um
o objetivo comum de toda viagem, que é talvez, tomar uma boa distância (viajar não é necessariamente ir
ao topo do morro) com o dia-a-dia de cada um, para que desapareçam os detalhes sem importância e seja possível
compreender a totalidade...

Remoto não é o mesmo que desconhecido. Um local remoto é reconhecido como tal, você sabe que chegou, porque
sente que a viagem é concluída,
e é devolvido suavemente para o seu próprio jardim,
como quem se joga de cabeça numa piscina, uma vez que entra na água,
começa a ser devolvido suavemente à superfície.

Acho que um local remoto faz presente o desconhecido, aquilo que não sabemos: quem não ha tido a experiência de
estar deitado uma noite olhando as estrelas de costas na praia, ou num barco,
e haver pensado...”não somos ninguém”, esse pensamento um pouco depressivo
eu o entendo mais como,
...”isto me lembra todo o que ainda não sabemos”...
ainda a praia, as estrelas, e nós todos sejamos conhecidos,
o desconhecido ou o inesperado aparecem na natureza brutal
quando a aparente certeza da cidade fugir,
nesse sentido a praia ou a cobertura da noite, sejam remotas
da casa onde moramos.

Convite: amanhã vamos visitar a casa Guarda-Chuva Solar, na Califórnia.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.