Pular para o conteúdo principal

Hotel Remota na Patagônia (fim)



Deixei para o final estas palavras do arquiteto Germán del Sol, para comprovar outra vez como atrás das grandes obras de arquitetura -com maiúsculo- sempre há uma filosofia do projeto, neste caso também há uma poesia do projeto que o arquiteto a faz explícita. Tentei traduzir para o português seus pensamentos em espanhol; minha vovó quando me ensinava francês -no século passado...rss- me dizia que há duas traduções a literal (a exata) e a “do coração”, tentei fazer esta última, tomara seja com sucesso. Mas antes uma última reflexão, eu sempre gostei da eficiência dos engenheiros, eles são treinados para fazer projetos racionais. Pelo contrário às vezes vemos projetos de arquitetura -agora com minúsculo- onde as questões estéticas estão por sobre as sustentáveis ou ainda funcionais, pois os arquitetos são capacitados para procurar a beleza, e agreguem vocês essa parte de egocentrismo tal e como os artistas do cinema, e temos assim esses projetos esquisitos e snobs. Mas neste caso além de eficiente e sustentável este arquiteto tem sensibilidade, isso não se compra na farmácia, nem todos os profissionais a têm.
Vamos lá com as palavras do arquiteto: 

Remoto é acho, o local geométrico onde se cumpre para cada um
o objetivo comum de toda viagem, que é talvez, tomar uma boa distância (viajar não é necessariamente ir
ao topo do morro) com o dia-a-dia de cada um, para que desapareçam os detalhes sem importância e seja possível
compreender a totalidade...

Remoto não é o mesmo que desconhecido. Um local remoto é reconhecido como tal, você sabe que chegou, porque
sente que a viagem é concluída,
e é devolvido suavemente para o seu próprio jardim,
como quem se joga de cabeça numa piscina, uma vez que entra na água,
começa a ser devolvido suavemente à superfície.

Acho que um local remoto faz presente o desconhecido, aquilo que não sabemos: quem não ha tido a experiência de
estar deitado uma noite olhando as estrelas de costas na praia, ou num barco,
e haver pensado...”não somos ninguém”, esse pensamento um pouco depressivo
eu o entendo mais como,
...”isto me lembra todo o que ainda não sabemos”...
ainda a praia, as estrelas, e nós todos sejamos conhecidos,
o desconhecido ou o inesperado aparecem na natureza brutal
quando a aparente certeza da cidade fugir,
nesse sentido a praia ou a cobertura da noite, sejam remotas
da casa onde moramos.

Convite: amanhã vamos visitar a casa Guarda-Chuva Solar, na Califórnia.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

trunfos da casa Koda

Sabiam que esta fantástica microcasa, Koda House, está fabricada com alguns componentes vindos da tecnologia aeroespacial e aplicações militares? Tal e como muitas tecnologias hoje comuns. Conforme a imagem, temos painéis solares no telhado para gerar energia e dentro, uma casa inteligente com alarme, iluminação LED ajustável e controle climático. A salientar que com a profundidade do local de 4,50 metros, estamos maximizando a iluminação natural. O exterior é de concreto e o interior de madeira natural. A envoltória exterior além do vidro quádruplo tem finas paredes de concreto. Mas como assim ? 





Acontece que muros exteriores têm painéis VIP, não têm nada a ver com as socialites VIP..rss São conhecidos desde 1930, aplicados logo na industria aeroespacial e militar. O painel de isolamento a vácuo (Vacuum Insulation Panel), é composto de um núcleo hermeticamente fechado, em uma folha fina e multicamada especial. Durante o processo de fabricação todo o ar é extraído e, conforme isto os g…

Truques do Bangalô em NY

Será possível construir num terreno em declive na floresta, minimizando os trabalhos manuais no canteiro de obra, dispensando muro de arrimo, fundações importantes e o concreto bombeado ? Ainda dispondo de um enxuto orçamento e mão de obra dos proprietários, dois construtores amadores, com a ajuda de uma turma de fim-de-semana ? A expertise não se compra na farmácia, os arquitetos do escritório JacobsChang Architecture saíram vitoriosos do desafio !Esta “Half-Tree House” é uma a arquitetura levantada acima do solo que depende do suporte das árvores, todo começou com 2 sapatas de concreto ancoradas na terra -na esquerda da imagem- vejam o cabeçal preparado para receber as vigas de madeira. 



Os extremos delas ficam fixados nas árvores, com um sistema de ancoragem especial chamado Garnier Limb; uma espécie de parafuso gigante com elementos metálicos para segurar a madeira.O interessante é que este sistema patenteado permite que a árvore e a estrutura se comportem de forma independente.O t…

Construindo com Madeira (2)

O diferencial dos sistemas modernos de construção com madeira, são os seus muros exteriores com diversas capas cumprindo funções diferentes, na imagem acima vemos 2 painéis de gesso, outros dois de OSB, uma camada de isolante termo-acústico em fibra de madeira e outra de cortiça cozida, membrana permeável ao vapor. Mas em compensação temos menor tempo de execução, como é obra seca não temos prazos para tirar as fôrmas do concreto de lajes, pilares e vigas. 




Outro pulo tecnológico são os painéis SIP, formados por 2 chapas OSB encerrando um núcleo de poliestireno expandido EPS como isolante térmico; as casas construídas com eles requerem 50% menos energia para calefação e arrefecimento. Esta é a Circular Economy Building, uma casa pré-fabricada construída com painéis desmontáveis SIP e uma estrutura de aço estrutural; neste caso o isolamento das paredes é feito inteiramente a partir de garrafas de plástico reciclado, que aliás garante à habitação excelente desempenho acústico. 

Sabiam que…