Pular para o conteúdo principal

Floresta Urbana em Hong Kong



O nome deste projeto é: “Masterplan for the Eco-Design of the Central Waterfront of the Business District of Hong Kong”. Esta obra-prima futurista do arquiteto Vincent Callebaut é uma operação de requalificação urbana, acontece que Hong Kong é uma das mais populosas cidades do mundo com uma densidade de 30.000 pessoas por quilômetro quadrado; com a conseqüência de ser um local poluído. Para amenizar esta sobre-população o arquiteto nos propõe ganhar terreno ao mar e construir estas torres localizadas na orla marinha, no bairro de negócios da cidade. Estas curiosas estruturas na costa da península de Kowloon, tem formas de árvores e deveriam ser autossuficientes, gerando mais energia e biodiversidade que a consumida. Elas vão fornecer a água para todo o bairro, piscinas a céu aberto, marinhas, docas, lagos para tratamento biológico da água; as torres se apresentam como um cascata de terraços como se fossem terraços de cultivo de arroz. Mas os benefícios delas serão usufruídos não são pelos cidadãos do Hong Kong; pois serão aproveitadas pelas espécies de flora e fauna nativas; e ainda pelas espécies migratórias.As intenções do projeto são excelentes mas este como outros do mesmo arquiteto não estão ainda construídos, tomara na fiquem como utopias ou “projetos conceito”. Poderia acontecer que talvez estes projetos sejam muito avançados para sua época, o projeto é do 2007. Na medida em que estas torres não tem uma função digamos assim pratica, de habitação ou comercial, não é mole conseguir investidores; ainda que uma operação de requalificação urbana como esta seja uma função precisa e necessária ! 

Ps. amanhã vamos ver outro projeto, neste caso de torres residenciais em Kuala Lumpur, na Malásia, com chances de ser construído.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Melbourne, prédio de madeira

Que colorido apartamento !  Só tem um detalhe... ao invés de ter estrutura de concreto armado ou ainda de aço, como é corriqueiro, tem estrutura de madeira !! Mas de uma madeira especial, se trata de madeira laminada cruzada CLT cross-laminated timber.  Foi erguido com apenas 4 carpinteiros e um guindaste para posicionar e fixar os painéis CLT no lugar. O cubo de plástico preto à direita da imagem (4) é um banheiro pré-fabricado, feito em Brisbane.  Este é o prédio Forté em Melbourne, na Austrália; são 10 andares com 23 apartamentos e 32 metros de altura.
A madeira além da calidez dos seus veios aparentes é um material sustentável. Mas como assim ?  Pois a produção de uma tonelada de cimento gera 1,12 toneladas de carbono, entanto a produção de aço gera 1,5 toneladas; no processo ambos dois passam pelo forno.   É o que se denomina de energia embutida, significa a energia gasta em produzir um material ou componente construtivo. Pelo contrário as árvores produzem oxigênio e são capazes d…