Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2013

Arquitetura Necessária & desnecessária

Fonte:
http://www.revistasucasa.com/articulo/%C3%A1lvaro-en-el-pa%C3%ADs-de-las-maravillas/arquitectura-innecesaria

Para que vejam vocês que não estou sozinho nesta minha “cruzada” contra a arquitetura medíocre, e sim a favor da Arquitetura (a sustentável claro) esta é uma pequena síntese duma matéria do prestigioso arquiteto de Costa Rica Álvaro Rojas, um herói verde. O artigo completo -em espanhol- o podem ler no link acima.
O Álvaro reflete e faz esta pergunta ¿quantos tipos de arquitetura existem ? Ele afirma que há só dois tipos: a arquitetura necessária e a arquitetura desnecessária . E cita o John Silber no seu livro “Architecture of the Absurd. How ‘genius’ disfigured a practical art” (2007), onde discute o negligente desdém dos arquitetos "gênios" com seus clientes, os orçamentos e os usuários. O Álvaro chama aos arquitetos que consumem o planeta de “terroristas urbanos”, entre eles estão os que desenham para as incorporadoras prédios que consumem muita energia e mate…

Os melhores arquitetos são engenheiros ?

Parece que a imagem do arquiteto já desde o século passado estava desvalorizada, na faculdade se fazia uma piada dizendo que na Itália um café e um diploma de arquiteto não se negavam a ninguém ! E ainda havia outra pior, era uma definição de arquiteto que dizia que era um cara muito macho para ser decorador mas que não teve a coragem de ser engenheiro. Naqueles anos havia a imagem de arquiteto boêmio de barba e boné... As vezes eu brinco dizendo que os melhores arquitetos são os engenheiros ! Vejam senão, o gênio Frank Lloyd Wright, Fallingwater -imagem 1- estudou na faculdade de engenharia da Universidade de Wisconsin.      O Gaudi outro tanto -imagem 2- ele mesmo fazia os cálculos de resistência de materiais, os cálculos são fundamentais para o desenho, mas ele também “sentia” com seus maravilhosos prédios se comportavam desde o ponto de vista estrutural. Teve oportunidade de visitar uma exposição do gênio, e apreciar suas maquetes e comprovar como ele engenheirava suas obras. Este…

arquitetura Desnecessária 2

Se desde o pique do projeto arquitetônico o arquiteto está comprometido com a eficiência energética, maximizando a iluminação natural por caso (imagem 1), isso vai conduzir com certeza a outras formas de prédios, mas não a esta infantil do Absolute World que vimos ontem. A imagem é da universidade Rinker Hall, da Florida, nos Estados Unidos; aliás os alunos são beneficiados pela luz natural, ao invés da iluminação artificial.
As audaciosas formas na imagem 2 são dum prédio federal em San Francisco, Califórnia, Estados Unidos; as suas linhas tem a ver com sua fachada ventilada. Na encontrei um gráfico dos fluxos de ar, mas com certeza que este belo perfil do edifico, começando com as edificações do térreo, está desenhado para que o ar se desloque dentro da fachada ventilada. É perceptível um estudo demorado de engenheiros atrás da fachada, não é uma fantasia do arquiteto. Trata-se dum prédio do prestigioso escritório Morphosis chefiado pelo seu fundador o premiado arquiteto Thom Mayne. …

arquitetura Desnecessária 1

Que diferença há nestas duas imagens, tem pontos de contato ? A imagem 1 é uma bela escultura do Alexander Calder, a imagem 2 são os prédios Absolute World do arquiteto Yansong Ma. Quando eu vi as imagens deste “absolute world” fiquei indignado...e triste pelo estado da profissão de arquiteto. Acho que o Calder começou a construir sua escultura procurando a beleza, bravo por ele. E o Yansong Ma fez a mesma coisa; só que, neste mundo de mudança climática e contaminação, o arquiteto comprometido com esta época histórica deveria começar primeiro tentando desenhar um prédio sustentável, só após disso tem permissão de procurar a beleza. Senão estamos pondo o carro adiante dos bois !
Quando uma revista de arquitetura fala só de coisas estéticas e funcionais ao respeito dum prédio, não falando como esse prédio poupa energia e água, como usa os materiais pensando no meio ambiente, é porque esse desenho não contempla esses aspectos. Existem no mundo uns arquitetos “fashion” que não tem preocupa…

Esverdeando a Cidade (fim)

Este jardim vertical -imagem 1- do Patrick Blanc é localizado perto da entrada da CaixaForum, um prédio de exposições do escritório Herzog & de Meuron, fica vizinho ao Museo del Prado em Madri. Tem 24 metros de altura, e 15.000 plantas de 250 espécies; no total são 600 metros quadrados construídos com um custo de 400.000 euros nos anos 2006-07. E temos como todo jardim ou prédio o custo da manutenção...mas estamos agregando beleza à cidade e perfumes de flores aos nossos sentidos...valeu !   Vamos conhecer outras duas obras do Patrick Blanc, na imagem 2 temos a ponte Max Juvenal em Aix-en-Provence, França, do ano 2008. Já na imagem 3 a sala Butterfly Dance no National Theater em Taipei, Taiwan, do ano 2009.  O cara é um artista mesmo...

Ps. amanhã vamos falar da arquitetura desnecessária e da ARQUITETURA com maiúsculo. Eu aguardo a vocês.



Esverdeando a Cidade 2

Este simpático francês é o Patrick Blanc, Doutor em Botânica, ele fez pesquisas no laboratório de ecologia do CNRS, sobre as taxas de crescimento comparado das diversas plantas e sua capacidade de adaptação aos ambientes extremos. É Professor, escritor de artigos e o pai do seu patenteado sistema chamado de “jardim vertical” ou “muro vegetal”.  No começo ele partiu desta premissa: as plantas necessitam a terra ? Uma vez li -e acreditem é 100% verdade- que o começo de toda criação consiste em nos fazer as perguntas corretas, logo sim é possível achar a solução. O que significa que se nós fazemos para nós mesmos as perguntas erradas não vamos ter sucesso.  O Patrick segura que uma combinação de água e minerais dissolvidos são suficientes para o crescimento das plantas; então seu sistema segura o fornecimento continuo de água e minerais às plantas . A instalação que apresento cá é seu jardim vertical da CaixaForum em Madri, o jardim permite refrescar o bairro contra a “ilha de calor”, ma…

Esverdeando a Cidade 1

Que bom como o trabalho dos colegas pode servir de inspiração; acontece que a semana passada a arquiteta Elenara Stein publicou uma matéria sobre o telhado verde...e pesquisando num livro encontrei este jardim vertical.  É interessante como todo o verde que possamos colocar na cidade como árvores, jardins, canteiros, telhados verdes, ajuda na luta contra o fenômeno da “ilha de calor”. As cidades modernas -pensadas para o carro- têm muita superfície de concreto, o qual como já sabemos armazena calor e o libera causando desconforto térmico aos pedestres e habitantes. Quem não cruzou uma rua e sentiu baixo os seus sapatos o asfalto mole ? Por isso quando você vai construir sua casa a Prefeitura não permite cobrir 100% o terreno, você é obrigado a deixar um percentual livre de pavimento, o qual ajuda no absorção das freqüentes chuvas de verão, essas chuvas curtas mas com muita quantidade de água. Também é ótimo colocar pisos drenantes os quais deixam passar entre o 80 e 90% da água e mini…

Cellophane House™: envoltória inteligente (fim)

Finalmente, em palavras dos próprios arquitetos Kieran e Tiemberlake: “Muitos projetos pré-fabricados tem sucesso em dividir um edifício em módulos que podem ser rapidamente unidos, mas eles normalmente incorporam uma estratégia de cima para baixo: projetar um edifício, em seguida, criar um sistema para que ele funcione. Aqui, começamos com o sistema de estrutura-mais-componentes como base, permitindo à arquitetura crescer fora das suas oportunidades e limitações. Ao contrário das casas pré-fabricadas em que a originalidade e especificidade do local pode ser perdido no processo de fabricação, a Cellophane House™ é um sistema flexível de construção que permite diversos resultados. A estrutura pode acomodar uma variedade de materiais para atender às diferentes necessidades, gostos e orçamentos, a casa pode se adaptar a diferentes locais e fatores climáticos, as plantas dos interiores podem ser facilmente alteradas.”

Falando numa edificação adaptada aos fatores climáticos, isso desde o pi…

Cellophane House™: envoltória inteligente 4

As quatro camadas da SmartWrap™ são: uma capa exterior transparente de PET atuante como barreira climática; um fino filme de células fotovoltaicas para gerar energia elétrica; uma camada interior solar térmica e bloqueio dos raios UV; uma camada interior de PET. Entre as camadas de PET ainda há uma câmara ventilada que captura o calor no inverno e ventila no verão, reduzindo a quantidade de energia necessária para calefacionar e refrigerar a casa. Durante a exibição da Cellophane House™, houve sensores na fachada oeste da casa coletando os dados do desempenho térmico, para fornecer uma abrangente compreensão da capacidade de isolamento térmico e de convecção.
A envoltória de qualquer prédio deve ser levada a sério, pelos arquitetos...sérios, pois é por ali que os edifícios perdem ou ganham calor; e se não é corretamente desenhada pelo arquiteto pode-se constituir num fator de desconforto para os usuários. Corretamente desenhada significa ganhar ou perder calor para que o dono de casa t…

Cellophane House™: envoltória inteligente 3

No desenho desta SmartWrap™ já desde o pique foi feita esta inteligente pergunta: como nós podemos -usando as tecnologias emergentes- criar uma envoltória para o prédio do futuro, que integre as diversas funções do muro convencional num filme transparente, fino e plástico ? Num muro convencional temos a funções de vedação, isolamento térmico, barreira de vapor, barreira impermeável, função portante ou não portante. Esta SmartWrap™ nasceu com o desejo de recriar a envoltória tradicional de tijolo e argamassa, com uma sofisticada pele atuante como um filtro, permitindo seletivamente passar a luz do dia, o ar quente ou frio dependendo da época; e rejeitando os raios UV. Trata-se duma pele inteligente de massa customizável, capaz de gerar energia, leve, sustentável; que integra as segregadas funções do muro tradicional numa pele multicapas de poucos milímetros de espessura, a qual pode ser colocada como agasalho do prédio na estrutura deste. O desafio requereu combinar as tecnologias de d…

Cellophane House™: envoltória inteligente 2

Esta fantástica casa basicamente é formada de dois componentes, a estrutura e o material de fechamento. Os arquitetos usaram o mesmo sistema de montagem da sua casa Loblolly (imagem 1; com 168m²), evoluindo assim de dois andares até os cinco andares desta Cellophane House™. O esqueleto é uma estrutura de alumínio e tensores com colunas portantes de 360 mm, que emprega sofisticados conectores para receber as partes durante a montagem, a qual é feita com ferramentas manuais como se fosse um brinquedo Lego. Enquanto ao sofisticado sistema de fechamento da casa, conforme à imagem 2 temos pelo exterior um painel de polypropyleno, com isolamento translúcido de aerogel como primeira capa. A construção pré-fabricada tem suas vantagens como o desperdício mínimo de materiais e pouco entulho, mas é necessário um trabalho caprichado de desenho e planejar cuidadosamente a logística da montagem, e até resolver os problemas de vedação logo dela. Ainda pela parte interior do fechamento da casa temos …

Cellophane House™: envoltória inteligente 1

O que vocês acham duma casa construída em seis dias e que pode ser desmontada em só dois, será possível essa maravilha ? Estou falando da Cellophane House™ dos arquitetos Kieran e Tiemberlake dos Estados Unidos. Esta casa celofane foi montada como se fosse um carro, toda a construção foi dividida em conjuntos integrados (chunks) que foram fabricados fora do local de implantação e entregues através de reboques, logo empilhados em cima uns dos outros com um guindaste. A montagem foi feita com ferramentas manuais, em seis dias foi montado o 80% da casa. Este ™ que aparece a continuação do nome significa que a casa é uma marca comercial, atrás dela há anos de pesquisa e din din de empresas como a DuPont e a ILC Dover, esta última trabalhando para a NASA; e os arquitetos Kieran e Tiemberlake claro. Um pouco de história da casa, no 2008 The Museum of Modern Art de Nova York, o mítico MoMA, chamou a 500 arquitetos a enviarem suas propostas sobre o estado atual da construção pré-fabricada e s…

Escola sustentável em Washington, DC (fim)

Quaker é o nome de vários grupos religiosos, com origem comum num movimento protestante britânico do século XVII; o Movimento Quaker foi criado em 1652 pelo inglês George Fox, pretendeu ser a restauração da fé cristã original. No mundo pode haver uns 360.000 quakers, eles rejeitam qualquer organização clerical, vivem no recolhimento, na pureza moral e na prática ativa do pacifismo, da solidariedade e da filantropia. Neste mundo pósmoderno fala-se muito na liberdade do homem, mas acontece que a liberdades deve ir acompanhada de responsabilidade, responsabilidade para com o próximo e com o meio ambiente, senão acontece que o mundo vira um vale-tudo como nos dias de hoje, com o relaxamento dos costumes, o egoísmo da gente e o hiperconsumismo. Tenho minhas dúvidas se o homem está capacitado para viver em liberdade...eu nasci quando o Elvis gravava seu primeiro disco e sou filho do lendário Festival de Woodstock...Mas também existem pessoas preocupadas pelo meio ambiente, moços que trabalh…

Escola sustentável em Washington, DC 2

Nas imagens podemos ver estes quebra-sóis horizontais e verticais atuantes como protetores exteriores, ao mesmo tempo em que o projeto privilegia a iluminação natural das salas de aula. Outra maneira de poupar energia com iluminação é com sensores de presença e dimmers, pois quando as salas ficam vazias a luz é desligada ou diminuída. O belo acabamento dos muros, vem de barris de cedro vermelho de fermentação; foi colocado nos muros exteriores da nova construção e no terceiro andar do prédio existente. Também é usada a ventilação natural pois as janelas são operáveis, e o pessoal é encorajado a abrir e fechar as janelas na procura do conforto.  Não é coisa menor mas isso contribui a desenvolver o sentido de responsabilidade do aluno. Acontece que nos tempos atuais onde temos pais preocupados pela sua carreira profissional ou por comprar a televisão de plasma, relaxam a educação dos seus filhos; e logo reclamam da escola !  Mas com certeza há um tipo de educação em valores que deve ser…

Escola sustentável em Washington, DC 1

Os arquitetos Stephen Kieran e James Tiemberlake hão conseguido com esta maravilhosa Sidwell Friends Middle School, uma forte ênfase na responsabilidade ambiental; a melhor forma de transmitir estes valores ambientais -já desde a infância- é esta exatamente, num prédio sustentável. Trata-se duma escola Quaker em Washington, DC, nos Estados Unidos. Por exemplo a cobertura do prédio já cumpre três funções, a primeira como telhado verde que providencia o necessário isolamento térmico no verão e no inverno. Também atua como campo de lavoura urbano onde os alunos apreendem fazendo os cuidados como o cultivo dos legumes e vegetais, como vemos na imagem. Ainda há um sistema de painéis solares fotovoltaicos que fornecem o 5% da energia elétrica consumida no prédio. Merece destaque o abrangente sistema de uso eficiente da água, o que permite reduzir num 60% o uso da rede municipal de distribuição de água potável. Nele há um sistema de coleta das águas pluviais -na cor azul- vemos os tubos que …

Papertainer Museum, contêineres + papelão (fim)

A sustentabilidade -entre outras coisas- é o uso racional dos recursos do planeta, significa não fazer o que se faz muitas vezes, um uso predatório até a exaustão deles. Por isso para respeitar este parâmetro de vida e falando na construção dos prédios podemos fazer três coisas, a primeira chance é construir um prédio 100% desmontável; é o caso deste Papertainer Museum construído com contêineres em desuso, os quais logo da desmontagem admitem outros reúsos, ou até ser reciclados como sucata. Lembramos que no Reino Unido o 100% de aço é fabricado a partir da sucata. Outra coisa que podemos fazer é uma desmontagem parcial, é uma operação chamada de retrofit, é o caso do Olympic Stadium de Londres 2012, o qual foi desenhado para ser ajustado de 80.000 para 25.000 cadeiras para continuar seu uso após os Jogos; os britânicos só construíram as instalações com uso previsto pós-Jogos, as outras foram desmontadas. Para aprofundar nisto eu indico a vocês o excelente vídeo “Going for Green” de 4…

Papertainer Museum, contêineres + papelão 2

Este pavilhão temporal é localizado num terreno arborizado de 14.214 m²; o museu ocupa 3.452 m², é construído com uma estrutura formada empilhando contêineres até uma altura de 10 metros, mais uma Galeria de Papel semicircular abrigando um pátio interior. Trata-se duma deslumbrante fachada que atinge sua majestade feita com elementos industriais, propositadamente tem um ritmo repetitivo de contêineres deixando espaços ocos entre eles; esta parte retangular da frente foi usada para exibições. Já Galeria de Papel foi empregada para depósito e escritórios; como vemos nas imagens é formada por dois muros paralelos de colunas de papelão de 75 centímetros de diâmetro e 10 metros de altura, com treliças feitas de tubos de papelão de 30 centímetros de diâmetro que suportam o telhado. É desnecessário dizer que atrás desta ousadia há um escritório de engenharia, o KACI, que calculou os esforços da estrutura, e o melhor desenho para que isto funcione ótimo. Além da ousadia há também sensibilidad…

Papertainer Museum, contêineres + papelão 1

O que vocês acham de construir um museu feito de contêineres e tubos de papelão ? Trata-se desses containeres que são transportados de barco, caminhão e trem. Pois conforme o arquiteto Shigeru Ban isto é possível, ele já tem uma história de construções com papelão. O nome do museu Papertainer vem de paper + container, em inglês. O museu é uma construção temporária de 3454 m² localizada no Parque Olímpico de Seul, na Coréia do Sul nos anos 2003 até 2006. É uma parceria do Shigeru Ban Architects com o escritório KACI International. Olhando estas belas imagens podemos apreciar como a luz pode, e deve, ser usada pelo arquiteto como se fosse um material mais de construção; para criar interessantes ambientes, isto é um velho truque que também o usam os cenógrafos do cinema e das telenovelas. Lembramos o que diz no 1923 o famoso arquiteto suíço Le Corbusier: "A arquitetura é o jogo sábio, glorioso e magnífico de volumes sob a luz do sol." Mas todos nós estamos querendo saber porque…

Casas com pneus, terra e vidro (fim)

Estas Earthships são casas parcialmente enterradas, vejam na planta a parte superior está orientada ao Norte, é a fachada fria, mas por isso é protegida com terra e estes muros de pneus, armazenadores de calor. A fachada oposta é a fachada Sul, trata-se da fachada que recebe mais horas de sol no ano todo, é a fachada vidrada que coleta o calor do sol, atua como uma estufa; a vemos na imagem. O interessante é que esta orientação das fachadas da casa é para o Hemisfério Norte, a casa está localizada nos Estados Unidos. Para países do hemisfério Sul como o Brasil, a orientação é exatamente ao invés ! O site da Earthship Biotecture fala em Casas Radicalmente Sustentáveis: “...a Earthships é o cume do desenho e construção sustentáveis. Nenhuma parte vida da vida sustentável foi ignorada neste engenhosa construção.”
Comentário: acho que sim é possível diversos graus de sustentabilidade, por exemplo, no começo construir a casa sustentável, com ela conectada à concessionária de energia elétri…

Casas com pneus, terra e vidro 5

Esta imagem é uma acusação a esta eficiente sociedade de consumo, na realidade agora é hiper-consumo, este monte de pneus indo para o aterro “sanitário”, parece brincadeira este nome ! Nosso santo “guerreiro dos resíduos” poupa que muitos pneus de carro vão para o aterro sanitário, e ao invés ele os usa nas suas Earthships. Este apaixonante assunto até admite uma pergunta, nestes tempos atuais de violência urbana, que grau de proteção fornecem estes muros aos tiros das armas de fogo? Gostaria ter o retorno de algum internauta esperto em armas.
Confissão: esta seria de pots ia a ter só três, mas achei que é um assunto bem interessante e vale à pena aprofundar os conhecimentos; até porque vou lançar este desafio: será que no Brasil há algum investidor ou uma instituição de ensino afim de construir uma Earthship ? Estou pensando seriamente em me dedicar a construir estas Earthships. Ao fim e ao cabo o ótimo é ensinar sustentabilidade num prédio sustentável, ou melhor ainda aprender constr…

Casas com pneus, terra e vidro 4

E falando em escritório o arquiteto Michael tem sua empresa em Taos, New Mexico, nos Estados Unidos. A imagem acima é das casas dos índios Pueblos em Taos, com seus grossos muros de terra, eles também são eficientes armazenadores de calor. Mas o arquiteto não só pegou inspiração para suas Earthships nas casas dos índios Pueblos; suas moradias -pelas suas formas alegremente excêntricas- têm pontos de contato com as arquiteturas do gênio catalão Antoni Gaudi. Na imagem 2 a famosa casa Milá, um ícone da cidade de Barcelona, na Espanha. As formas de ambos dois arquitetos são ricas e potentes, ao invés das corriqueiras “caixas de sapatos” que vemos nos prédios das cidades...Agora a pergunta do milhão: qual será o custo dessas casas Earthships ?
Uma Hybrid Hearthship construída em Taos, New Mexico, com 158 metros quadrados custou 250.000 dólares no ano 2003. São 1580 dólares o metro quadrado, à cotação atual são R$ 3680 o metro quadrado ! Isto até pode parecer caro, mas o conceito de caro te…

Casas com pneus, terra e vidro 3

Enquanto aos materiais de construção, estas casas autossuficientes empregam materiais naturais como a terra, e também aproximadamente um 45% de materiais reutilizados como plástico PET, garrafas de vidro, latinhas, madeira recuperada, gesso natural e pedra, peças de metal recuperadas de...máquinas de lavar e geladeiras, e claro o material favorito do arquiteto, os pneus.  Por isso podemos dizer que o Michael é um outsider da arquitetura, suas Earthships estão longe da construção industrializada e das casas com importantes consumos de energia. Lembremos que os Estados Unidos é um dos países com maior consumo de energia per capita, junto com Japão e a Europa. Estas casas são desenhadas para manter constante a temperatura em quase qualquer clima, pois seu sistema de aquecimento natural com esses muros de pneus armazena o calor para os dias frios. Vejam o que acontece nesta imagem com a neve; ali também aparecem os painéis fotovoltaicos. O fato curioso é como estes painéis trabalham melho…

Casas com pneus, terra e vidro 2

Antes de continuar com este apaixonante assunto, casa auto-suficiente significa uma casa que é capaz de produzir todo o necessário para a subsistência como a eletricidade, água, climatização, e até os alimentos. O Michael criou assim uma casa 100% sustentável, o desenho dela é norteado por seis critérios de desenho, conforme a ordem da imagem acima: materiais de construção naturais e reciclados; energia elétrica solar e eólica; produção de alimentos; calefação e refrigeração geotérmica e solar; coleta das águas de chuva; tratamento do esgoto.
Neste fantástico corte podemos ver estes parâmetros de desenho; os muros das suas casas são feitos com pneus fora de uso e recheados de terra compactada; esses pneus têm fios de aço na sua construção, tecnicamente são muros indestrutíveis, trata-se de muros com capacidade portante, pois suportam o peso do telhado. Uma coisa interessante é como esses muros de pneus atuam como massa térmica, armazenando o calor. Já as paredes interiores podem ser s…