Pular para o conteúdo principal

Conhecendo o Crown Hall em Chicago 2




Após sua inauguração o arquiteto chamou ao Crown Hall de “a estrutura mais clara que fiz, a melhor para expressar minha filosofia”. Houve até algum crítico de arquitetura que o chamou de “o Partenon do século XX”. Neste belo exemplo está sobrevoando o conceito de arquitetura racional, limpa; é a estética da simplicidade industrial, com sua estrutura à vista sem nenhuma vergonha. O Mies até cunhou o bordão “less is more”, menos é mais em inglês, nos dizendo das bondades duma arquitetura nua sem enfeites gratuitos.
Só que este belo prédio tem uma coisa, em 1956 ano da sua construção, se acreditava que o petróleo além de barato era inexaurível, a ficha caiu com a primeira crises do petróleo em 1973, quando subiu o preço dele.Também naqueles anos de otimismo ingênuo, eram desconsiderados os efeitos contaminantes da queima dos combustíveis fósseis. Hoje para fazer uma pele de vidro como esta do Crown Hall, são levadas a sério diversas precauções construtivas, como vidros especiais e proteções exteriores. Ou melhor ainda uma fachada ventilada, corretamente desenhada, calculada e com simulações do comportamento energético do prédio por computador . Assim é possível escolher entre diversas soluções para as fachadas, a mais energeticamente eficiente; e com base nisso saber os anos de amortização do sistema. No 1956 estas maravilhosas ferramentas de desenho não existiam, a computador estava ainda no berço do desenvolvimento. Aliás hoje todo pode ter processos de simulação por computador, desde diversos cenários para um negócio xis até para a mudança climática. Mas na construção usam-se os programas BIM Building Information Modeling; na imagem vemos o Miami Science Museum.

Ps: já imaginaram vocês desmontar sua casa e levar ela de caminhão ? A próxima vamos ver.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Paris, reciclando uma estação de trem

Atenção aos que tem planos de viajar a Paris, que tal visitar La REcyclerie? Um inusitado lugar onde é possível comer ou tomar uma bebida no café-cantina, visitar e cuidar da granja urbana, e dar uma vasculhada na oficina de consertos; de fato o local atua como uma verdadeira praça de convívio, algo muito bom para lutar contra a violência urbana atual. Mas como assim? La REcyclerie é um lugar ma-ra-vi-lho-so funcionando nas instalações duma antiga estação de trem desativada em Paris; abriga duas empresas, uma de catering para administrar o bar-cantina e  uma associação de animação para gerenciar as atividades pedagógicas e culturais (Les Amis Recycleurs). Estas duas entidades permitem que os empregados sejam contratados, através de um acordo coletivo que corresponda às suas respectivas necessidades. A associação Os Amigos Recicladores é responsável pela animação e programação da oficina e da granja urbana. O objetivo do projeto é promover o “uso” ao invés da “propriedade” das coisas, …

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

TAIPEI 101 (4)

Vamos ver hoje um curioso mecanismo deste arranha-céu de Taipei 101, o temos também em outros prédios altos do mundo. Trata-se de um amortecedor de massa nos seus andares superiores, o qual funciona como um pêndulo; sua missão é contra-restar as flutuações e movimentos laterais do prédio, se deslocando em sentido contrário destes. Acontece que todos os prédios em altura experimentam movimentos conforme um eixo horizontal, e se são prédios muito elevados como este os efeitos destes deslocamentos realmente são importantes. Para os que gostam das matemáticas, trata-se de um balanço conforme o eixo “x” num sistema de eixos “x” e “y”. Na parte direita da imagem acima é mostrado como se produzem estas flutuações num prédio alto.