Pular para o conteúdo principal

Conhecendo Vizela, Cittaslow em Portugal 2



Estou publicando isto com o desejo que alguma cidade do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais e o Brasil todo talvez recolha o desafio de virar numa Cittaslow, como esta Vizela em Portugal. Que tal Nova Petrópolis com suas malhas, os chocolates de Canela, o café colonial de Gramado, o Festival de balonismo de Torres; todas estas no RS. Mas atenção devem ser cidades não maiores de 50.000 habitantes; acontece que com cidades maiores se perde a escala humana, e a vida das pessoas pode virar numa correria, e não há tempo para se sentar num barzinho tranqüilo a ler um jornal ou a bater um papo com amigos. Pior ainda se moramos numa metrópole como São Paulo ou New York.  Então para ter o direito de usar a logomarca do caramujo laranja, a cidade deve se engajar em diversos compromissos como por exemplo se submeter às vistorias dos inspetores vindos da Itália; assinar o Estatuto das Cittaslow; fazer uma assembléia anual; pagar uma anuidade como qualquer entidade. Os inspetores vão avaliar as cidades em 6 itens como suas políticas ambientais; infraestrutura; qualidade das construções; incentivo aos produtos locais; hospitalidade com os turistas; comunidade. Estes princípios estão contidos no seu Manifesto, as avaliações se fazem de forma periódica para checar se realmente estes princípios são respeitados; isto representa o compromisso da cidade e marca um controle de qualidade do tipo de vida desenvolvido nela. Já pensaram vocês em passar umas férias “espiritualmente radicais” numa Cittaslow, como se fosse um retiro para a alma, conhecendo outra maneira de viver, de sentir a vida ? E até onde você não vai sair do seu baixo astral indo ao shopping a comprar coisas, acreditando ter assim um pouco de felicidade ?

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Melbourne, prédio de madeira

Que colorido apartamento !  Só tem um detalhe... ao invés de ter estrutura de concreto armado ou ainda de aço, como é corriqueiro, tem estrutura de madeira !! Mas de uma madeira especial, se trata de madeira laminada cruzada CLT cross-laminated timber.  Foi erguido com apenas 4 carpinteiros e um guindaste para posicionar e fixar os painéis CLT no lugar. O cubo de plástico preto à direita da imagem (4) é um banheiro pré-fabricado, feito em Brisbane.  Este é o prédio Forté em Melbourne, na Austrália; são 10 andares com 23 apartamentos e 32 metros de altura.
A madeira além da calidez dos seus veios aparentes é um material sustentável. Mas como assim ?  Pois a produção de uma tonelada de cimento gera 1,12 toneladas de carbono, entanto a produção de aço gera 1,5 toneladas; no processo ambos dois passam pelo forno.   É o que se denomina de energia embutida, significa a energia gasta em produzir um material ou componente construtivo. Pelo contrário as árvores produzem oxigênio e são capazes d…