Pular para o conteúdo principal

Rio de Janeiro, cidade maravilhosa (final)



No indicador “Água” a cidade se coloca abaixo da média, principalmente pela alta taxa de vazamentos do sistema hídrico: 58%.  E também pelo alto consumo de água potável: 301 litros por pessoa e por dia; já a média do Índice é de 264 litros. A empresa estadual de água NOVA CEDAE, calcula que o 15% da água potável é perdida por ligações ilegais; por isso está investindo USD 158 milhões no ano para suspender isto fazendo novas conexões. Na imagem acima vemos o antigo aqueduto da Carioca. O 80 % da água da cidade é fornecida pela maior estação do mundo: a ETA Guandu (imagem), a que produz 43.000 litros de água potável por segundo. Também é encorajador o fato que nas escolas do Rio, se ensina a conservação da água nos programas de estudo. No indicador ”Saneamento” a cidade se coloca na média; conforme estimativas o 83 % da população tem acesso ao serviço de esgoto. As novas estações de tratamento que estão em construção atualmente vão melhorar o desempenho da cidade. Mas a maior iniciativa verde começou em 1994, é o programa de descontaminação da Bahia de Guanabara com um custo de USD 793 milhões.  Inclui a construção de 1.248 km de coletores de esgoto, 8 estações de tratamento, e a extensão do serviço a 139.000 lares. No parâmetro “Qualidade do Ar”, Rio também se coloca na média, as principais fontes de poluição são os carros e o lixo. No quesito “Governança Ambiental” Rio se coloca muito acima da média, devido à eficiente rede de instituições municipais, e porque a cidade tem um registro de monitoração da água, ar, lixo, saneamento, uso da terra. O interessante é como Rio compromete aos seus habitantes e ONGs nos projetos ambientais, focado isto também nos Jogos Olímpicos 2016.


Ps: amanhã vamos percorrer um adorável sobrado em Santa Mônica, Califórnia.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.