Pular para o conteúdo principal

Percorrendo o MIS no Rio de Janeiro (final)



NOITES CARIOCAS
No subsolo, haverá uma boate, com capacidade para 80 pessoas, e um cine-teatro-auditório, com cerca de 280 lugares, para abrigar seminários, espetáculos, shows, apresentações e exibições de filmes.  Na boate, serão implementados dois programas expográficos de dia: na pista de dança, a história da música na noite carioca, da boemia, da música ao vivo – do sarau da imperatriz aos dias de hoje – será projetada nas mesas; num segundo momento, as mesas serão alçadas, ficando suspensas no teto, transformando a boate em um baile funk, mostrando a genealogia da cultura black no Rio. Fora do horário de funcionamento do museu, o espaço funcionará de fato como boate. No andar, também haverá um hall da fama, com uma parede repleta de telas e monitores que exibirão imagens das personalidades representadas no MIS. O terraço do prédio funcionará como um mirante, democratizando a vista da orla de Copacabana. À noite, o espaço irá se transformar num grande cinema a céu aberto, para até 80 pessoas, e terá anexo um restaurante panorâmico.

Consultorias para diagnóstico do acervo e desenvolvimento de conteúdo. Um diagnóstico do acervo do MIS  foi o ponto de partida para os projetos de curadoria e museografia. O trabalho durou cerca de seis meses e envolveu 12 consultores – Alfredo Del Penho (Música Brasileira), Carla Siqueira (Fotografia e Memória), César Soares Balbi (Carmen Miranda), Luiz Antonio Simas (Carnaval), Luiz Carlos Saroldi (Radiodifusão), Mario Adnet (Música Brasileira - Partituras), Pedro Butcher (Audiovisual), Pedro Paulo Malta (Música Brasileira), Pedro Vasquez (Fotografia e Memória), Rachel Valença (Carnaval), Rodrigo Faour (Depoimentos) e Ruy Castro (Depoimentos e Carmen Miranda) – e três consultores másters – Sergio Cabral, Hermínio Bello de Carvalho e Jairo Severiano. A coordenação ficou a cargo de Hugo Sukman, o curador do museu, e Rosa Maria Araújo, presidente do MIS.

Atualmente, um grupo de consultores presta consultoria para o desenvolvimento do conteúdo do museu, e trabalha em parceria com a curadoria. São eles: Beto Cazes, Claudio Jorge, Daniela Name, Emílio Domingos, Henrique Cazes, Luís Filipe de Lima, Luís Pimentel, Marcelo Moutinho, Mario Sève, Nayse Lopes, Nei Lopes, Oscar Bolão, Paula Sandroni, Pedro Aragão, Pedro Butcher, Pedro Paulo Malta, Pedro Vasquez, Silvio Essinger e Tárik de Souza, sendo Sergio Cabral, Rodrigo Faour, Ruy Castro, Hermínio Bello de Carvalho e Raquel Valença os consultores másters.

PS: fiquei ma-ra-vi-lho-sa-mente surpreendido pelo projeto do novo Museu da Imagem e do Som do Rio de Janeiro, como fato de amor à identidade carioca !  Estou aguardando sua inauguração para fazer uma visita !  Pessoal, amanhã vamos conhecer o Hawaii Gateway Energy Center, no...Havaí...rss

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.