Pular para o conteúdo principal

Percorrendo o MIS no Rio de Janeiro 3



ALEGRES TRÓPICOS
O andar mais emocional do museu tem boa parte dedicada a Carmen Miranda –personagem síntese do MIS- que vai incorporar o acervo do museu que leva seu nome e atualmente está instalado no Flamengo.  O nome do espaço faz uma alusão à obra Tristes Trópicos, do antropólogo Lévi-Strauss, lançada na mesma época. “Carmen transforma o modo de vida carioca em linguagem artística, conquista o Brasil, estiliza isso e vira sinônimo do país no exterior”, explica Sukman. Enquanto houver Brasil ou como Carmen Miranda e sua turma inventaram o país será uma experiência dividida em três partes: a Carmen carioca, cantora; uma espécie de sala de embarque, mostrando sua transição; e a Carmen de Hollywood, de exportação. Para unir e relacionar esses momentos da vida da artista, o visitante poderá observar uma linha do tempo que compara a trajetória dela com a de Getúlio Vargas, que se confunde com a história do Brasil. Getúlio chega ao poder em 1930, após liderar a revolução; Carmen estoura nas rádios no mesmo período, com “Taí”. Eles morrem em datas próximas, 1954/ 55, deixando, cada um a seu modo, um legado modernizante ao país.

Como as novelas produzidas no Rio também são elementos de exportação –um fenômeno carioca, uma linguagem forjada na cidade– outra sala, no mesmo andar, abrigará duas experiências ligadas ao tema, sendo uma delas um game interativo. Ainda nesse andar, no vão central do prédio, ficará A Banda: uma instalação formada por instrumentos que fazem parte do acervo do MIS e contam a história da música brasileira, que tem sua origem nas bandas militares, da banda do Corpo de Bombeiros, por exemplo, saiu o primeiro compositor popular brasileiro, Anacleto de Medeiros. O piano de Ernesto Nazareth, o bandolim de Jacob, a batuta de Villa-Lobos e o saxofone do Pixinguinha, entre outras preciosidades, flutuarão como uma banda voadora. Cabines multimídia dão informações sobre cada um deles, usando suportes diferentes.

É SOL, É SAL, É SUL
Ao subir mais um andar, o visitante efetivamente irá passear pelo Rio de Janeiro, por sua evolução urbana. A descoberta do mar, com a Avenida Central e os túneis, e o desmonte do Monte do Castelo, que gera o aterro, são algumas das bases da expografia deste trecho do museu. Por meio do olhar dos fotógrafos Augusto Malta e Guilherme Santos, a descoberta do Rio como uma cidade diurna e sua relação com a natureza são reveladas, na primeira metade do século XX. As fotografias de Guilherme Santos –até então inéditas– serão transformadas em 3D, com a ajuda de estereoscópios, e as panorâmicas de Malta serão ampliadas pela primeira vez. Além das fotos, haverá filmes nacionais e estrangeiros, gravuras, textos, manchetes de jornais da época, ilustrações, cinejornais e registros sonoros.
Para continuar contando essa história até os dias de hoje, fechando este andar, uma grande tela irá exibir uma peça audiovisual que utiliza uma centena de filmes de ficção, editados entre si, tendo a cidade do Rio como protagonista e cartão postal do Brasil.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Paris, reciclando uma estação de trem

Atenção aos que tem planos de viajar a Paris, que tal visitar La REcyclerie? Um inusitado lugar onde é possível comer ou tomar uma bebida no café-cantina, visitar e cuidar da granja urbana, e dar uma vasculhada na oficina de consertos; de fato o local atua como uma verdadeira praça de convívio, algo muito bom para lutar contra a violência urbana atual. Mas como assim? La REcyclerie é um lugar ma-ra-vi-lho-so funcionando nas instalações duma antiga estação de trem desativada em Paris; abriga duas empresas, uma de catering para administrar o bar-cantina e  uma associação de animação para gerenciar as atividades pedagógicas e culturais (Les Amis Recycleurs). Estas duas entidades permitem que os empregados sejam contratados, através de um acordo coletivo que corresponda às suas respectivas necessidades. A associação Os Amigos Recicladores é responsável pela animação e programação da oficina e da granja urbana. O objetivo do projeto é promover o “uso” ao invés da “propriedade” das coisas, …

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

TAIPEI 101 (4)

Vamos ver hoje um curioso mecanismo deste arranha-céu de Taipei 101, o temos também em outros prédios altos do mundo. Trata-se de um amortecedor de massa nos seus andares superiores, o qual funciona como um pêndulo; sua missão é contra-restar as flutuações e movimentos laterais do prédio, se deslocando em sentido contrário destes. Acontece que todos os prédios em altura experimentam movimentos conforme um eixo horizontal, e se são prédios muito elevados como este os efeitos destes deslocamentos realmente são importantes. Para os que gostam das matemáticas, trata-se de um balanço conforme o eixo “x” num sistema de eixos “x” e “y”. Na parte direita da imagem acima é mostrado como se produzem estas flutuações num prédio alto.