Pular para o conteúdo principal

Conhecendo as Cittaslow 2



Bravo pelas corajosas motoqueras ! A Cittaslow nasce como uma reação ao não-lugar das nossas cidades modernas, onde se nós viajamos vemos os mesmos prédios, as mesmas lojas de comida rápida, a mesmice das marcas comerciais. Acontece que os grandes escritórios de arquitetura trabalham no mundo, todo com filiais na China e na Índia, e com a globalização se corre o perigo de globalizar a arquitetura. Mas existem arquitetos sensíveis às diversas culturas locais; como vemos neste prédio nos Emiratos Árabes Unidos, na cidade de Masdar que acabamos de ver. É um prédio desenhado por arquitetos ocidentais, um edifício com tecnologia de ponta, mas com o motivo árabe do muxarabiê, é este componente vazado que vemos na fachada, que aliás permite a ventilação.

Exatamente o conceito Cittaslow nasce no 1999 na Roma em resposta à instalação dum Mc Donald na Praça Espanha, onde o jornalista Carlo Pertini criou na cidadezinha de Bra -no Piemonte (28.000 habitantes)- um movimento ao que chamou de Slow Food em oposição ao Fast Food. Após disso, suas idéias foram aplicadas na cidade originando assim a primeira Cittaslow da Itália. Como um gesto simbólico para atingir uma cidade mais gentil e menos agitada, o Prefeito atrasou meia hora o relógio da igreja, e proibiu a circulação de carros no centro ! Estas medidas e outras mudaram o rosto da cidade e dos seus moradores. Logo algumas cidadezinhas italianas se juntaram para estabelecer seu próprio jeito de organização e poderem-se chamar de Cittaslow, estabelecendo um controle do que está permitido fazer, às que desejam entrar nesta categoria. Estas cidades não são um movimento como o “vegetariano” onde ninguém controla a você, são como os hotéis 5 estrelas os quais devem respeitar normas e são vistoriados, para segurar que sejam efetivamente 5 estrelas. Atualmente na Itália há uma rede de 30 Cittaslow e outras 80 hão adotado uma identidade menos estressante; acho isto excelente pensando no Brasil. Uma cidade pode ser certificada como Cittaslow e cumprir suas regras, ou pode ter algumas características Slow (lentas), o importante é estar nessa trilha, não é branco ou preto.

A Cittaslow é um conceito sobre os cuidados que temos ter com a cidade onde nós moramos, para os que trabalham e vivem nela e para os visitantes. Pois o turismo é uma fonte de renda para essas cidadezinhas. Aquilo que começou na Itália hoje é uma rede internacional de cidades, a cada cidade que deseje entrar nela se compromete a atingir umas metas para ter uma melhor qualidade de vida, necessitam passar por uma avaliação para serem admitidas como associadas, e ter direito a usar a logomarca do caracol. Estas diretrizes são sobre a proteção ao meio ambiente, a promoção da gastronomia e produtos locais. Estou pensando no Festimalha em Nova Petrópolis; no chocolate em Gramado; no Festival de Balonismo em Torres. Todo isto no Rio Grande do Sul.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Paris, reciclando uma estação de trem

Atenção aos que tem planos de viajar a Paris, que tal visitar La REcyclerie? Um inusitado lugar onde é possível comer ou tomar uma bebida no café-cantina, visitar e cuidar da granja urbana, e dar uma vasculhada na oficina de consertos; de fato o local atua como uma verdadeira praça de convívio, algo muito bom para lutar contra a violência urbana atual. Mas como assim? La REcyclerie é um lugar ma-ra-vi-lho-so funcionando nas instalações duma antiga estação de trem desativada em Paris; abriga duas empresas, uma de catering para administrar o bar-cantina e  uma associação de animação para gerenciar as atividades pedagógicas e culturais (Les Amis Recycleurs). Estas duas entidades permitem que os empregados sejam contratados, através de um acordo coletivo que corresponda às suas respectivas necessidades. A associação Os Amigos Recicladores é responsável pela animação e programação da oficina e da granja urbana. O objetivo do projeto é promover o “uso” ao invés da “propriedade” das coisas, …

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Charges do Consumismo (2)

Além do consumismo próprio feminino e masculino -até os homens hão caído nessa- temos o consumismo das crianças e adolescentes...pago com o dinheiro dos pais. O pai da imagem diz “I paid”, eu paguei !  Os vilões desta história são os cartões de crédito que facilitam consumir primeiro e pagar depois...
A imagem mostra o estilo de vida adolescente:  “Jovens de entre 8 e 18 anos de idade nos EUA, gastam um quarto do seu tempo de mídia usando diversos meios de comunicação.  O  24% dos jovens de 12 até 18 anos na maioria das vezes usam outra mídia enquanto assistem TV”.  Isto último também o fazem os adultos !  Mas a boa notícia é que as mídias podem ser usadas também para semear a cultura do desapego, do Consumo Colaborativo. Depende de nós...é só atitude. 
Ps. não sou um dinossauro...rss  Uso o correio eletrônico, o celular e o desenho por computador; principalmente como maravilhosas ferramentas de otimização do trabalho...e também de comunicação.