Pular para o conteúdo principal

Conhecendo as Cittaslow 1



Longe da correria de hoje e do fast food, a Cittaslow (do inglês: cidade lenta) nos propõe um novo jeito de viver numa cidade onde possamos viver sem pressa, com tempo para bater um papo ou andar de bicicleta, saindo do estresse diário. Daí sua logomarca do simpático caracol. Hoje temos mais conforto material que no século passado, mas pagando o preço da correria na nossa vida. Não são absurdamente desagradáveis as palavras “em tempo real” ? Este jeito atual de viver nos deixa doentes com suas comidas sucata, logo nos vendem os tratamentos para emagrecer…logo a indústria farmacêutica nos vende os medicamentos que vão curarmos. Ninguém se perguntou o que passaria se as pessoas não ficaram doentes ?
Acontece que temos desenvolvimento mas não progresso, falo de progresso espiritual; a idéia não é de jeito nenhum que a tecnologia seja desnecessária, entre outras razões porque o mundo não vai para atrás; ninguém gostaria dum micro Pentium IV quando temos agora notebooks e tablets e PCs de alta performance. Mas a tecnologia deve ser um meio para a felicidade do homem,  não um fim em si mesmo. Talvez até seria melhor uma sociedade com mais amigos presenciais –mais abraços e beijos- que amigos virtuais, como os das redes sociais, o que acham ?

Hoje por todos os cantos do mundo estão surgindo movimentos -que vão se estruturando sem pressa...rss- contra a correria cotidiana, por exemplo o Slow Food e o Super Slow; o que se reflete em fatos tão simples como almoçar sem pensar no que vou fazer depois. E falando em Slow Food aproveito para indicar a vocês, o excelente livro de bolso da editora L&PM “A Dieta Mediterrânea” do Dr. Fernando Lucchese e o Anonymus Gourmet. O primeiro é cirurgião cardiovascular; já o segundo é o advogado José Antonio Pinheiro Machado. No livro vão aprender muito sobre a culinária sadia do Mediterrâneo...e sobre a vida mesmo !

PS: Desde dezembro do ano passado Portugal já tem cinco Cittaslow.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.