Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2013

Percorrendo o MIS no Rio de Janeiro (final)

Fonte:Museu da Imagem e do Som - Fundação Roberto Marinho
NOITES CARIOCAS
No subsolo, haverá uma boate, com capacidade para 80 pessoas, e um cine-teatro-auditório, com cerca de 280 lugares, para abrigar seminários, espetáculos, shows, apresentações e exibições de filmes.  Na boate, serão implementados dois programas expográficos de dia: na pista de dança, a história da música na noite carioca, da boemia, da música ao vivo – do sarau da imperatriz aos dias de hoje – será projetada nas mesas; num segundo momento, as mesas serão alçadas, ficando suspensas no teto, transformando a boate em um baile funk, mostrando a genealogia da cultura black no Rio. Fora do horário de funcionamento do museu, o espaço funcionará de fato como boate. No andar, também haverá um hall da fama, com uma parede repleta de telas e monitores que exibirão imagens das personalidades representadas no MIS. O terraço do prédio funcionará como um mirante, democratizando a vista da orla de Copacabana. À noite, o espaço irá…

Percorrendo o MIS no Rio de Janeiro 3

Fonte:Museu da Imagem e do Som - Fundação Roberto Marinho
ALEGRES TRÓPICOS
O andar mais emocional do museu tem boa parte dedicada a Carmen Miranda –personagem síntese do MIS- que vai incorporar o acervo do museu que leva seu nome e atualmente está instalado no Flamengo.  O nome do espaço faz uma alusão à obra Tristes Trópicos, do antropólogo Lévi-Strauss, lançada na mesma época. “Carmen transforma o modo de vida carioca em linguagem artística, conquista o Brasil, estiliza isso e vira sinônimo do país no exterior”, explica Sukman. Enquanto houver Brasil ou como Carmen Miranda e sua turma inventaram o país será uma experiência dividida em três partes: a Carmen carioca, cantora; uma espécie de sala de embarque, mostrando sua transição; e a Carmen de Hollywood, de exportação. Para unir e relacionar esses momentos da vida da artista, o visitante poderá observar uma linha do tempo que compara a trajetória dela com a de Getúlio Vargas, que se confunde com a história do Brasil. Getúlio chega ao…

Percorrendo o MIS no Rio de Janeiro 2

Fonte:Museu da Imagem e do Som - Fundação Roberto Marinho
ESPÍRITO CARIOCA
O primeiro nível de exposições terá três salas dedicadas a mostrar o Humor, a Rebeldia e a Festa, reflexos da alma do carioca. No Salão do Humor Carioca, o visitante terá a oportunidade de ver o humor tratado como espírito (a irreverência, a tradição de se fazer piada com tudo, a quebra de protocolos e barreiras sociais, a abordagem de questões políticas e sociais, na imprensa e nas artes) e como expressão (os comediantes e humoristas profissionais em rádio, cinema, teatro e TV), “emoldurado” em telas. Frases típicas, clássicas, também estarão espalhadas pelas paredes. Em seguida, o percurso de visitação conduz o público para a sala Rio 40 graus ou Quando a Cidade Entra em Ebulição, onde sete histórias diferentes –dança, teatro, cinema, literatura, artes visuais e rock, além da narrativa geral– serão contadas em multitelas e vão refletir a ebulição da cidade. Já na sala Salve o Carnaval, o visitante entrará numa …

Percorrendo o MIS no Rio de Janeiro 1

Fonte:Museu da Imagem e do Som - Fundação Roberto Marinho
Desde os seus primórdios o Rio concentra grande parte da indústria cultural e criativa brasileira. O novo Museu da Imagem e do Som será o museu da identidade carioca, caracterizada por essa produção artística.  “O turista que vem ao Rio e deseja conhecer a cidade, ou mesmo o país, terá que visitar o MIS”, afirma Hugo Sukman, curador do museu. “Existe um jeito, uma bossa carioca que conquista o Brasil e forja a imagem do país no exterior”, conclui Sukman.
A curadoria, assistida por consultores de conteúdo e de acervo, trabalhou em parceria com Daniela Thomas e Felipe Tassara, responsáveis pela expografia. O percurso do museu foi construído com base em duas idéias: a da rua como local de entretenimento e como símbolo da criação popular, que representa grande parte da produção artística da cidade. Assim, será proposto aos visitantes um passeio pelo acervo da instituição, pela cidade e pelo tempo. Com 9,8 mil metros quadrados de ár…

Conhecendo as Cittaslow (final)

Estes são camponeses da cidade de Perth, Cittaslow da Escócia, nos mostrando orgulhosos seus produtos orgânicos. Hoje temos associações de Cittaslow na Inglaterra, Alemanha, Noruega, Polônia, Portugal, e outros países que estão em vias de concretizar suas próprias redes nacionais. Estas cidades lentas são um refúgio para as pessoas que procuram levar uma vida normal, sem estresse, onde as tradições e as maneiras de fazer as coisas locais sejam impulsionadas. São cidades com menos tráfego de carros, menos poluição atmosférica, menos barulho, pouca aglomeração urbana. Mas o que podemos fazer para desencorajar o trânsito de automóveis ? Pois com ruazinhas curtas como estas da “Mar de las Pampas”  na Argentina.  Os movimentos Cittaslow em cada pais têm o poder de avaliar às cidades, trata-se de cidades com menos de 50.000 habitantes. Há um Manifesto onde são descritos os princípios fundamentais a serem respeitados; além disso um Estatuto da Associação que devem assinar as cidades aderente…

Conhecendo as Cittaslow 2

Bravo pelas corajosas motoqueras ! A Cittaslow nasce como uma reação ao não-lugar das nossas cidades modernas, onde se nós viajamos vemos os mesmos prédios, as mesmas lojas de comida rápida, a mesmice das marcas comerciais. Acontece que os grandes escritórios de arquitetura trabalham no mundo, todo com filiais na China e na Índia, e com a globalização se corre o perigo de globalizar a arquitetura. Mas existem arquitetos sensíveis às diversas culturas locais; como vemos neste prédio nos Emiratos Árabes Unidos, na cidade de Masdar que acabamos de ver. É um prédio desenhado por arquitetos ocidentais, um edifício com tecnologia de ponta, mas com o motivo árabe do muxarabiê, é este componente vazado que vemos na fachada, que aliás permite a ventilação.

Exatamente o conceito Cittaslow nasce no 1999 na Roma em resposta à instalação dum Mc Donald na Praça Espanha, onde o jornalista Carlo Pertini criou na cidadezinha de Bra -no Piemonte (28.000 habitantes)- um movimento ao que chamou de Slow Fo…

Conhecendo as Cittaslow 1

Longe da correria de hoje e do fast food, a Cittaslow (do inglês: cidade lenta) nos propõe um novo jeito de viver numa cidade onde possamos viver sem pressa, com tempo para bater um papo ou andar de bicicleta, saindo do estresse diário. Daí sua logomarca do simpático caracol. Hoje temos mais conforto material que no século passado, mas pagando o preço da correria na nossa vida. Não são absurdamente desagradáveis as palavras “em tempo real” ? Este jeito atual de viver nos deixa doentes com suas comidas sucata, logo nos vendem os tratamentos para emagrecer…logo a indústria farmacêutica nos vende os medicamentos que vão curarmos. Ninguém se perguntou o que passaria se as pessoas não ficaram doentes ?
Acontece que temos desenvolvimento mas não progresso, falo de progresso espiritual; a idéia não é de jeito nenhum que a tecnologia seja desnecessária, entre outras razões porque o mundo não vai para atrás; ninguém gostaria dum micro Pentium IV quando temos agora notebooks e tablets e PCs de …

Viajando à cidade de Masdar (final)

Em Masdar o objetivo de “carbono zero” CO² também se vai atingir porque é uma cidade livre de carros convencionais, compacta e a escala humana que motiva aos pedestres a caminhar pelas ruas estreitas e ensombradas, numa região de clima muito quente mesmo. Vamos ver agora algo do serviço de transporte em Masdar; na cidade há uma distância máxima de 200 metros (dois quarteirões) até o eficiente transporte público e os equipamentos comunitários. Também carros solares de uso compartilhado, e umas cabines automatizadas chamadas de PRT Personal Rapid Transport, que se deslocam por fita magnética. As cabines já são usadas pelos estudantes do Masdar Institute of Science and Technology.

PS: vocês seriam capazes de viver uma semana sem celular, sem carro e GPS ? Mas também sem engarrafamentos...rss No próximo encontro vamos ver um conceito de cidade que está no lado oposto de Masdar, fazendo ênfase no convívio humano e na vida saudável.

Viajando à cidade de Masdar 5

Vamos tocar agora um ponto fundamental: o uso da água, pois este é um recurso muito importante em Masdar, lembremos que estamos no deserto gente !  As águas de chuva são coletadas no telhado da Masdar Headquarters, e após disso usadas na rega das colheitas de alimentos orgânicos. O excesso vai ser armazenado numa cisterna subterrânea para logo ser lançado na Estação de Tratamento de Água.  Também as águas cinza (as despejadas no banheiro e na cozinha) são utilizadas para irrigar as plantações do campo e na descarga dos vasos sanitários das acomodações. Mas a água potável de Masdar vai ser providenciada por uma planta de dessalinização, impulsionada à energia solar, neste bento deserto há muita energia do sol ! Na imagem abaixo vemos a Praça Masdar, com o sistema de coleta das águas cinza e a cisterna subterrânea.

 Agora veio que esqueci uma coisa fundamental, o masterplan da cidade Masdar é do prestigiado escritório de arquitetura Foster + Partners, chefiado pelo famoso Sir Norman Fost…

Viajando à cidade de Masdar 4

Colada à Masdar Headquarters temos a bela Praça Masdar com estes curiosos “guarda-chuvas”.  Acreditam que eles abrem e fecham todos os dias? Mas como assim? Acontece que este sistema de guarda-chuvas, na realidade são painéis fotovoltaicos que funcionam capturando a energia do sol para produzir energia elétrica, como vemos na imagem acima; também vemos o telhado formado com painéis fotovoltaicos na cor azul. E quando não há sol na tardinha os guarda-chuvas fecham.

Viajando à cidade de Masdar 3

A construção da cidade de Masdar é feita em sete etapas, primeiramente uma grande planta de geração de energia fotovoltaica: será o coração de Masdar City e a sede central da Abu Dhabi Future Energy Company, na imagem acima.  Então este Masdar Headquarters vai-ter 126.000 m², seu consumo energético por m² será o mais baixo do seu tipo. A climatização é feita com energia solar, e também com estas torres de vento, chamadas de “cone wind”. Este grande prédio vai contar também com residências privativas e uma área para negócios emergentes.

Logo vai começar o desenvolvimento da cidade prevendo-se um crescimento sob controle, e evitando a baixa densidade de população por óbvios motivos. Mas quais são esses motivos ?  Pois acontece que estamos numa região de clima rigoroso e grande amplitude térmica, no meio do deserto, onde podemos ter temperaturas de até 50 Cº no dia e graus negativos à noite, galera ! Então com baixa densidade de população é impossível fornecer conforto térmico, e também …

Viajando à cidade de Masdar 2

A cidade de Masdar vai ser a maior e moderna comunidade auto-sustentável do mundo, pois vai produzir mais energia da que consome, a primeira cidade livre de gás carbônico CO² e zero lixo.Todo isto aplicando os princípios urbanísticos das antigas cidades amuralhadas, junto com tecnologias limpas, numa mistura de antiga sabedoria construtiva com high tech. Falando em velhas tecnologias, na imagem vemos uma tradicional torre de vento para produzir ventilação natural; e na outra imagem a torre reinterpretada numa versão moderna, no Masdar Institute of Science & Technology. O princípio de funcionamento é o mesmo. Mas ninguém quer saber onde fica esta cidade dos contos das mil e uma noites ?

Masdar -significa fonte em árabe- é estrategicamente localizada em relação à infra-estrutura do transporte existente, vai estar interligada com as comunidades vizinhas, e também com o centro de Abu Dhabi e seu aeroporto internacional por una rede de estradas e um trem rápido. Trata-se dum empreendime…

Viajando à cidade de Masdar 1

Na realidade a cidade de Masdar está ainda em construção, é um ambicioso e original projeto que está nascendo de zero -no deserto- como foi Brasília; conforme os planos vai estar totalmente operativa em 2015.  Mas ali já temos uma diferença, pois Brasília foi feita pensando no uso do carro, dali essas superquadras. Acontece que naqueles anos se achava que o carro era símbolo de progresso, e não eram perceptíveis os fenômenos da poluição. A primeira crise petroleira no mundo (imagem) viria 10 anos após, com ela ficou em evidência a dependência do mundo dos combustíveis fósseis (carvão, gás e petróleo), os quais são um recurso finito. E logo também o homem começou a ver os problemas de contaminação, produto da queima desses combustíveis fósseis. Muito pelo contrário a cidade de Masdar é uma cidade sem carros, estou falando de carros que funcionam com gasolina...pois há outro tipo de carros, já vamos ver...A cidade vai reunir altos níveis de “expertise” e comércio internacional de energi…

Festival de Woodstock

De criança eu já ouvia ao Ray Charles, esse foi meu aprendizado do Rock & Roll, mas meu batismo de fogo foi o filme do Festival de Woodstock, acreditam que assisti 9 vezes ?  Aconteceu do 15 até o 18 de agosto de 1969 no município de Woodstock, no Estado de Nova York; com meio milhão de assistentes, estão fazendo 44 anos dele. Foram 3 dias de Paz e Música, com Jimy Hendrix; The Who; Canned Heat; Ten Years After com a lendária guitarra do Alvin Lee; um Santana criativo (não este atual); Ritchie Havens; Joe Coecker; Crosby, Stills, Nash & Young; Janis Joplin, Credence Clearwater Revival e ainda mais...  Eu tenho a teoria que sempre pode haver música pior, como se fosse a Lei do Murphy: “se algo pode pifar, vai pifar no pior momento e da pior maneira”. Os 70s marcaram o topo da música, nessa época houve simultaneamente muita música boa; os guitarristas eram verdadeiros “guitar heroi” virtuosos do seu instrumento. Mas como assim ? Simples, muito trabalho, até os Beatles morando em…

Hotel Sustentável na Chapada Diamantina (final)

O Canto das Águas adotou durante sua estruturação, uma série de práticas de convívio e ajuda à comunidade, de redução de impacto ambiental e reaproveitamento de resíduos dentre outras práticas, de forma natural sem nenhuma intenção de certificação.. Quando a primeira norma de sustentabilidade para hotelaria, foi criada e apresentada á direção do hotel, esta percebeu que boa parte dos requisitos e exigências para a sustentabilidade, já estavam implementados no dia a dia da empresa de forma espontânea; essas atividades só não eram registradas e avaliadas da forma que a norma exigia, mas já existiam.

Um dos itens solicitados pela norma de sustentabilidade ABNT NBR 15:401 é trazer até o cliente elementos da culinária, cultura e artesanato locais. Nós fornecemos um kit lanche para nossos hóspedes levarem para os passeios. Todas as embalagens usadas nos lanches são retornáveis, a sacola do kit lanche é de tecido de algodão cru; no kit incluímos um item regional que é a "Farofa de Garim…

Hotel Sustentável na Chapada Diamantina 2

Os comentários a seguir são baseados num valioso material, devido à gentileza da proprietária do hotel Yasmin Lessa Felippi, e à colaboração do host Ramiro Barbosa. 

O Canto das Águas é um Hotel Pousada com 44 unidades habitacionais divididas em 6 categorias, pertencente à seleta associação de Hóteis “Roteiros de Charme”. O hotel dispõe de salão de convenções equipado para encontros empresariais, palestras, cursos; sauna a vapor, salão de jogos, tendas para massagens além de um excelente restaurante. Os itens dos apartamentos são os mesmos para todas as categorias: telefone, frigobar, secador de cabelo, armário, tv sky HD, e ar condicionado split.

O hotel surgiu no ano de 1986 numa área muito próxima às margens do Rio Lençóis, e numa época em que os conceitos de preservação ambiental não eram populares nem postos em prática, nessa época a cidade vivia exclusivamente do garimpo de diamantes. Os proprietários começaram a promover mutirões de limpeza no rio, e eram hostilizados pelas pess…

Hotel Sustentável na Chapada Diamantina 1

A pergunta do milhão: qual é o primeiro hotel do Brasil a obter a certificação de Sustentabilidade ?

A resposta é o Hotel Pousada Canto das Águas, certificado pela ABNT conforme a NBR 15:401, é localizado num dos mais belos destinos do ecoturismo no pais. Este paraíso fica exatamente numa área verde nas margens do Rio Lençóis, no centro da cidade de Lençóis, na Chapada Diamantina no Estado de Bahia. Mas o interessante é que já desde o começo do empreendimento, os donos se preocuparam com a sustentabilidade, por exemplo com um sistema de aquecimento solar em todos os apartamentos; o reaproveitamento da água; monitoramento do consumo de energia elétrica e água com registro em planilhas para controle. Também impulsionado ações como a coleta seletiva de lixo; compostagem das podas; implantação dum jardim de polinizadores; projeto paisagístico e de recomposição ambiental.

E ainda controle de troca de enxoval a cada três dias; utilização de produtos biodegradáveis pela governança, cozinha e l…

NEO Next Generation 2

Mas além de poupar energia elétrica, os moradores do NEO vão ter seu consumo de água reduzido a 50% pois existe um sistema de tratamento de efluentes, que permite reusar essa água nos jardins e áreas comuns. Todos os apartamentos têm medidor individual de água e energia. Conforme o arquiteto com estas medidas os moradores vão ter uma poupança de cerca de R$ 500 mil em 10 anos.  Ótimo !!

Os apartamentos do prédio NEO Next Generation têm características bioclimáticas como o uso da ventilação cruzada e a iluminação natural. E para mitigar as emissões atmosféricas produzidas durante a construção -como toda atividade humana- foram plantadas 320 espécies de árvores nativas ganhando assim o selo carbono Zero. O condomínio fica a 300 metros da praia com ótimas vistas, entre Campeche e Joaquina numa zona ótima para praticar surfe.

O objetivo do prédio NEO é Lixo Zero, mas o que significa o dito cujo Lixo Zero?  Pois significa zero lixo indo para o aterro “sanitário”, tal e como se falava nos Jo…

NEO Next Generation 1

Vamos conhecer o condomínio NEO Next Generation, é o primeiro empreendimento residencial no Brasil com produção de energia eólica ! Está localizado no bairro Nova Campeche em Florianópolis. Trata-se dum projeto do Arq. Jaques Suchodolski, e tem uma filosofia de vida sustentável por trás, a mesma que tem o arquiteto na sua própria vida.

No topo das torres residenciais temos estas duas maravilhosas turbinas eólicas, as quais funcionam com ventos desde 3,5 metros por segundo, são 12,6 quilômetros por hora. Estas turbinas de eixo vertical da Urban Green Energy, são feitas de fibra de carbono e medem 3 metros de largura por 6 de altura. A energia produzida pelas turbinas mais a água quente dos coletores solares, em conjunto produzem o 100% da água quente dos 24 apartamentos do condomínio. E se eu conto para vocês que isso produz uma poupança anual de R$ 43.000 no consumo potencial de energia elétrica, não é barbada?. Em definitiva que reduzem em 50% a conta de luz, pois o aquecimento de ág…

Reciclando Trens em Viena (final)

Em principio o índice de reciclagem dos trens pode ser tão grande como desejado, mas a questão-chave é que a reciclagem seja efetiva em termos de custo-benefício. Conforme a Siemens o metrô de Oslo, na Noruega tem um índice de reciclagem recorde de quase o 95%. Aproximadamente o 85% dos materiais são reciclados por meio de processos eficientes custo-benefício; o 10% adicional é queimado.  Outro exemplo de desenho compatível com a reciclagem, é a plataforma que serve de base para os novos trens subterrâneos de Munique, um tabuleiro de cortiça de 3 centímetros de espessura por 18 metros de comprimento, para amortecer o barulho dos sapatos dos passageiros; na capa superior e inferior do tabuleiro é colada uma lâmina de alumínio. No topo deste sanduíche ainda é colada uma lâmina de borracha como pavimento. O interessante é que na hora da desmontagem, as diversas capas podem ser facilmente separadas.

Nas imagens vemos dois belos -sem dúvida alguma- modelos da Siemens, acima o bonde elétrico…

Reciclando Trens em Viena 2

É importante que os trens sejam construídos com um percentual importante de materiais recicláveis, pois isso ajuda a reduzir custos, a poupar recursos e a proteger o meio ambiente. A proteção do meio ambiente além de um assunto ético admite uma visão econômica; pois é possível calcular os custos econômicos da contaminação, por exemplo quanto custa limpar um vazamento de petróleo; ou quantas árvores tem que ser plantadas para lutar contra a contaminação, produzida por um evento como o São Paulo Fashion Week. Mas este precioso trabalho tem seus desafios, o pesadelo de todo reciclador é tratar com materiais diversos, os quais são difíceis de separar. Por exemplo a masca da cabine de um trem, pode ser feita duma parede de plástico prensado com um painel isolado com fibra e uma lâmina de alumínio. Achei interessante a montagem deste trem para Coréia do Sul, a estrutura de alumínio é fixada por parafusos hexagonais de alta resistência, os quais podem se desparafusar facilmente, como vemos n…

Reciclando Trens em Viena 1

A tendência no mundo de hoje, é que com a capacidade predadora do homem sobre os recursos naturais, estes sejam cada vez mais escassos e em conseqüência mais caros; ainda pareça um exagero meu, mas acho que os cientistas como o Dr. Walter Struckl são os heróis modernos. Só tem uma coisa, não trabalho na Siemens...rss mas respeito as coisas bem feitas. Uma vez li sobre um cientista que dedicou sua vida a medir a velocidade da luz, achei ótimo; ao invés de outras pessoas que desperdiçam sua vida em coisas fúteis. E lembro do Rabindranath Tagore que escreveu: “A vida é serviço”. Mas quem é este inteligente Dr. Walter da imagem ?

O Dr. Walter Struckl  trabalha no centro de produção da Siemens Mobility em Viena, Áustria; seu foco é fabricar trens e metrôs de longa distancia, tão fáceis de reciclar como possível. Tomara algum fabricante brasileiro de trens esteja lendo isto e o veja como negócio, um nobre negócio; estou falando das possibilidades do “desenho compatível com a reciclagem”. Sig…

Museu da Imagem e do Som no Rio (final)

Fonte: Museu da Imagem e do Som - Fundação Roberto Marinho
“No Rio, o escritório do arquiteto Luiz Eduardo Índio da Costa dá suporte ao desenvolvimento e à execução do projeto de arquitetura e coordena os projetos complementares. O prédio da nova sede do MIS está orçado em R$ 88 milhões: R$ 51,5 milhões são oriundos de um empréstimo do Banco Interamericano de Desenvolvimento ao Governo do Estado do Rio e o restante vem da iniciativa privada. O projeto do novo Museu da Imagem e do Som é uma realização da Secretaria de Estado da Cultura do Rio de Janeiro, da Fundação Roberto Marinho e do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, tendo a Rede Globo, o Itaú e a Natura como Patronos, o patrocínio da Vale, da IBM, da AMBEV e da Light, o apoio do Grupo Votorantim e o financiamento para infraestrutura do Banco Interamericano de Desenvolvimento. Sua inauguração está prevista para o segundo semestre de 2014.”

PS: vocês sabiam que os trens do metrô de Oslo -na Noruega…

Museu da Imagem e do Som no Rio 2

O projeto arquitetônico do museu pertence ao escritório americano Diller Scofidio + Renfro, foi escolhido por concurso no ano 2009, com a participação de alguns dos mais renomados escritórios de arquitetura do Brasil e do mundo todo. O prédio é de fato um grande avenida vertical, com suas rampas zigzagueantes. Mas a idéia de um museu como percurso artístico não é nova na arquitetura, já foi usada pelo genial Frank Lloyd Wright no seu Guggenheim Museum, neste caso trata se de uma espiral. O vemos na imagem abaixo.

O Museu da Imagem e do Som é inspirado nas curvas do calçadão de Copacabana, o desenho dos arquitetos é capaz de dialogar com a paisagem, democratizar a vista da praia, se constituindo num novo ícone arquitetônico para a cidade. Achei interessante como olhando as fachadas o prédio é fácil de ler, é uma arquitetura sincera; imediatamente percebemos os diversos percursos, não é uma caixa aborrecida. Alguns de vocês arquitetos, até podem lembrar aquele bordão da Arquitetura Moder…

Museu da Imagem e do Som no Rio 1

"O Museu da Imagem e do Som é uma instituição de referência internacional. A sede do Rio de Janeiro, a primeira a ser fundada, lançou um gênero pioneiro de museu, que seria seguido por várias outras cidades brasileiras. Fundado no dia 3 de setembro de 1965, abriga um acervo constituído por 22 coleções particulares, que reúnem fotografias, cartazes, discos, filmes e vídeos, recortes de jornal e textos, entre outros documentos. Além das coleções doadas ou adquiridas, o MIS produz, desde 1966, sua própria coleção, chamada de Depoimentos para a Posteridade. Ela é constituída a partir da gravação, em áudio e vídeo, de depoimentos prestados por personalidades vinculadas aos diversos setores da cultura. São quase mil depoimentos que perfazem aproximadamente quatro mil horas de gravação, disponíveis para consulta. Atualmente, o acervo do museu está dividido entre duas sedes, uma na Praça XV e outra na Lapa."
Fonte:Museu da Imagem e do Som - Fundação Roberto Marinho
Escolhi este prédio…

Detetives & Sustentabilidade (final)

Para encerrar, temos o selo Cerflor fornecido pelo Programa de Certificação Florestal do Inmetro. E aí vai a pergunta: o que são as madeiras certificadas ? As madeiras certificadas são madeiras provenientes de florestas com correta gestão florestal, é o oposto ao desmatamento selvagem. Mas a gestão florestal deve ser certificada, como qualquer produto o serviço sustentável. Assim, quando compramos madeiras devemos procurar pelo selo Cerflor do Inmetro ou do FSC Forest Stewardship Council (Conselho de Manejo Florestal). Também podemos achar o selo do FSC nos pacotes de folhas para impressora e até nas embalagens de Tetrapack. O FSC é uma organização internacional não-governamental que certifica às entidades certificadoras do mundo.

Podem ir comprando as passagens, amanhã vamos conhecer o ma-ra-vi-lho-so  projeto do novo prédio do Museu da Imagem e do Som no Rio de Janeiro, a cidade maravilhosa !