Pular para o conteúdo principal

Sherlock Holmes 2



Fácil, quando lemos um artigo temos que procurar no cabeçalho ou no pé do artigo estas palavras: “Fonte: xxxxx”. Por exemplo se você lê alguma coisa sobre a cirurgia plástica, e vasculha seu autor e vê que é o Dr. Ivo Pitanguy, poder ter certeza absoluta das suas colocações, pois o doutor é uma autoridade mundial do assunto. Ou se a matéria é assinada por alguém que pertence ao Hospital Sírio-Libanês de São Paulo, essa é uma fonte confiável. A mesma coisa com um assinado pelo MIT Massachusetts Institute of Technology. Mas se é uma matéria da wikipédia ? Para mim, essa fonte é suspeita de ter algumas coisas inexatas. Mas como assim ? Porque qualquer um pode editar um artigo e fazer correções. O que se deve democratizar é o acesso ao conhecimento; agora a produção do conhecimento, isso são outros quinhentos. É obvio dizer que a produção de conhecimento, deve ser feita pelo pessoal com estudo necessário para isso.Não é possível que um cientista escreva uma matéria sobre um sucesso da história por exemplo, e qualquer um sem os estudos e preparo suficiente faça modificações ! Nesse sentido, nos anos 70s houve um músico, Waldo de los Rios, que teve a brilhante idéia de transformar algumas obras de música clássica em música pop, para que foram “melhor entendidas” pelo público. Um descaso ! Não é a música clássica que deve descer ao nosso nível, somos nós que devemos subir ao patamar dela. Isso que o Waldo tentou fazer é massificar a cultura, no mau sentido da palavra. Você não pode pegar uma obra do Heitor Villa-Lobos, e tocar ela mais simples para que seja melhor compreendida pelo público.

PS: esta matéria foi escrita originalmente em duas partes, mas o comentário da Lúcia da Editora Amc-Guedes agiu como um incentivo para mim, e agora vai ter três partes. Mas se receber um comentário com outro ponto de vista interessante e até diferente ao meu, não posso garantir que não vai haver quatro partes...rss.  Adoro interagir com o público, é enriquecedor para mim saber que há pessoas que  lêem o que eu escrevo, e até me podem mostrar abordagens diversos. 

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.