Pular para o conteúdo principal

C&T como vetor para sustentabilidade (2)




Relações de Interdependência: é preciso ter estratégias globais adequadas às realidades locais

As relações de interdependência política, econômica, cultural, social e comunicacional vêm fazendo com que as grandes corporações modifiquem suas estruturas para a continuidade de atendimento às “necessidades de consumo” da população, que deseja incansavelmente meios de vida que lhe proporcione saúde e bem-estar.  

O posicionamento estratégico global das grandes redes também influencia as ações localizadas em respeito aos hábitos e culturas locais dos consumidores. Recentemente o McDonald’s anunciou a implantação de duas franquias na Índia com cardápio vegetariano, além da substituição, na Inglaterra, de brinquedos por livros infantis no famoso Mc Lanche Feliz, alvo de duras críticas de ONGs e organizações que lutam pelos diretos das crianças e adolescentes.  Esses movimentos são reflexos das mudanças estratégicas da rede, pois não basta agradar os clientes, é preciso manter o interesse e atraí-los com ofertas que realmente atendam às necessidades de consumo existentes, porque a competição, o preço e a concorrência serão sempre o calcanhar de Aquiles das empresas que necessitam cumprir seu papel social, que é gerar lucro e promover o desenvolvimento.   Assim, essa sociedade interconectada protagoniza as mudanças e influencia comportamentos semelhantes em grupos como o Procon, o Idec – Instituto de Defesa do Consumidor, o Portal Reclame Aqui e o Cadastro de Reclamações Fundamentadas, permitindo a troca de experiências e a conexão, experiências que servem como verdadeiros norteadores de como a sociedade enxerga e gostaria de ser prontamente atendida. Além dessas influências, podemos perceber que a incorporação do discurso da sustentabilidade junto à sociedade consumidora pós-Rio-92 tornou possível às organizações enxergarem a minimização dos seus riscos reputacionais por meio da associação de uma imagem positiva por ser uma empresa “amiga do meio ambiente”. Entretanto, é aí que mora o perigo, pois seriam necessários muitos acordos e transferências de tecnologias dos países desenvolvidos aos países emergentes para conseguirmos adaptar a produção industrial a ponto de conseguirmos uma economia de baixo carbono capaz de atender à demanda mundial de consumo e para que as empresas possam ser realmente chamadas de “amigas do meio ambiente”.

Mudanças nos padrões de consumo

As mudanças nos padrões de consumo atuais da população mundial vêm influenciando as organizações a fazer uma adaptação de matérias-primas, e novas tecnologias vêm sendo incorporadas para assegurar a continuidade dos negócios mundiais, principalmente porque os grandes CEOs já sentiram no bolso que os recursos ambientais estão cada vez mais caros, o que poderia inviabilizar qualquer manutenção de negócios como os que estão praticando atualmente. Hoje a sustentabilidade passou a ser incorporada como valor para a sociedade, e não estamos falando sobre mudanças nos comportamentos individuais, como deixar o carro na garagem ou fazer coleta seletiva de lixo; trata-se da maneira como as empresas mantêm as suas atividades produtivas em grande escala, como, por exemplo, trabalhando na previsibilidade de riscos inerentes à extração de matérias-primas e como gerenciam seus impactos e mantêm a resiliência.  Neste sentido, valor pode ser encarado como assumir publicamente a responsabilidades pelos seus atos, prestando contas à sociedade, caso as empresas não sejam tão boazinhas como parecem. Contudo, aqui temos um grande desafio, pois, do ponto de vista tecnológico, tais mudanças rumo à produção mais limpa é difícil de ser incorporada em países emergentes, que ainda não possuem altas capacidades tecnológicas, mas necessitam avançar urgentemente rumo a uma economia sustentável e de baixo carbono. 

E aqui está a centralidade das discussões que pretendemos abordar durante o CiiS 2013 – 1° Congresso Internacional de Inovação e Sustentabilidade: como incorporar a ciência e a tecnologia em ações sustentáveis que contribuam efetivamente com a produção mais limpa, rumo a uma economia de baixo carbono?

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

trunfos da casa Koda

Sabiam que esta fantástica microcasa, Koda House, está fabricada com alguns componentes vindos da tecnologia aeroespacial e aplicações militares? Tal e como muitas tecnologias hoje comuns. Conforme a imagem, temos painéis solares no telhado para gerar energia e dentro, uma casa inteligente com alarme, iluminação LED ajustável e controle climático. A salientar que com a profundidade do local de 4,50 metros, estamos maximizando a iluminação natural. O exterior é de concreto e o interior de madeira natural. A envoltória exterior além do vidro quádruplo tem finas paredes de concreto. Mas como assim ? 





Acontece que muros exteriores têm painéis VIP, não têm nada a ver com as socialites VIP..rss São conhecidos desde 1930, aplicados logo na industria aeroespacial e militar. O painel de isolamento a vácuo (Vacuum Insulation Panel), é composto de um núcleo hermeticamente fechado, em uma folha fina e multicamada especial. Durante o processo de fabricação todo o ar é extraído e, conforme isto os g…

Truques do Bangalô em NY

Será possível construir num terreno em declive na floresta, minimizando os trabalhos manuais no canteiro de obra, dispensando muro de arrimo, fundações importantes e o concreto bombeado ? Ainda dispondo de um enxuto orçamento e mão de obra dos proprietários, dois construtores amadores, com a ajuda de uma turma de fim-de-semana ? A expertise não se compra na farmácia, os arquitetos do escritório JacobsChang Architecture saíram vitoriosos do desafio !Esta “Half-Tree House” é uma a arquitetura levantada acima do solo que depende do suporte das árvores, todo começou com 2 sapatas de concreto ancoradas na terra -na esquerda da imagem- vejam o cabeçal preparado para receber as vigas de madeira. 



Os extremos delas ficam fixados nas árvores, com um sistema de ancoragem especial chamado Garnier Limb; uma espécie de parafuso gigante com elementos metálicos para segurar a madeira.O interessante é que este sistema patenteado permite que a árvore e a estrutura se comportem de forma independente.O t…

Cittaslow Pijao na Colômbia

Estou publicando este vídeo de Cittaslow International, sobre a cidadezinha de Pijao na Colômbia, única Cittaslow da América Latina. Um povoado cafeteiro que presta serviços a centenas de cafeicultores, numa área de riquezas naturais e biodiversidade; também uma bonita cidade com seu ritmo lento -vejam a logomarca do caracol- e moradores hospitaleiros, prestativos e ainda preocupados com ela. 





Lembremos que para aderir à rede Cittaslow International, as cidades candidatas não podem exceder os 50.000 habitantes, ainda devem se comprometer a trabalhar diferentes áreas que precisam ser certificadas por um comitê de coordenação. Eles são assuntos referentes ao meio ambiente, saneamento básico, comida local, energias renováveis, arquitetura tradicional e educação projetada para cada cidadão. Neste caso, a criadora e promotora do projeto “Cidade do bom viver” foi a Fundação Pijao Cittaslow, uma entidade sem fins lucrativos.
Quem sabe se no Brasil os moradores de alguma cidade, como Antônio Pr…