Pular para o conteúdo principal

C&T como vetor para sustentabilidade (1)


Fonte:  http://www.ecodesenvolvimento.org/colunas/vivian-blaso/c-t-como-vetor-para-sustentabilidade#ixzz2MPsjlcMC

Profa. Vivian A. Blaso S. S. Cesar* é doutoranda e mestre em Ciências Sociais, especialista em Marketing e Sustentabilidade, presidente da Organização do #Ciis2013.

A Revolução Industrial resolveu muitos problemas, como, por exemplo, a escassez de bens, mas criou outros, como o suprimento de energia e o acúmulo de CO2 e outros gases, que foram se multiplicando na atmosfera, segurando o calor do sol e ocasionando o aquecimento do clima. 


As tecnologias da informação, as redes sociais e a internet contribuíram para a disseminação em massa do conceito de sustentabilidade, que levou a sociedade a enxergá-la como um novo valor, pois ninguém em sã consciência gostaria de comprar produtos de empresas que colocam em risco a nossa sobrevivência no planeta.Foi a partir dos avanços científicos da década de 1970 que o alerta ambiental foi levado em consideração pelas autoridades globais e que mais tarde culminou no conceito de desenvolvimento sustentável, apontado no relatório Nosso Futuro Comum, encomendado pela médica, mestre em saúde pública e ex-ministra da Noruega Gro Harlem Brundtland. Foi nele que pela primeira vez o conceito foi trazido para o discurso público. Sem dúvida alguma cabe às ciências ajudar o homem a avançar técnica e cientificamente rumo ao desenvolvimento, entretanto, foi também o avanço das ciências, por meio de hiperespecializações, que de certa forma afastou o homem da sua capacidade de compreensão da sua interdependência com o natural, a sociedade e o indivíduo. Nessa perspectiva, após reflexões sobre a Rio+20, podemos elencar alguns fatores essenciais ao Brasil no papel da liderança estratégica rumo à sustentabilidade, tais como as Relações de Interdependência e as Mudanças nos Padrões de Consumo da População Mundial.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Paris, reciclando uma estação de trem

Atenção aos que tem planos de viajar a Paris, que tal visitar La REcyclerie? Um inusitado lugar onde é possível comer ou tomar uma bebida no café-cantina, visitar e cuidar da granja urbana, e dar uma vasculhada na oficina de consertos; de fato o local atua como uma verdadeira praça de convívio, algo muito bom para lutar contra a violência urbana atual. Mas como assim? La REcyclerie é um lugar ma-ra-vi-lho-so funcionando nas instalações duma antiga estação de trem desativada em Paris; abriga duas empresas, uma de catering para administrar o bar-cantina e  uma associação de animação para gerenciar as atividades pedagógicas e culturais (Les Amis Recycleurs). Estas duas entidades permitem que os empregados sejam contratados, através de um acordo coletivo que corresponda às suas respectivas necessidades. A associação Os Amigos Recicladores é responsável pela animação e programação da oficina e da granja urbana. O objetivo do projeto é promover o “uso” ao invés da “propriedade” das coisas, …

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Charges do Consumismo (2)

Além do consumismo próprio feminino e masculino -até os homens hão caído nessa- temos o consumismo das crianças e adolescentes...pago com o dinheiro dos pais. O pai da imagem diz “I paid”, eu paguei !  Os vilões desta história são os cartões de crédito que facilitam consumir primeiro e pagar depois...
A imagem mostra o estilo de vida adolescente:  “Jovens de entre 8 e 18 anos de idade nos EUA, gastam um quarto do seu tempo de mídia usando diversos meios de comunicação.  O  24% dos jovens de 12 até 18 anos na maioria das vezes usam outra mídia enquanto assistem TV”.  Isto último também o fazem os adultos !  Mas a boa notícia é que as mídias podem ser usadas também para semear a cultura do desapego, do Consumo Colaborativo. Depende de nós...é só atitude. 
Ps. não sou um dinossauro...rss  Uso o correio eletrônico, o celular e o desenho por computador; principalmente como maravilhosas ferramentas de otimização do trabalho...e também de comunicação.