Pular para o conteúdo principal

C&T como vetor para sustentabilidade (1)


Fonte:  http://www.ecodesenvolvimento.org/colunas/vivian-blaso/c-t-como-vetor-para-sustentabilidade#ixzz2MPsjlcMC

Profa. Vivian A. Blaso S. S. Cesar* é doutoranda e mestre em Ciências Sociais, especialista em Marketing e Sustentabilidade, presidente da Organização do #Ciis2013.

A Revolução Industrial resolveu muitos problemas, como, por exemplo, a escassez de bens, mas criou outros, como o suprimento de energia e o acúmulo de CO2 e outros gases, que foram se multiplicando na atmosfera, segurando o calor do sol e ocasionando o aquecimento do clima. 


As tecnologias da informação, as redes sociais e a internet contribuíram para a disseminação em massa do conceito de sustentabilidade, que levou a sociedade a enxergá-la como um novo valor, pois ninguém em sã consciência gostaria de comprar produtos de empresas que colocam em risco a nossa sobrevivência no planeta.Foi a partir dos avanços científicos da década de 1970 que o alerta ambiental foi levado em consideração pelas autoridades globais e que mais tarde culminou no conceito de desenvolvimento sustentável, apontado no relatório Nosso Futuro Comum, encomendado pela médica, mestre em saúde pública e ex-ministra da Noruega Gro Harlem Brundtland. Foi nele que pela primeira vez o conceito foi trazido para o discurso público. Sem dúvida alguma cabe às ciências ajudar o homem a avançar técnica e cientificamente rumo ao desenvolvimento, entretanto, foi também o avanço das ciências, por meio de hiperespecializações, que de certa forma afastou o homem da sua capacidade de compreensão da sua interdependência com o natural, a sociedade e o indivíduo. Nessa perspectiva, após reflexões sobre a Rio+20, podemos elencar alguns fatores essenciais ao Brasil no papel da liderança estratégica rumo à sustentabilidade, tais como as Relações de Interdependência e as Mudanças nos Padrões de Consumo da População Mundial.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?

Hotel minimalista de montanha (1)

Quer saber onde fica este hotel de aparência austera ? Para os que gostam das etiquetas vamos dizer arquitetura minimalista, mas em correto português significa arquitetura austera, despojada, sem ornamentos, “sem frescuras”. No próximo encontro vamos ver.