Pular para o conteúdo principal

METSUL


Esta é uma matéria publicada pelo prestigioso meteorologista Professor Eugenio Hackbart o 05-05-2012 no blog da Metsul, achei muito interessante mesmo.
http://www.metsul.com/blog2012/Home/home/46/Aquecimento_global_%C3%A9_uma_mentira,_afirma_professor_da_USP

Muitos de vocês perguntaram ao longo da semana se eu havia assistido à entrevista no Programa do Jô, na Rede Globo, do meteorologista Ricardo Augusto Felício.


Não pude ver quando foi ao ar na televisão, pelo horário, mas busquei na internet para comentar a pedido do público cativo desta página e das nossas redes sociais. A crença, imagino eu, é que o pensamento do professor de São Paulo é muito semelhante ao meu. Enganam-se ! A amostragem, imperfeita por ser feita a partir de uma entrevista em programa de tevê, já permite, contudo, ter uma idéia da lógica científica do pesquisador da USP.

Não creio, ao contrário do professor, que o aquecimento global seja mentira. É inquestionável, por todas as séries históricas de temperatura (até as de satélite) que sim houve um aquecimento do planeta. O meu contencioso, e vocês leitores mais assíduos, são sabedores é em torno das causas deste aquecimento e seus reflexos. Sem desprezar a influência humana, entendo que existe um grande componente de variabilidade natural do clima que é desprezado. Ademais, há a tentação de se relacionar tudo que é evento severo ou extremo ao aquecimento ou às mudanças climáticas, como se o clima não estivesse em permanente mudança. Oponho-me ao catastrofismo, às teorias quase apocalípticas, porém estou convicto que o ritmo atual de degradação ambiental é insustentável e cobra o seu preço, hoje ou no futuro. 


Dito isso, talvez o meu maior ponto de divergência entre as questões pontuais que foram suscitadas no programa diz com a questão do desmatamento. O professor paulista afirma que não há impacto global e que mesmo o efeito local é relativo. Assusta este pensamento científico. O desmatamento é uma desgraça ambiental e inquestionavelmente repercute no clima em escalas local e global. 


Nesse sentido, o meu pensamento é muito semelhante à teoria do Professor Roger Pielke Sr., da Universidade do Colorado, uma voz detestada pelos aquecimentistas, mas que pela qualidade do seu trabalho e a lucidez no raciocínio me parece ser um teórico de primeiríssima qualidade. Pielke tem inúmeros artigos publicados, e destaco “Land Use and Climate Change” (Science, 2005) em que o professor americano diz que as mudanças no uso do solo podem ser da mesma importância que os gases do efeito estufa nas mudanças do clima. A preservação da Amazônia, assim, deveria ser uma das maiores prioridades do Brasil porque o regime de chuva tem relação com a floresta e o agronegócio é hoje uma das principais fontes da riqueza nacional.


Existem pesquisadores sérios, muito sérios, que acreditam e defendem teses diferentes das minhas e do professor paulista. Não porque são bolsistas ou empregados de governos (que têm agendas) têm sua integridade científica comprometida. Muito pelo contrário. Os estudos, por exemplo, sobre níveis de ozônio – um outro ponto de divergência com a entrevista – são hígidos. O que prego e sempre irei pregar é que, como eu faço, procurem ouvir todos os pontos de vista e se cercar das melhores fontes. Jamais fechem as portas para o argumento contrário. Neste tema difícil do clima, as respostas me parecem que não estão nem entre aqueles que tudo dizer ser de responsabilidade do homem nem tampouco entre aqueles que negam todo o pensamento científico hoje majoritário.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Prédio eficiente em Lisboa

Em Lisboa, em 2006, foi construído o Solar Building XXI, este fantástico edifício pode ser considerado atualmente um prédio nZEB. Quer saber o que significa o acrônimo ? Pois nZEB  significa Nearly Zero Energy Buildings, refere aos edifícios com necessidades quase nulas de energia. O edifício foi construído no campus do LNEG, Laboratório Nacional de Energia e Geologia, com projeto dos arquitetos Pedro Cabrito e Isabel Diniz. Trata-se de um prédio energeticamente muito eficiente, com um desempenho energético 1/10 se comparado com um edifício padrão de escritórios; apela a uma combinação de técnicas de design passivo (como a correta orientação conforme o sol...) com tecnologias de energias renováveis, tais como painéis fotovoltaicos e coletores térmicos solares. No inverno para o aquecimento, a fachada principal tem um sistema fotovoltaico com recuperador de calor. No entanto no verão, o arrefecimento utiliza água fria fornecida por um sistema de tubos enterrados, bem como refrigeração …

LAREIRA ACONCHEGANTE 2

Pois é, esta bela lareira pode deixar fugir até o 70% do seu calor pela chaminé, mas agora vem o pior...este calor que sobe arrasta o calor dos cômodos e contribui a esfriar a casa ! Por sinal eu trabalhei diversos anos com calefação.


Mas, será que a lareira a lenha não é um bom sistema de calefação? Ou que talvez existam no mercado outras lareiras...de alta performance?