Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2012

AQUECIMENTO GLOBAL

Neste video da NASA vemos o aquecimento experimentado pelo planeta desde o ano 1884 até o 2011.

LONDON 2012 (73)

HOTÉIS SUSTENTÁVEIS 3

Este hotel que apresento é o Novotel Vitacura em Santiago de Chile. Sua infra-estrutura predial está adatada para reduzir seu consumo de água, energia, gás. Os banheiros possuem redutores de fluxo e chuveiros inteligentes que equalizam o uso de água. Enquanto a iluminaçãa está virando para lâmpadas LED.

Também o lixo seco é separado para possibilitar sua reciclagem. Tudos os insumos empregados no hotel devem ser certificados como não agressivos com o meio ambiente. Por exemplo no caso do papel deve vir de florestas certificadas.

HOTÉIS SUSTENTÁVEIS 2

Se nós consideramos os custos totais dum prédio no seu ciclo de vida de 50 anos, temos que o custo de construção é de 14%, já o de operação é 80%. Com esses dados vemos que o custo de operação é 6 vezes o de construção; logo é muito melhor e razoável atuar sobre este 80%.

Luiz Henrique Ceotto da Tishman & Speyer do Brasil diz: “engana-se quem imagina que apenas preocupação com o meio ambiente, tem levado às empresas a se interessar por prédios ecológicos. Não estamos invistido nisso por marketing. Operamos os prédios depois de prontos. E para que sejam competitivos, eles precissan ser extremadamente econômicos.”

HOTÉIS SUSTENTÁVEIS 1

Vamos falar hoje dos hotéis sustentáveis, mostrando com exemplos como é bom negózio ter um hotel verde.
É comum muitas incorporadoras e arquitetos, tratarem de construir só baixando os custos iniciais de construção. Mas o que acontece numa torre de escritórios ?

CEMPRE

RIO de JANEIRO 18

No quesito “Governança Ambiental” a cidade se coloca muito acima da média. Parabéns ! Isto devido à eficiente rede de instituções municipais, e além disso a cidade tem um forte registro de monitoração da água, ar, lixo, saneamento, uso da terra.

O interessante é como Rio compromete aos seus habitantes e ONGs nos projetos ambientais, focado isto também nos Jogos Olímpicos 2016.

Podem os hotéis serem sustentáveis? Esse é o assunto de nosso próximo encontro.

QUALIDADE do AR

RIO de JANEIRO 16

No parâmetro “Qualidade do Ar”, Rio se coloca na média, as principais fontes de poluição são os carros da cidade e o lixo das moradias.

A cidade está atualmente testando 15 ônibus chamados de B20 os quais operam com uma mistura de 20% de bio-diesel. O objetivo é ter 8.500 desses ônibus circulando no ano 2016.


PRÉDIO ZERO EMISSÕES

RIO de JANEIRO 15

No indicador ”Saneamento” a cidade se coloca na média; conforme estimativas o 83 % da população tem acesso ao serviço de esgoto. As novas estações de tratamento que estão em construção atualment vão melhorar o desempenho da cidade.

Mas a maior iniciativa verde começou em 1994, é o programa de descontaminação da Bahia de Guanabara; com um custo de USD 793 milhões. Inclui a construção de 1248 km de coletores de esgoto, 8 estações de tratamento, e a estensão do serviço a 139.000 lares.

RIO de JANEIRO 14

Já no indicador “Água” a cidade se coloca abaixo da média, principalmente pela alta taxa de vazamentos do sistema hídrico: 58%. E também pelo alto consumo de água potável: 301 litros por pessoa por dia. A média do Índice é de 264 litros.

A empresa estadual de água NOVA CEDAE, calcula que o 15% da água potável é perdida por ligações ilegais; por isso está investindo USD 158 milhões ao ano para suspender isto fazendo novas coneções. Na imagem temos o acueduto da Carioca.

O 80 % da água é fornecida pela maior estação do mundo: GUANDU, a que produz 43.000 litros de água potável por segundo.

Também é encorajador o fato que nas escolas do Rio, se ensina a consevação da água nos programas de estudo. Ótimo!

RIO de JANEIRO 13

No parâmetro “Lixo” a cidade está colocada na média. Ela gera 525 kg de lixo por pessoa no ano tudo; a média do “Índice” é de 465 kg. Os dejetos da cidade são levados ao aterro sanitátio Granacho, o qual vai ser substituido pelo Seropédica. Assim vão ser reduzidos aa emissões pela captação do gás metano para gerar biogás.

RIO de JANEIRO 12

Mas a cidade de Rio de Janeiro vai ter para o 2016 quatro corredores principais para ônibus conforme o modelo Buses Rápido Trânsito BRT de Curitiba.

E também há um plano para estender as ciclofaixas de 140 km até 340 km no ano 2012. Maravilhoso!

RIO de JANEIRO 11

A terceira linha é atualmente em construção, finalizada em 2016 vai transportar 230.000 passageiros ao dia à zona oeste.

A cidade de Rio tem problemas endêmicos de tráfego, é muito devagar a implementação de medidas para mitigar eles, por exemplo falta o “dia sem carro” e os corredores de veículos compartilhados.

RIO de JANEIRO 10

RIO de JANEIRO 9

No parâmetro “Transporte” a cidade se coloca na média; o sistema de tranporte público é formado por ônibus e metrô.

O metrô tem duas linhas num total de 47 km, mas ficam grandes partes de cidade atentidas só por ônibus. O Estado está invistindo USD 78 milhões para duplicar a capacidade destas linhas, e assim transportar 1,1 milhões de passageiros amais por dia.

RIO de JANEIRO 8

Este projeto de USD 200 milhões inclui a reconstrução de edifícios históricos, a melhora dos serviços de transporte e saneamento, a criação de ciclofaixas e zonas verdes. Atualmente moram na área do porto de Rio 30.000 pessoas, mas o estimado é que 100.000 pessoas habitem alí no 2016, quanto finalize o projeto.

Complementariamente, o plano de ação para a mudança climática de Rio, esige a reforestação de áreas protegidas. São tudas excelentes medidas de urbanismo sustentável, parabéns!

RIO de JANEIRO 7

RIO de JANEIRO 6

No indicador “Uso da Terra e Prédios” a cidade também se coloca acima da média. Ótimo. Rio tem duas das maiores florestas urbanas do mundo todo: o parque natural Pedra Branca e a floresta Tijuca. A cidade tem 52 m² de área verde por habitante.

Mas também com o objetivo dos Jogos Olímpicos 2016, Rio está desenvolvendo áreas residenciais e comerciais ao redor do porto, amanhã vamos ver isso.

RIO de JANEIRO 5

RIO de JANEIRO 4

Rio está colocada acima da média no quesito “Energia e CO²”, principalmente pela sua forte política de energias limpas, e pelos objetivos de redução de emissões. O 88% da sua energia é de fonte hidrelétrica, no 1988 foi a primeira cidade de Latinoamérica em publicar um inventário de emissões.

No 2009 foi lançado seu programa sobre mudança climática: Rio Sustentável, o qual inclui a mitigação das emissões de CO² do transporte e resíduos, iluminação LED em edificações municipais e iluminação pública.

RIO de JANEIRO 3

RIO de JANEIRO 2

No “Índice de Cidades Verdes de América Latina” a cidade está colocada acima da média. Tem bom desempenho no indicador Governança Ambiental, e estritas normas ambientais regulatórias das construções novas.

Nas imagens vemos acima o Ventura Corporate Towers, logo o prédio Cidade Nova, ambos dois com certificação LEED. Embaixo temos a loja Leroy Merlim em Niterói com certificação AQUA.

RIO de JANEIRO 1

Rio de Janeiro -a cidade maravilhosa- é a segunda área metropolitana mais poblada do Brasil com 12,3 milhões de habitantes, mas sua área urbana tem 6,4 milhões.

Suas atividades econômicas principais são o turismo e os serviços; recentemente a cidade recebeu um fluxo de investimentos de uma série de eventos: Rio + 20 (Cume Nações Unidas do Desenvolvimento Sustentável), Copa do Mundo 2014, Jogos Olímpicos 2016. Devido a isso a cidade está melhorando sua infra-estrutura para receber melhor aos visitantes.

BRASÍLIA 17

Finalmente Brasília se posiciona acima da média no item Governança Ambiental. A secretaria do estado para o desenvolvimento urbano, habitação e meio ambiente SEDUMA, organiza freqüentes audiências públicas com ONGs, em especial quando se fazem planos para programas como o “Brasília Sustentável”.

No próximo encontro vamos viajar ao Rio de Janeiro a cidade maravilhosa.


BRASÍLIA 16

No quesito “Qualidade do Ar” Brasília também se posiciona acima da média. Ótimo! Essencialmente pela falta de indústrias poluentes; mas o menor uso do carro privado poderia aumentar sua pontuação. Para isso são necessárias duas coisas: um melhor transporte público, vias pedestres e ciclofaixas. Mas também uma grande mudança cultural, para que o pessoal compreenda que este uso intensivo do carro -carros com um só passageiro- provoca contaminação. Na Europa já se usa o carro compartilhado entre colegas de trabalho, é chamado de “car sharing”.

E temos o Instituto Brasília Ambiental o IBRAM o qual junto com a Universidade de Brasília, gerenciam sete estações de monitoramento da qualidade do ar.
http://www.ibram.df.gov.br/
http://www.unb.br/

RECICLAGEM de ÓLEO

BRASÍLIA 15

Já no parâmetro “Saneamento” a cidade se coloca acima da média, pois Brasília tem uma infra-estrutura relativamente nova; o 100 % de esgoto coletado recebe tratamento. A estimativa dos brasilienses que têm acesso ao serviço de saneamento é de 92%.

No 2007 a cidade lançou o projeto “Brasília Sustentável” com um valor de USD 150 milhões, em parceria com o Banco Mundial. Este projeto frisa preservar a qualidade da água e espandir os serviços de saneamento.

BRASÍLIA 14

Também a cidade faz um esforço para conservar a qualidade dos recursos hídricos subterrâneos, poços naturais, e o lago artificial Paranoá.

Com o intuito de reduzir o consumo de água, no 2009 a cidade ofereceu desconto de 20% nas contas de água, para aqueles cujo consumo seja menor ao do mesmo mês do ano anterior. E também nos últimos dois anos os novos prédios estão equipados com hidrômetro.

BRASÍLIA 13

No quesito “Água” a cidade se coloca acima da média, a infra-estrutura é relativamente nova e mais eficiente que a de muitas cidades do “Índice”. A população consome 176 litros por pessoa e por dia; a média do Índice são 264 litros.

Brasília tem a ADASA, Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal: http://www.adasa.df.gov.br/

A qual junto com a CAESB, Companhia de Saneamento Ambiental do D.F.; monitoram os recursos hídricoa para detetar contaminantes. http://www.caesb.df.gov.br/

BRASÍLIA 12

O segundo ponto fraco é o gerenciamento dos resíduos; Brasília gera 875 kg por pessoa por ano, um descaso se comparada com a média do nosso “Índice”: 465 kg. Além disto é uma das poucas grandes cidades do Brasil, que ainda opera um depósito de lixo a céu aberto.

Iniciativa verde: no 2009 foi aberta a licitação, para a construção de um novo aterro sanitário com custo de USD 175 milhões. Uma vez em operação a cidade vai fechar seu vertedouro atual.

BRASÍLIA 11

Iniciativa verde: no 2009 Brasília começou a construção do primeiro sistema de bonde elétrico, sua conclusão está prevista para antes da Copa do Mundo 2014. A linha vai-se estender 23 km com 25 estações, ligando o aeroporto com a zona sul, o centro e a zona norte. Este projeto de USD 870 milhões vai reducir o trâfego na W3 -uma das principais rodovias de Brasília- num 30 %.

Encontrei este blog sobre o transporte muito completo: http://meutransporte.blogspot.com


CICLOFAIXAS 1

BRASÍLIA 10

A cidade tem a rede mais curta de transporte urbano em relação ao seu tamanho, só 0,5 km por km², a média no “Índice” são 5 km por km². O plano de transporte público “Brasília Integrada” requer investimentos para a expansão dos serviços de ônibus e metrô, construção de estações, criação de novas rotas. Mas o plano deve ainda ser implementado.

Também a cidade está melhorando sua pontuação com uma política de redução de engarrafamentos; os funcionários hão começado a promoção da bicicleta como meio de transporte. Excelente!

ROUPA NOVA

LONDON 2012 (72)

BRASÍLIA 9

O Transporte é um dos 2 pontos fracos de Brasília conforme o “Índice”, o outro é os Resíduos.Isso reflete o fato de que a cidade foi planejada nos 50s para o carro e tem poucas vias pedestres. A cantidade asssustadora de carros e motocicletas é de 0,37 veículos por pessoa, um grande número se comparada com a média do “Índice” das 17 cidades: 0,30. Além disso ônibus são a principal forma de transporte público e com frecüência vão lotados.

O desconforto para os pedestres e usuários de ônibus é ruim até para os turistas; a melhor forma de conhecer uma cidade por caso Bahia ou Porto Alegre é caminhando mesmo! Nunca de carro. Ou até usando o ônibus da linha turismo.

HOT CLUBE do MUTUCA

Posso indicar para vocês que gostam do rock o programa “Hot Club do Mutuca”, sábados às 17 horas na Ipanema FM 94.9?

http://ipanema.uol.com.br/programas.php

O programa é produzido e apresentado por Mutuca, um músico, colecionador e pesquisador que transita pelos bastidores da cena musical do sul e se tornou uma autoridade em rock mundial. Com ênfase nos primórdios do estilo, como a jovem guarda e o beat britânico, o Hot Club se tornou referencial. Destaque para o estilo de locução de Mutuca, que remete aos DJs primordiais do rock.

BRASÍLIA 8

A cidade poderia melhorar sua qualificação neste quesito, fazendo mais forte sua politica meioambiental. Não há normas ambientais para edifícios públicos, nem padrões de eficiência energética para as novas construções. E ainda sem incentivos para empresas e famílias a reduzir seu consumo de energia.

Iniciativa verde: no ano 2009 a Terracap -Companhia Imobiliária de Brasília- começou os trabalhos do bairro verde, planejado faz tempo no Setor Noroeste da cidade. Este inclue 220 construções para 40.000 pessoas, as quais são energeticamente eficientes e têm painéis solares; o distrito pode ser concluída até 2025.
http://www.terracap.df.gov.br/internet/index.php?sccid=45

RAY CHARLES 1

Quando era criança ouvia ao gran Ray Charles, isso marcou minhas preferências musicais.

BRASÍLIA 7

Um ponto alto da cidade é que foi planejada com abundância de parques, ela têm 985 m² de áreas verdes por pessoa. Já na sustentável Curitiba temos 52 m² por habitante. Na cidade de Brasília existem 67 parques protegidos, e um plano da administração da terra que põe limites ao crescimento urbano sem controle. Mas também, infelizmente a taxa de devastação do cerrado é de 1% ao ano, o dobro da estimada para a floresta Amazônica, é um crime ambiental já que o bioma têm flora e fauna valiosas.

BRASÍLIA 6

Enquanto ao quesito “CO² e Energia” o 98% da sua eletricidade vêm de usinas hidrelétricas, por isso têm uma das médias mas pequenas de emissões de CO². E se comparado com sua atividade económica, a cidade têm um dos menores consumos de eletricidade. Duplo parabéns!

Mas seu ponto negativo são os fracos resultados das políticas de energia. A cidade criou recentemente um conselho sobre mudança climática, mas não existem medidas claras sobre redução das emissões de CO² , nem há compromisso com tratados internacionais ao respeito.

BRASÍLIA 5

A administração pública domina sua economia, mas a cidade tem uma grande indústria de serviços. No “Índice” Brasília se coloca acima da média na geral, tem bom desempenho nas categorias de água, saneamento, qualidade do ar, e governo meioambiental.

Isto é devido à baixa taxa de vazamentos no sistema hídrico, alto volume de tratamento das águas residuais, concentrações abaixo da média em dois dos três contaminantes do ar que mede o Índice.

BRASÍLIA 4

BRASÍLIA 3

Vou fazer um convite especial a vocês, neste site da pioneira Mercedes Urquiza têm depoimentos da vida nos primeiros anos de Brasília. www.memoriadebrasilia.com.br

BELO HORIZONTE 18

RIO de JANEIRO

Esta materia é da jornalista Lydia Minhoto Cintra, foi publicado o 29 de dezembro do 2011 no site SUPER Interessante. http://super.abril.com.br/

Eu estou publicando ele com autorização.

RIO DE JANEIRO PREPARA VIRADA DO ANO EM COPACABANA COM O TEMA SUSTENTABILIDADE.

Este ano, a comemoração de boas-vindas a 2012 nas areias da praia de Copacabana promete trazer momentos de reflexão sobre meio ambiente. Uma das maiores festas de réveillon do mundo terá a sustentabilidade como tema principal e será o ponto de partida para a divulgação da Rio+20, importante conferência da ONU que acontece em junho na cidade.
Os primeiros segundos da queima de fogos serão com a cor verde e os 16 minutos da atração divididos em seis fases, com cores diferentes:

1. Bem-vinda Rio+20
2. Energia Solar
3. Água
4. Fauna e Flora
5. Vento
6. Otimismo

Antes da virada, será apresentado um vídeo de reflexão para o público e os palcos terão projeções inspiradas na sustentabilidade. Além disso, um dos palcos é feito de madeira c…

BRASÍLIA 2

A cidade foi planejada com duas grandes avenidas e zonas residenciais, comerciais e administrativas, muito diferenciadas. Isto era comum no urbanismo daqueles dias; mas desde há anos foi arquivado este “zoning” , o conceito moderno é zonas mistas de usos diversos, há muitas razões para isso.

O PBI por pessoa é de USD 21.100, muito acima da média das 17 cidades do Índice que é de USD 11.100. A densidade de população é 436 pessoas por quilômetro quadrado. O Distrito Federal tem 5.800 km² e 2,5 milhões de habitantes, já a área metropolitana tem 3,7 milhões.

O clima é tropical de altitude com verão úmido e chuvoso e um inverno seco e relativamente frio. A temperatura média anual nas 24 horas é 21ºC.

Todos os dados utilizados no Índice referem-se ao D. F.
Ver mapa más grande

BRASÍLIA 1

Brasília –inaugurada em 1960- é uma cidade construida com um propósito muito definido; brotou do chão em três anos e quatro meses, para reemplazar a Rio de Janeiro como sede do governo da União. Hoje é conhecida pela sua arquitetura modernista e suas amplas avenidas; é considerada um dos grandes experimentos de planejamento do século XX.

Mas o pecado de Brasília é ser uma cidade desenhada para o carro...daí essas superquadras e as poucas vias pedestres. Naqueles anos não se sabia quanto contaminante poderia ser o carro; além disso a cidade é produto da época do lançamento da indústria do automóvel no Brasil.