Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Dezembro, 2011

BELO HORIZONTE 17

No quesito “Gerenciamento Ambiental” a cidade se sai “abaixo da média”. Acontece que a cidade tem sua Secretaria Municipal do Meio Ambiente, mas o problema é que seus poderes são limitados, pois os deve compartilhar com outras organizações responsáveis do saneamento, transporte e habitação.
http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/comunidade.do?app=meioambiente

O obstáculo ao desempenho de Belo Horizonte é o monitoramento, já que não existe uma supervisão total do meio ambiente feito de forma sistemática, nem sempre são publicados os resultados. As questões de áreas-chave, como saneamento, gerenciamento de resíduos e transporte ficam por fora da supervisão.

Na próxima vamos desvendar alguma mistérios da criação de Brasília, e vamos ver seu desempenho sustentável.

BELO HORIZONTE 16

Na questão do saneamento Belo Horizonte está na “média” do Índice. A companhia COPASA processa grande parte das águas residuais com duas etapas de tratamento. No ano 2007 aproximadamente o 95% dos habitantes tinham acesso ao serviço de esgoto, o objetivo é estender o serviço a 100% da população.

BELO HORIZONTE 15

Ao respeito do parâmetro “Água” a cidade se coloca por “acima da média”. Parabéns! Belo Horizonte tem abundantes recursos hídricos a partir de dois rios. A companhia estatal COPASA Companhia de Saneamento de Minas Geraes fornece água potável ao 100 % da população. www.copasa.com.br

A cidade tem políticas fortes para monitorar a qualidade da água; estas incluem medidas de eficiência como a instalação de hidrômetros e sistemas de coleta da água de chuva.

BELO HORIZONTE 14

No quesito “Qualidade do ar” podemos dizer que os tubos de escape dos carros, são um grande desafio para ter um ar respirável. O programa “Operação Oxigênio” da Prefeitura de Belo Horizonte, inclue vistorias aleatórias de mais de 120.000 veículos diesel da cidade. Os funcionários irão impor multas aos proprietários de veículos que não passam a revisão, e ainda podem tirar o carro da estrada.

BELO HORIZONTE 13

Com o objetivo de estimular a redução do consumo de água e energia elétrica nas empresas, o Comitê Executivo da Copa de 2014, em parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente, lançaram o Selo de Sustentabilidade. A premiação para quem atingir as metas tem três níveis: ouro, prata e bronze. A adesão ao programa é feita na etapa de licenciamento dos projetos.

Reciclagem de Lampadas Fluorescentes

BELO HORIZONTE 12

BELO HORIZONTE 11

Acho que não é tarde demais para publicar estes dados do Belo Horizonte.
Sua população são 2,4 milhões de habitantes; sua área administrativa são 330 km²; seu PIB por pessoa é de dólares americanos 6.267. A densidade de população é 7.326 pessoas por quilômetro quadrado. A temperatura média nas 24 horas e anual é de 23 ºC.




Ver mapa más grande

A Christmas Carol by Charles Dickens

Eu indico a vocês com muito carinho este filme, com o desejo de refletir sobre o significado do Natal. O Natal é obviamente um significado espiritual, e não um simples compra-compra, ficar bêbado, comer muito mesmo, fazer bobagens no carro…e até suportar essa noite parentes que você não gosta.

Sem nenhuma vergonha vou confessar que a cada vez que assisto este filme alguma lágrima pula no meu rosto…

White Christmas/Bing Crosby

Roberto Carlos - Jesús Cristo

Michel Teló - Ai Se Eu Te Pego

NATAL

Na sua origen o Natal foi uma celebração espiritual, é o nascimento de Jesus Cristo! Agora para muita gente é só consumo e comprar muito mesmo presentes de Papai Nöel.

Feliz Natal e próspero Ano Novo para vocês!

MÁRMORE de CARRARA 3

BELO HORIZONTE 10

Este esquema é muito importante para o meio ambiente; mas também oferece benefícios económicos e sociais para os catadores e suas famílias. Ótimo ! A associação tem 380 membros e oferece emprego a 1500 pessoas. Seus associados têm recebido alfabetização e orientação profissional ministrada por ONGs. Mas também esta abençoada associação ajuda com seguros de vida e saúde, e tem um acordo com as farmácias para fornecer medicamentos a baixo custo.

MÁRMORE de CARRARA 2

PARABÉNS !

Daniella Poli junto à equipe do RBS Notícias venceu nesta terça-feira, o Prêmio RBS de Jornalismo e Entretenimento na categoria Reportagem de TV, pela série "Pesadelo na Saúde" veiculada pela RBS TV em agosto de 2011.

http://redeglobo.globo.com/rs/rbstvrs/noticia/2011/12/pesadelo-na-saude-vence-premio-rbs-de-jornalismo-e-entretenimento.html

Daniella Poli e o Alessandro Andreini são os autores deste vídeo “Mármore de Carrara” e outros, que já publiquei neste blog.

Parabéns !

BELO HORIZONTE 9

Em 1993 Belo Horizonte assinou um acordo para a integração dos catadores de lixo, da Associação dos Catadores de Papel, Papelão e Material Reaproveitável ASMARE com o sistema formal de coleta.

A cidade forneceu à associação acesso a pontos especiais de reciclagem, um centro de triagem e caminhões para o transporte dos resíduos. A associação processa 450 toneladas de material por mês, e partilha o dinheiro recebido pelo lixo entre seus associados.

MÁRMORE de CARRARA 1

BELO HORIZONTE 8

No parâmetro “Resíduos” a cidade está por “baixo da média”, acontece que Belo Horizonte produz 921 kg de resíduos por habitante e por ano; enquanto a média das 17 cidades é a metade! Além disso a companhia municipal coleta e “elimina” o 95% dos resíduos no aterro sanitário; falta muito coleta seletiva e reciclagem. É um assunto de liderança e desenvolvimento de normas para incentivar às empresas, a produzir a menor quantidade de caixas e embalagens descartáveis.

Mas a cidade também tem um sistema de coleta de lixo onde todos ganham.

Mas como é isso?

LONDON 2012 (71)

LONDON 2012 (70)

BELO HORIZONTE 7

BELO HORIZONTE 6

Na área das eco-construções a cidade exige que os projetos arquitetônicos maiores a 6.000 m ², cumpram normas de eficiência energética. Ótimo !

Agora falando em transporte, a cidade experimentou uma explosão dos proprietários de carros particulares. A cidade não tem ainda iniciativas para reduzir o congestionamento do tráfego de veículos; mas está desenvolvendo desde o 2007 um plano de mobilidade urbana. Está-se cogitando a implementação do "dia sem carro" como na cidade de São Paulo.

BELO HORIZONTE 5

No parâmetro “Uso da terra e edificações” podemos salientar suas leis rigorosas, para ter sob controle o crescimento urbano.

Mas o calcanhar de Aquiles de Belo Horizonte são as áreas verdes, no 2005 foi criada uma fundação para sua
revitalização. A cidade tem 69 parques, mas a média de 18 m ² de verde por habitante é uma das menores do Índice; lembremos que Curitiba –no topo- tem 52 m ².

Na imagem acima o Parque Municipal das Mangabeiras.

BELO HORIZONTE 4

O novo estádio de futebol –construido para Taça do Mundo 2014- terá painéis fotovoltaicos para gerar energia para sua operação, mas nos dias sem jogo a o excesso de energia será vendida à companhia distribuidora.

Belo Horizonte é lider em energia solar no Brasil, pois tem uma média de coletores solares por pessoa, 12 vezes maior que tudo o pais em sua totalidade !

BELO HORIZONTE 3

BELO HORIZONTE 2

LONDON 2012 (69)

BELO HORIZONTE 1

A cidade de Belo Horizonte, é a capital do estado de Minas Gerais, região do aço e minérios, tem clima tropical de altitude. No passado sua economia era baseada nos recursos minerais, na produção agrícola e na indústria automotiva; mas hoje temos o setor serviços no topo.

Seguindo com o Índice de Cidades Sustentáveis de América Latina no quesito “Energia e CO2”, Belo Horizonte tem o 94% da sua eletricidade gerada em usinas hidrelétricas, emite um estimado de 31 kg de CO2 por habitante. É uma das menores quantidades dentro do “Índice”. A cidade criou uma comissão sobre mudança climática e eco-eficiência; mas ainda tem de definir metas claras para reduzir as emissões de CO2.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 20

PERGUNTA- Quais são os passos que as cidades deveriam tomar para ser mais sustentáveis?

RESPOSTA- A questão é repensar a nossa forma de gerir as cidades, acontece que o planejamento atual está influenciado pelas diversas visões dos setores independentes que concorrem entre si, e a carência de equipes de governo que não consiguem enxergar a cidade como uma entidade única.

FIN

CIDADES VERDES em AMÉRICA 19

PERGUNTA- Como pode melhorar o planejamento das cidades?

RESPOSTA- Por muitos anos eu liderei uma iniciativa de melhores práticas em UN-Hábitat e achamos centenas de exemplos de inovações, novos modelos e novas tecnologias. A pergunta é: “Porque estas melhores práticas não estão virando em Regulamentos municipais ?”

Eu acrescento (Arq. Roberto): porque não estão padronizadas e disponíveis para compartilhar com o mundo todo?

E continua o Nicholas You: a única resposta que achei, foi que as leções aprendidas não alimentam a elaboração de políticas nos níveis elevados, senão que ficam como fatos isolados. Devemos ser cientes que há muita inovação lá fora.
Como podemos sistematizar estas experiências para que alimentem as políticas urbanísticas das cidades?

Meu comentário (Arq. Roberto): eu acho que é pela burrice mesma do ser humano, e por sua mesquinhez que impede a partilha destas experiências valiosas. E não podemos ser ingênuos: também por interesses econômicos.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 18

PERGUNTA - Nesse sentido que tipo de melhora estão fazendo as cidades?

RESPOSTA- Por exemplo a ligação das favelas a uma rede de infra-estrutura que fornece coleta de lixo, serviços de água e esgoto. Mas aqui surge o problema da posse da terra, não está claro quem é dono e tem direitos sobre ela. O fornecedor de serviços de água e esgoto não vai colocar infra-estrutura se não há clareza sobre quem é o proprietário do solo.


CIDADES VERDES em AMÉRICA 17

PERGUNTA- É possível enxergar uma abordagem comun no jeito que as cidades lidam com o desafio das favelas?

RESPOSTA- Eu acredito que estamos começando a ver um padrão emergente que favorece a melhora das favelas, envez de seu deslocamento e demolição. Estas áreas têm comunidades com suas próprias redes sociais, culturais e económicas. Parte do motivo pelo qual o pessoal não quer se deslocar destas zonas precárias, é que estas áreas são ideais em termos de localização, bom acesso aos empregos e outros serviços. Então o pessoal deveria pagar mais caro por tudo isso no caso de se deslocar. Acontece que a maioria das áreas suburbanas começaram nas margens da cidade, com o tempo e o rápido crescimento ficaram no meio da cidade. E também o deslocamento implica pedir à gente que se mude do bairro onde morou a vida toda.

Convite: a sexta vou começar a publicar sobre a cidade de Belo Horizonte. Eu aguardo vocês.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 16

PERGUNTA- Quais são os objetivos de UN-Habitat ao respeito da melhora da informação estatística nos bairros informais ?

RESPOSTA- UN-Habitat está tratando de mostrar que os métodos atualmente usados, não fornecem uma visão correta do que acontece nas favelas. São necessários vários anos para mudar o método de trabalho dos escritórios de estatísticas, e a toma de dados nos censos demográficos.

“Infelizmente, acrescento eu” (Arq. Roberto)

Um erro común é se iludir confundindo “proximidade” com “acesso”. O pessoal das favelas pode vivir colado à rede de água potável, ao serviço de esgoto e coleta de lixo, e até de hospitais e escolas; porém sem ter acesso a estes serviços.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 15

PERGUNTA- Freqüentemente as cidades reportam altos níveis da aceso aos serviços básicos como água potável, coleta de lixo e saneamento, mas a situação pode ser diferente devido a fato da existência das favelas. Quais são as conseqüências disso?

RESPOSTA- Se nos estamos examinando parâmetros como o consumo de água potável ou geração de lixo por pessoa, e deixamos fora as favelas, estamos desconsiderando uma parte da realidade. Para a empresa de água e esgoto seu campo de trabalho não inclui as favelas, eles podem com razão dizer “cobertura de 100%”. Mas se nos olhamos a cidade como um todo, o que signfica sem exclusões, esse 100 % pode cair até um 70%.

Na imagem temos as 10 melhores cidades para se viver (botão preto) e as 10 piores para morar (botão vermelho); mas o extranho é que não aparece nenhuma de Latinoamérica, em especial a nossa sustentável Curitiba.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 14

Lembramos que esta reportagem ao Dr Nicholas You, faz parte do “Índice de Cidades Verdes de América Latina”, é um projeto de investigação independente feito pelo Economist Intelligence Unit, com o patrocinio da empresa Siemens.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 13

PERGUNTA- As favelas –bairros marginais ou assentamentos informais- com certeza afetam o meio ambiente, porém pela sua natureza não são rigorosamente estudadas nas estatísticas. Por isso esses dados não estão incluidos neste Índice de Cidades Verdes de América Latina. Mas como afeta isto o panorama ambiental das cidades?

RESPOSTA-. As favelas são por definição não sustentáveis, pois representam um alto grado de exclusão social e económica. Um dos intelectuais mais progressistas de América Latina, o Milton Santos diz que a pobreza é a pior forma de poluição. As favelas são a prova –como se houvesse carência de provas- de que não estamos planejando bem as cidades.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 12

PERGUNTA- Os resultados do Índice parecem mostrar que a maioria das cidades latinoamericanas, fazem uma abordagem das questões ambientais por acaso, ou com freqüencia em resposta às crises, como o bombeiro apagando o incêndio. A exeção é CURITIBA – o maiúsculo é meu- que foi a única cidade em se colocar “muito por acima da média”. O que impede que outras cidades tenham uma abordagem global dos desafios ambientais?

RESPOSTA- Existem diversos obstáculos como as políticas a curto prazo (mudanças de governo), a descentralização, a falta de poder das autoridades locais, a sobreposição de jurisdições. Quem é responsável de fazer o que? Este é um fator clave. Cada um é responsável de uma parte do problema- responsável da água, da energia, do transporte e assim por diante- mas ninguém tem uma visão global da situação ! Curitiba tem feito por décadas o que todas as cidades deveriam fazer: planejamento urbano de longo prazo de cima para baixo.

MUNDO da SUSTENTABILIDADE

Caros internautas,
vou fazer um convite muito especial a vocês: estou escrevendo no site
MUNDO da SUSTENTABILIDADE. www.sustentabilidades.com.br

Obrigado ao Felipe B. García.
Boa leitura.

The Prince´s Foundation 1

CIDADES VERDES em AMÉRICA 11

Este Índice traz uma reportagem sobre o caminho a percorrer para ter cidades mais verdes, ao prestigioso Nicholas You. Com certeza todos temos muito para aprender sobre este apaixonante assunto.

O Nicholas é Presidente do Comité Diretivo da Campanha Urbana Mundial da UN-Hábitat. http://www.unhabitat.org
A campanha é uma plataforma para as organizações públicas e privadas, que permite compartilhar informações e ferramentas sustentáveis de uso urbano.

A palavra “compartilhar” é essencial; tomara este resumo seja lido pelo pessoal do planejamento urbano: estadual e municipal. Vamos lá à reportagem.

Porque as crianças não querem ser cientistas?

CIDADES VERDES em AMÉRICA 10

Mas um fato curioso que aparece neste estudo, é que não há uma relação direta entre o desempenho ambiental das cidades e o nível de renda delas. A renda foi calculada como o PIB médio das pessoas. Acontece que há uma coisa adicional que precisamos encontrar: que é o que impede às cidades de usar o seu dinheiro para melhorar sua qualidade de vida.

Conforme Roberto Sánchez-Rodríguez, professor da Universidade de Califórnia: “As ciudades mais ricas têm mais recursos financeiros, e com esa renda maior existe a tendência de que sua população, seja mais consciente dos problemas ambientais e os considere mais importantes.”

Mas também maiores recursos podem ter o efeito oposto, quando os cidadãos ricos compram mais carros diminui o desempenho ambiental das cidades.

Na imagem acima temos a cidade de Porto Alegre, após São Paulo, abaixo Curitiba.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 9

Pois é, o artigo 23 da Constituição do 1988 deu poderes ao governo da União, aos estaduais e municipais para “proteger o meio ambiente e combater a poluição em todas as suas manifestações” e “promover a melhoria da habitação e do saneamento básico.”

Também no ano 1992 Rio de Janeiro foi sede do primeiro Cume da Terra; e além disso foi criado o Ministério do Meio Ambiente.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 8

Mas a boa notícia é que cinco das seis cidades colocadas “acima da média” ou “muito acima da média” são brasileiras gente! As cidades são Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Rio de Janeiro, e São Paulo. As quais têm um grande percentual de geração hidrelétrica, isso lhes da uma vantagem no quesito Energia e CO2. O desempenho das diversas cidades varia conforme o parâmetro escolhido; por exemplo no “Resíduos” temos a Curitiba “muito acima da média”, e Brasília “Muito abaixo da média”. Na imagem acima temos a cidade de Belo Horizonte, após Brasília, abaixo Rio de Janeiro.

Há um fato común a salientar nestas cidades: as fortes políticas ambientais; isto não surpreende aos expertos pois a preocupação dos brasileiros com as políticas ambientais vem de anos atrás.

Mas como é isso?

CIDADES VERDES em AMÉRICA 7

O Índice mede o desempenho ambiental das cidades com oito parâmetros: energia e CO2, uso da terra e edificações, transporte, residuos, água, esgoto público, qualidade do ar, governança ambiental.

Além disso o Índice avalia as políticas, as quais são um reflexo do compromisso das cidades com a questão ambiental. É comum que o pessoal leve diversos anos, para reconhecer os efeitos das novas políticas. Por exemplo a Ciudad de México é melhor conhecida por seu ar contaminado, que pelos pontos altos de desempenho ambiental como sua política de transporte, sua política de construção ecológica. Mas o resultado geral da Ciudad de México é a “média” pois tem 2 itens na média, 3 itens acima da média, e um item muito acima da média.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 6

Ambas duas, as percepções e o Índice estão corretas; acontece que as percepções das cidades feitas pelos turistas geralmente vêm de observações subjetivas sobre a qualidade de vida, beleza arquitetônica, lazer, instituções culturais.

Mas as percepções dos habitantes moradores nessas cidades são “outros quinhentos”, pois elas são focadas em assuntos muito problemáticos e visíveis como congestão do trânsito, a carência de recoleção de lixo, a poluição do ar e da água. Pois é, uma coisa é ser turista e outra é morar e sofrer uma cidade.

CIDADES VERDES em AMÉRICA 5

Os resultados do Índice podem surpreender as pessoas, por exemplo a cidade de São Paulo famosa pela congestão do trânsito e seu desenvolvimento urbano extensivo, está colocada “Acima da média”, se sai bem.

E Buenos Aires e Montevideo, duas cidades hermosas e prazerosas para se viver, estão colocadas “Abaixo da média”. O cara que visita Montevideo diz: “que cidade linda, e com essa arquitetura européia do Estilo Internacional”.
As imagens seguem a ordem em que as cidades são nomeadas.

Então o que acontece, o Índice está errado?

CIDADES VERDES em AMÉRICA 4

Isso não é bom porque o campo é esvaziado; aquele campo com ar fresco e sem poluição, melhor alimentação e sem estrese. O problema do campo vazio faz que os governos da Europa, forneçam incentivos para que o pessoal não migre às cidades, é uma questão de geopolítica.

As cidades têm seus problemas específicos como a congestão do trânsito, as políticas do uso da terra, a disposição final dos resíduos, a qualidade do ar. O crescimento urbano faz uma pressão excessiva sobre a infra-estrutura existente, afetando as construções, o transporte público, a rede viária, a coleta de lixo, a qualidade da água, a saúde pública.