Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2010

LED (11)

Outros usos são em carros e nas sinaleiras.

LED (10)

Ë claro são usados nos restaurantes, nas ruas e praças.

LED (9)

Também nas piscinas criando estes maravilhosos ambientes cheios de mistério…

LED (8)

Como podemos ver o uso dos LEDs é um grande desafio à criatividade e os podemos encontrar nas residências e lojas.

LED (7)

Com este monte de vantagens con certeça vocês estarão pensando no preço desta maravilha, por exemplo uma lâmpada LED de 1w com iluminação equivalente a 20w duma incandescente pode custar R$ 35. Então é justificado investir essa grana toda em lâmpadas LEDs?

Nós podemos raciocinar assim, quando compramos uma incandescente só o 10% é iluminação (o 90% é calor, acredite), aí já estamos comprando um produto ineficiente.

Na imagem da cima temos o modelo Ultra Led PAR 16 tem 5w de potência mas fornece a iluminação duma halógena de 50w. Dura em média 25.000 horas e emite luz branca ou morna. Ë da Golden com preço sugerido de R$ 88.

E na imagem a seguir temos esta curiosidade excelente para ser usada na decoração residencial, comercial ou até nos palcos dos teatros pois muda de cor por controle remoto, a A60 RGB fabricada pela FLC com duração de 30.000 horas, preço sugerido R$ 280.

LED (6)

Também os LEDs não tem como os tubos fluorescentes esse zumbido producido pelo reator, e nem esse pisca-pisca conhecido como fenômeno de cintilação. Podem trabalhar com qualquer um voltagem entre 90 até 277 watts; a troca se faz sem problema pois é só tirar as incandescentes ou as fluorescentes e botar os LEDs, com isso você aproveita a luminária existente. Isso é interessante porque por exemplo nos Estados Unidos a partir do 2012 os tubos fluorescentes T12 estarão proibidos.

A cor é um assunto importante, as LEDs são desenhadas conforme a temperatura Kelvin numa escala de 2700º K até 6500º K. Com 2700º K temos uma cor de tons vermelhos boa para ambientes de relax. Na outra ponta do espectro com 6500º K temos uma luz fria quase azul, a que vemos nos faróis dos carros. Conforme seu uso é a cor que vamos empregar, por exemplo nos supermercados no setor das caixas usamos luz branca pois aumenta a produtividade, já na seção carne e vegetais usamos a luz neutra para manter as cores origin…

LED (5)

Os LEDs não geram praticamente calor se comparados às lâmpadas incandescentes ou até com os tubos fluorescentes, isto é muito importante no verão pois esse calor gerado com iluminação tem que ser tirado do interior da edificação, e obriga a maiores gastos com ar condicionado. O desconforto pode ser maior se o arquiteto desenhou grandes fachadas de vidro sem proteções, ou melhor ainda sem um bom projeto de fachada ventilada. Se nós temos plantas de prédios de escritórios muito profundas, para que não fiquem escuras demais temos que usar muita iluminação artificial. Nos prédios temos a chamada distancia passiva, são 7 metros, o quer dizer que a luz natural entra na edificação até esse 7 metros de profundidade, após disso é escuro mesmo. Hoje é possível um bom projeto de fachada vidrada, usando programas computacionais que ajudam ao projetista a escolher a melhor solução de entre diversas possíveis. Nestes softwares as simulações se fazem em três dimensões usando os sistemas CAD com o BI…

LED (4)

Vamos ver agora as vantagens da tecnologia LED, a primeira é poupança energética na hora. Se vocês tocam uma lâmpada incandescente vão-se queimar a mão pois o 90% da energia emitida é calor e só o 10% é luz, daí já é ineficiente; com o LED é ao invés o 90% é luz e só o 10% é calor. Com a LED temos uma poupança de 90% contra a làmpada incandescente; contra o tubo fluorescente conforme o tipo de lâmpada que temos na nossa casa a poupança pode ser de 60 até 80%.

Também a LED é um produto zero contaminante e quase 100% reciclável, por todo isso podemos dizer que é um eco-produto. Os tubos fluorescentes levam mercúrio (Hg) o qual têm grande potencial poluidor, o mercúrio dum tubo quebrado pode contaminar 75.000 litros de água.

LED (3)

Além disso outra diferença é que nós vemos uma sucessão de pontos de luz, podemos ver uma luz como feita de pontinhos segundo o tipo de lâmpada. O característico é o tamanho desses pontinhos, ele é conforme tenham o diodo superficial ou embutido. A lâmpada dum abajur tem por diante um bulbo difussor translúcido que uniformiza a luz como vemos na imagem, e um capulho metálico que impede que a luz seja desaproveitada, sempre é luz direccionada.

Com os spots que ficam embutidos aconte outro tanto, eles têm por diante um vidro difussor dessa luz de pontinhos, nesse sentifo é semelhante a um spot convencional, só que tem maior eficiencia energética.

LED (2)

A lâmpada LED do inglês: diodo emissor de luz, é um dispositivo –capacitor- que tem dois eletrodos, o ánodo (positivo) e o cátodo (negativo) que produz a luz quando aplicamos nele uma tensão alternada. Este fenômeno da eletroluminescência foi descuberto já em 1936 pelo físico francês George Destriau. Hoje com a tecnologia LED é possível trocar os convencionais tubos fluorescentes por tubos LED, e obter a mesma qualidade e quantidade de iluminação. Este patamar foi alcançado já há dois anos quando os lumens por watt foram maiores a 80 por unidade. Estamos falando em eficiência energética na iluminação a qual se mede em lumens/watt, significa quantos lumens emite uma lâmpada por cada watt que dissipa.

A luz dos LEDs tem uma diferença com os outros sistemas de iluminação comvencionais: é unidireccional, ao invés dos tubos fluorescentes comuns os quais iluminan em todo seu perímetro, com o qual temos luz desaproveitada que vai para o teto. Em vez disso o tubo LED de 1,20 metros do fabrica…

LED (1)

Básicamente a lâmpada LED é uma pedra dum mineral semelhante ao sílice, que quando aplicamos nela uma diferença de potencial brilha e produz luz. A pedra pode brilhar com diversas cores, as primeiras desenvolvidas foram a vermelha e a infravermelha. No ano 1993 o Dr Nakamura consiguiou pegar a luz azul e junto com a verde e a vermelha e mais um banho de fósforo desenvolviou a luz branca de espectro completo. O espectro completo quer dizer que tem todas as cores do arco-íris, então das luzes artificiais é a mais natural, a mais semelhante ao sol. Como é uma pedra é melhor luz, conhecida com o nome de luz de estado sólido.

Numa apertada história as primeiras lâmpadas usadas pelo homen foram as incandescentes, as quais produzem luz com um filamento. Logo vêm as lâmpadas de descarga elétrica que usam a exitação dos gases, alí temos os tubos fluorescentes, as fluorescentes compactas (baixo consumo), e muitas outras. Hoje podemos dizer que a tecnologia incandescente que tem cem anos, e a fl…

EVALON-Solar (4)

O aproveitamento da energia solar incidente vai depender de dois fatores: a orientação do telhado conforme a rosa dos ventos e a inclinação do mesmo. O melhor aproveitamento é com uma laje horizontal pois é 100%, e vai descendo com o aumento da inclinação do telhado. Para o hemisferio norte a orientação ótima é a sur.

Um fato a salientar é que a instalação deve preveer o efeito da sucção do vento, tendo em conta os grandes contrastes atuais devido às mudanças climáticas. A fixação é mecânica de preferência com parafusos escondidos no lado maior do painel. A quantidade destes elementos de montagem é calculada conforme às normas técnicas e a carga do vento no lugar da instalação, ou seja cada telhado requer seu projeto específico com seu aprimorado cálculo. Ë um produto flexível pois se adata a qualquer forma do soporte.

Enquanto a parte elétrica os cabos de ligação dos módulos fotovoltaicos vêm montados da fábrica, sua instalação é escondida e protegida dos curto-circuitos e da intempéri…

EVALON-Solar (3)

Vem apresentado em dois comprimentos: 3,36 e 6 metros, e em duas larguras: 1,05 e 1,55 metros; combinando estas medidas temos quatro produtos. Sua espessura é quase meio centímetro: 4,6 mm.
O funzionamento baseia-se na absorção das radiações solares pelo sílice, então pela assimetria das propriedades elétricas dos 2 polos vão-se emitir eletrons gerando assim um campo elétrico de corrente contínua. Esta logo vai passar por un inversor, e vai virar corrente alternada para que seja possível seu uso na nossa casa. O sistema leva também um conjunto de baterias para armazenar a energia. Ë interessante isto, pois assim é possível vender a energia não consumida à empresa distribuidora de eletricidade como acontece na Italia, onde no inverno é usada a energia da rede pública e o resto do ano a energia fotovoltaica é vendida à distribuidora com uma tarifa diferencial: a empresa paga um preço maior pelo kW comprado ao usuário que a tarifa do kW vendido a este.

Então conforme o modelo Evalon escolh…

EVALON-Solar (2)

Já os módulos fotovoltaicos são fabricados pela Uni-Solar, estão feitos de células solares flexíveis ligadas em série e são cobertas na parte de cima com um polímero transparente Tefzel que as protege da sujeira e da intempérie; pela parte inferior estão protegidos com uma capa de outro polímero. Pela sua vez as células fotovoltaicas são formadas por três sistemas de sílice amorfo colocados um sobre o outro, aproveitando assim os diferentes cumprimentos de onda da luz solar, pois esta tecnologia Tripla-cell aproveita de maneira ótima também a série verde e azul do espectro solar. Por cima do sílice há um polo positivo (um eletrodo transparente) e por baixo do síce hó o…polo negativo feito de láminas de aço inox.

Estes módulos fotovoltaicos estão dispostos numa tal maneira que os painéis Evalon podem-se instalar como mantas impermeáveis convencionais sobre lajes ou telhados, mas com uma inclinação mínima de 5%. Para sua instalação não são necessáriosestruturas portantes complicadas e p…

EVALON-Solar (1)

Vamos apresentar hoje uma manta impermeável capaz de produzir eletricidade: a Evalon Solar a qual está há anos no mercado e recebeu o prêmio Batimat d`Or, na feira Batimat 2005 em Paris. Trata-se dum painel flexível e leve fabricado pela Alwitra, básicamente é uma lámina com módulos fotovoltaicos integrados nela. Então as duas prestações mais importantes são a estanqueidade da laje ou telhado à água de chuva, e a transformação direta da energia solar em energia elétrica.

Como vemos na imagem a manta está formada por diversas capas, a que está apoiada direto no telhado é a capa impermeável a qual está composta com láminas Evalon V. Estas pela sua vez são feitas duma liga de copolímero de acetato de vinil e etileno EVA/C e policloruro de vinil plastificado PVC-P.