Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2010

OYSTER (3)

Cada conjunto Oyster 2 vai ter uma capacidade instalada de 2,5 MW, compreende três dispositivos para capturar as ondas os quais compartilham uma só tubulação, eles vão providenciar a força a um gerador que fica na costa.
O Oyster 2 vai usar a mesma tecnologia do Oyster 1 mas vai a ter seu perfil melhorado para aumentar sua perfomance na captura da energia, operativamente vai produzir mais força por tonelada de aço do dispositivo. Está sendo desenhado de maneira padroniçada para produção em massa, para facilitar sua instalação e manutenção. É muito importante o uso de boas tintas de proteção antiferrugem pois o ambiente marino é muito exigente como acontece nas plataformas do petróleo. Outro uso para o Oyster é providenciar a força para as usinas de dessalinização de água.

O fabricante -a Aquamarine Power- recebeu um subsídio de 6.200.000 Euros do Marine Renewables Proving Fund do U.K.Government Departament of Energy and Climate Change. Ë muito encorajador ver como o governo do Reino Uni…

OYSTER (2)

O dispositivo Oyster é uma grande bomba impulsionada pelas ondas do mar, que fornece a força para movimentar uma estação hidrelétrica convencional, captura a energia das ondas perto da costa e a transforma em energia limpa e sustentável. A base deste engenhoso aparelho está apoiada no fundo do mar a uns 10 metros de profundidade e a 500 metros do litoral, tem dois pistões hidráulicos e uns defletores articulados. Estes defletores ficam quase submersos e são movimentados para frente e para atrás conforme o fluxo das ondas, seu movimento impulsiona os pistões que empurram a água sob grande pressão, esta água aciona uma turbina hidrelétrica que fica no litoral.

O primeiro prototipo o Oyster 1 foi instalado no European Marine Energy Centre EMEC em Orkney, na Escócia, na parte superior da imagem, no verão do ano 2009 e foi conetado à rede nacional de energia elétrica em novembro desse ano. Ele está passando por testes e avaliações para poder terminar o desenho da próxima geração de disposi…

OYSTER (1)

O que vocês acham de tirar energia do mar? Pois é, já a extraimos da água das barragens, do sol, do vento…Podemos obter energia dos mares em três maneiras diferentes, por exemplo aproveitando as diferenças de temperatura dos mares profundos, onde nós podemos ter água quente na superfície e águas frias nas profundezas.

Outra maneira é com usinas maremotrices em lugares com grandes desníveis entre a pleamar e a baixamar da maré.

Mas temos outra que refere ao aproveitamento da força mecânica das ondas, esta é a que vamos ver, usando para isso dispositivos flutuantes. As ondas são produzidas pela ação do vento sobre a superficie do mar; é uma fonte de energia primaria de origem solar indireta como o vento.

GEOTHERMAL ENERGY (12)

Sistemas HDR

O grande potencial para aproveitar a energia geotérmica, está nas camadas profundas e sobre todo nestas rochas secas, estas jazidas representan o 85 % do recurso geotérmico do mundo. O HDR (Hot-Dry-Rock) é um sistema que utiliça o calor das camadas impermeáveis de rocha encontradas a grandes profundidades de 3.000 até 7.000 metros, são camadas sen água, dalí seu nome. O truque consiste em criar um circuito par de perfurações, uma para injetar água e outra perfuração para fazer a extração. Temos então una perfuração onde injetamos água sob grande pressão, isto é chamado de estimulação hidráulica, nela se forman fissuras as quais são usadas como trocadores de calor. Mas temos as outras nas quais vamos extrair a água quente e após levar ela até a superficie, onde sob forma de vapor impulsiona una turbina que gera eletricidade ou alimenta uma rede térmica.

No próximo encontro vamos ver como é possível tirar energia das ondas do mar. Bom fin de semana!

GEOTHERMAL ENERGY (11)

O suroeste do campus do Oregon Institute of Technology em Klamath Falls tem calefação geotérmica desde os anos 60´, com poços perfurados de 549 metros de profundidade e água aos 89 ºC de temperatura. Este sistema poupa à universidade de um milhão de dólares ao ano. A parte mais antiga da cidade de Klamath Falls está construida sobre mananciais termais, estes foram usados para calefacionar as casas e até as ruas do centro. Agora há um novo projeto como o vemos na imagem, com perfurações de 1.516 metros de profundidade e água quente a 149 ºC . O projeto vai permitir fornecer todas as necessidades de eletricidade do campus, a estação vai produzir 1,5 até 3,00 megawattios. O interessante é que o calor não aproveitado da produção elétrica vai ser vendido aos proprietários vizinhos; mas também a eletricidade não consumida no campus vai ser vendida à empresa distribuidioora de energia elétrica.

Temos então uma tubulação que através duma bomba de recalque tira água quente duma profundidade d…

GEOTHERMAL ENERGY (10)

Energia Geotérmica Profunda

Já usando a energia geotérmica profunda é possível produzir energia em usinas energéticas ou calor em grandes redes térmicas, neste caso para a produção industrial ou para calefação de prédios. Podemos clasificar esta energia geotérmica profunda em geotérmica hidrotérmica, sistemas HDR, sondas geotérmicas profundas.

Geotérmica Hidrotémica

Em algumas regiões do planeta existem camadas de rocha que suportan aqüíferos de água quente, estes podem ser usados com uma tecnologia que faça possível obter volumens de água maiores de 50 m³ por hora e por poço. Mas a água em função das condições de pressão e temperatura a podemos encontrar também sob forma de vapor, este fluido então o achamos a uma profundidade de 1 até 10 quilómetros. A água quente é tirada do aqüífero por uma bomba alimentadora que produz calor nos trocadores de calor, após logo é devolvida à terra. Conforme a temperatura da água, ela pode ser usada direto ou levada à temperatura desejada pela bomba d…

GEOTHERMAL ENERGY (9)

Pilares de energia

Os pilares de energia são “tubulões” profundos ou outro tipo de peças subterràneas de concreto, cubertas com tubos de plástico onde circula a água para transportar o calor ou o frio da terra. A água quente calefaciona o prédio com o emprego da bomba de calor; mas no verão como a temperatura nas capas supeficiais da terra sempre é menor que a do ar, a podemos usar para refrigeração. As duas primeiras imagens são do Frank e a debaixo é do Rehau, ambos os dois fabricantes alemães.

GEOTHERMAL ENERGY (8)

Sondas Geotérmicas.

As sondas geotérmicas são um circuito de tubos de plástico instalados a uma profundidade de 50 até 400 metros. Vão conetados com o sistema de calefação e refrigeração e requerem pouco espaço pois quase todo é subterrâneo. Dentro dos tubos circula um líquido portador de calor o qual o absorve da terra e o leva atéa bomba de calor. É um sistema muito usado na Europa central e do norte.

GEOTHERMAL ENERGY (7)

Cayuga Lake

Já vimos um sistema de ar condicionado para uso doméstico, agora vamos ver um sistema maior, é o que alimenta o campus da Cornell University. Este aproveita a água fria da lagoa Cayuga no estado de New York, e tem dois circuitos de circulação de água separados entre si. O primeiro é um circuito aberto de 3,2 quilómetros de comprimento, o qual bombeia a água fria (recalque) até uma estação com trocadores de calor (como este da imagem); dalí a água retorna à lagoa. Mas no retorno a água passa por un sistema de difussores para incentivar a mistura com a água que está na lagoa. A água é tirada do fundo a uma profundidade de 76 metros com uma temperatura de 6ºC o ano todo. A toma de água está cercada duma tela de proteção para os peixes, e tem uma luz fraca para poupar a proximidade dos camarões. O que acontece nos trocadores de calor é que a água fria da lagoa, vai arrefecer a água morna do segundo circuito.

O segundo circuito começa na estação e vai até o campus para arrefece…

GEOTHERMAL ENERGY (6)

Ar Condicionado Geotermal

Este sistema usa a inercia térmica do subsolo a uma profundidade de 2 até 3 metros, com uma temperatura constante de 10 até 16 ºC. Fazemos circular o ar exterior –no verão vamos ter mais de 30 ºC- por tubos subterrâneos para após logo introduzir esse ar fresquinho na nossa casa. Então o ar vai circular até chegar à temperatura de conforto.

Como cada produto tem seu uso específico, neste caso a dica é fazer a instalação na fase da construção da sua residência. Mas também que é ótimo para edificações com bom níveis de isolamento térmico. Uma vantagem é que poupa o alto consumo dos equipamentos de ar condicionado convencionais, conforme o fabricante é possível reduzir para até 75% seu consumo, sua duração é de várias décadas.