Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2010

ECO-PASTILHAS (1)

A Lepri Cerâmicas após dum ano e meio de pesquisa, lançou no 2005 sua linha de pisos com vidro de lâmpadas no esmalte. O Mc Donald´s em Bertioga no litoral paulista, inaugurou o primeiro restaurante ecológico na América Latina, o qual empregou na sua construção eco-pastilhas feitas com lâmpadas fluorescentes recicladas.

Estas cerâmicas têm vantagens ecológicas, pois as lâmpadas fluorescentes contem aproximadamente 40 elementos químicos contaminantes como mercúrio, chumbo, zinco. Por exemplo perto dalgumas indústrias as águas dos rios estão contaminadas com mercúrio. Pódese também encontrar chumbo no sangue quando as pessoas moran perto duma fábrica de baterias de carros. Quase todas as lâmpadas acabam sendo descartadas nos aterros sanitários, e podem contaminar o meio ambiente. Por isso são necessários programas de disposição final dos resíduos das lâmpadas de baixo consumo –as quais contem mercúrio- por exemplo com o apoio do PNUMA Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. No B…

DRENANTE CERÂMICO (2)

Já a linha Ekko da Castelatto composta com pedras naturais, é completamente drenante mantendo a permeabilidade do solo. Não é indicada para ambientes internos é áreas de tráfego intenso de veículos como acesso à condomínios e lojas. O assentamento também é feito sem argamassa, neste caso sobre uma camada de areia grossa apoiada sobre solo compactado. O formato é 50x33x5cm, disponível nas cores castanho, grafite, branco.

DRENANTE CERÂMICO (1)

O aquecimento global trouxe mudanças muito rápidas no estado do tempo, as chuvas são mais intensas, concentradas e erráticas. Os efeitos da expansão urbana com o deslocamento cada vez maior das pessoas para às cidades junto com a agricultura intensiva hão ultrapassado a capacidade do solo de absorver água. Também a temperatura das cidades aumentou pelo efeito “ilha de calor” devido entre outras razões à carência de terra nua, todo está pavimentado de concreto o qual impede à água de chuva chegar aos lençois freáticos. Não é possível cobrir a terra toda, é necessário uma porcentagem dela para infiltração da água. Por exemplo em Canela no RS há uma normativa que obriga a deixar sem pavimentar o 20% da área do lote. Mas acontece que nas casas há uma tendência a pavimentar o quintal e até o jardim, por razões de limpeça das folhas das árvores. Para contornar esta situação vamos ver 2 tipos de pavimento drenante cerâmico.

O Drenac da Gyotoku é um produto ecológico desenhado pelo paisagista…

ECO-TINTAS (2)

A Lukscolor lançou na Feitintas 2008, VI Feira da Indústria de Tintas e Vernizes, o selo Green, o qual compreende pinturas com base água que não tem solventes derivados do petróleo. Tem baixo COVs, conforme o fabricante suas emissões atendem às normas do CEPE: Conseil Européen de L`Industries des Peintures; mas também a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) criada pelo U.S. Green Building Council.

São produtos amigáveis ao meio ambiente e ao ser humano pois estão isentos de metais pesados.


ECO-TINTAS (1)

A tinta Solum é uma pintura ecológica -feita com pigmentos das terras brasileiras- não agride à saúde humana e ao meio ambiente. É sadia pois é livre de metais pesados como chumbo, mercúrio, alumínio, os quais sim são encontrados nos pigmentos sintéticos. Pelo contrário a Solum emprega pigmentos minerais extraídos de jazidas certificadas numa emulsão de base aquosa. Também é livre de COVs –compostos orgânicos voláteis- estas são solventes derivados do petróleo que evaporan durante a secagem da tinta, suas emissões continuan ainda você não perceba o cheiro deles.

Permite a respiração da parede pois não tem resina acrílica, sua umidade interna é trocada com a umidade do meio ambiente, permitindo assimo o equilibrio da umidade relativa do ar e a troca de calor através da sua porosidade. Com certeça todo isto é bom para a saúde humana.

A tinta não agride ao meio ambiente pois é fabricada através do processo físico sem usar meio químico, sem emissões tóxicas, e com baixo consumo de energia. …

SÍNDROME DO PRÉDIO DOENTE

Este é um artigo da Ximena Aguiar y Ana Pais, publicado no jornal “El País” de Montevideo do 17/07/2009.

LOS EDIFICIOS TAMBIÉN SE ENFERMAN

Arquitectura y salud. La escasa ventilación e iluminación de las oficinas pueden causar el "síndrome del edificio enfermo" Los síntomas para sus ocupantes son similares a los del resfrío y alergias
Los edificios se enferman y contagian a sus ocupantes. Son el 30% de las construcciones destinadas a oficinas, según la Organización Mundial de la Salud (OMS) y producen síntomas que pueden confundirse con una simple gripe o alergia.
Ante el frío y la amenaza de contagio de enfermedades, la gente se recluye en los espacios interiores. Pero en ellos puede residir una nueva trampa: el viciado aire interior. En el extremo, la falta de ventilación puede causar diversos malestares que van desde los accesos alérgicos a la intoxicación con monóxido de carbono, incluyendo una mayor propagación de virus y bacterias.
Debido a la importante incidencia de la ca…

MÓDULOS FOTOVOLTAICOS (I)

Neles a radiação solar é absorvida pelo sílice das células fotovoltaicas, pela assimetria das propriedades elétricas entre as duas faces do módulo uma dopado com boro e a outra com fósforo, desprenden-se elétrons gerando-se assim um campo elétrico. As células fotovoltaicas vão ligadas em série e paralelo para aumentar a pôtencia da corrente elétrica formando assim os Módulos Fotovoltaicos, estes transforman a energia recebida do sol em corrente contínua. Temos 3 possibilidades de conexão:

1-ligado à REDE PÚBLICA de distribuição, do Photo Voltaic a corrente elétrica passa a um transformador que a converte em corrente alternada, logo vai para 2 medidores de saída para calcular a energia produzida e a que vai ser vendida à empresa distribuidora.

2- outra posssibilidade é EM ILHA, a energia produzida é armazenada em acumuladores ou baterias e passa logo ao transformador para assim virar corrente alternada. Este sistema é usado nas regiões sem ligação à rede pública como refúgios de montanh…

MÓDULOS FOTOVOLTAICOS (II)

COLETORES SOLARES (III)

COLETORES SOLARES (II)

Nas imagens a seguir temos muitas das diversas marcas comerciais de coletores solares Nas imagens a seguir temos muitas das diversas marcas comerciais de coletores solares que temos no mercado brasileiroque temos no mercado brasileiro.