Pular para o conteúdo principal

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL


Vamos falar hoje de Arquitetura Sustentável. Mas porque falar de arquitetura sustentável? Não é uma moda ou um novo estilo arquitetônico. Segundo o arq. Norman Foster a indústria da construção consume o 50% dos recursos mundiais, quer dizer que os prédios usam na sua construção, uso e manutenção a metade da energia gerada na terra. Ë muito isso... Além disso são responsáveis pela metade do gás carbônico CO2 produzido. O uso de conbustíveis fósseis: carvão, gás e petróleo para calefação, iluminação e ventilação dos prédios é responsável do 50% do aquecimento global, a outra causa é o transporte com um 25%. Estas cifras referen-se às edificações CONVENCIONAIS as quais são a maior parte das que se construen hoje. Mas temos as edificações SUSTENTÁVEIS, estas fazem parte do Desenvolvimento Sustentável.

Mas o que é o Desenvolvimento Sustentável? Ë o desenvolvimento que atende às necessidades do presente sem comprometer o atendimento das necessidades das gerações futuras. Conforme o Conselho Brasileiro de Construção Sustentável edificação sustentável é aquela que quantifica os impactos que causa ao meio ambiente e à saúde humana, empregando todas às tecnologias disponíveis para mitiga-los. “Ë um edifício que consume menos energia, água e outros recursos naturais, considera o CICLO DE VIDA dos materiais e o da edificação desde seu projeto, passando pela sua construção e manutenção, até o esgotamento da sua destinação original.” Até agora a construção duma edificação era um fato isolado no sentido que era o ato de construir; já com o Ciclo de Vida é um processo. Mas porque é importante o Ciclo de Vida? Já falamos do grande consumo de recursos da indústria da construção, então falando duma vida útil de pelo menos 50 anos as decissões do arquiteto vão influenciar por muito tempo o Meio Ambiente Construido. Hoje nos paises de ponta na área da sustentabilidade como no Reino Unido por ex. fala-se assim de Meio Ambiente Construido e não só de arquitetura. Podemos definir então o Ciclo de Vida como: o fluxo de materiais, energia e resíduos que gera um prédio durante toda sua vida útil, de maneira que o impacto ambiental pode-se conhecer por adiantado Por ex. a vida útil meia dos acabamentos de boa qualidade é 10 anos, à das instalações é 20 anos e assim por diante.


Vamos ver quais são os CUSTOS dum edifício em toda sua vida útil de 50 anos, este é o 100%. Estas cifras são do Eng. Ceotto (Diretor da Tishman & Speyer) e referen-se à prédios de escritórios, mas poderian-se generaliçar para outros tipologias. O item projeto representa o 1%, a construção o 14%, uso e operação 80%, finalmente 5% para adaptação para reúso. O interessante e dramático do caso é que a porcentagem de uso e operação é quase 6 vezes o da construção, normalmente se tenta influenciar só neste 14% da construção esquecendo o 80% de uso e operação. Pois bem este 80% corresponde aos custos da ÀGUA, ENERGIA, ESGOTO E MANUTENÇÃO que são os necessários para que o prédio esteja funzionando. Então o impacto desse edifício no meio ambiente é diretamente proporcional a esses custos, para minimizar o impacto devemos baixar o máximo possível esses custos, vamos ver quais são as nossas chances de intervenção como arquitetos. Na etapa do projeto às possibilidades são de 80%, na etapa de construção são 15%, e na de uso e operação são de só 5%. Mas a boa notícia é que na etapa de projeto nossas possibilidades de intervenção são de 80%, e representa o menor custo na vida útil do prédio: só 1%.

O estudo do CICLO DE VIDA tem ainda outra vantagem: introduz pontes entre o projeto, a fabricação, a construção, a manutenção, a demolição. Num começo este análise foi referido apenas aos materiais e sua influencia na sustentabilidade do prédio e do meio ambiente construido. Mas como a construção é um processo complexo onde intervêm materiais combinados formando produtos, surgiram métodos de avaliação da sustentabilidade como o Eco-Quantum da Holanda onde se estuda o Ciclo de Vida dos elementos da construção como janelas por ex. com seus componentes: vidro, caixilhos, vedações, etc Hoje no mundo existem diversos sistemas da avaliação da sustentabilidade, uns focados no projeto e outros mais abrangentes focados ainda na operação dos prédios. Ë também há protocolos destes dirigidos especificamente aos programas arquitetônicos particulares: residenciais, escritórios, escolares,etc Ainda temos que a cada método tem seu uso específico, suas vantagems e desvantagens. Outro aspecto a salientar nas edificações sustentáveis é o do fin da vida útil dos prédios, o qual até agora não era levado em conta, tal como qualquer fabricante que tenha uma ética de sustentabilidade ao fabricar um produto tem que pensar na disposição final quando esteja fora de uso, por ex. a diaposição final das pilhas, etc Nós podemos fazer 3 coisas ao fin da sua vida útil: 1- reutilizar às partes numa nova construção por ex.usando madeiras e perfis metálicos de demolição. 2- reciclagem dos materiaIs usando por ex. concreto quebrado como árido para um novo concreto. 3- demolir a edificação e verter os resíduos num aterro. Sempre é bem melhor reutiliçar que reciclar pois esta reciclagem consume energia; também é melhor reciclar que verter nun aterro.

Finalmente para atingir o Desenvolvimento Sustentável é fundamental o papel das edificações mas também o das cidades, pois quase o 80% da nossa vida passa no interior dos prédios e a maior parte do tempo restante com o deslocamento no transporte. Mas também porque a produção do gás carbônico CO2 é um fenómeno esencialment urbano. Pela vez primeira na historia da humanidade no ano 2000 duma população mundial de 6.200 milhões de habitantes, a população urbana é maior que a rural. Então o deslocamento das pessoas do campo às cidades exerce pressão sobre os terrenos edificáveis, a água e a energia disponíveis, e sobre à capacidade de tratamento do esgoto e os resíduos.

Postagens mais visitadas deste blog

Poço Canadense (1)

Sabiam que é possível usar o calor da terra para climatizar a casa ? Com vídeo.

Basicamente o que fazemos é introduzir ar exterior, que está a maior ou menor temperatura que a terra, mediante tubos enterrados; este ar modifica sua temperatura antes de entrar à casa. Estes tubos de fato são um trocador de calor; é um fantástico sistema de climatização natural que aproveita a temperatura do solo entre 12 a 14ºC, para temperar o ar entrante. É uma tubulação de 20 cm de diâmetro, enterrada entre 1,5 a 3 metros de profundidade; o comprimento vai de 10 até 100 metros. No verão podemos ter 36ºC no exterior e ao contato coma terra é possível injetar ar fresco a 21ºC. No entanto no inverno com 6ºC de temperatura exterior podemos ter 21ºC dentro da nossa casa. No acesso do duto de ar exterior, temos que colocar um exaustor para provocar a entrada de ar; bem como de outro exaustor no telhado para expulsar o ar contaminado do interior. O maravilhoso é que os custos de manutenção do sistema são mui…

Edifício Passivhaus em Pamplona (2)

As aberturas de alto desempenho são um ponto-chave numa edificação Passivhaus, tal e como neste Edificio Thermos, em Pamplona, na Espanha.

Para isso devem ser termicamente isolantes, estanques à passagem de ar e, ainda não ter pontes térmicas. Estas aberturas estão construídas com caixilhos certificados pelo Passive House Institute. 


O Edificio Thermos está localizado em Pamplona, cidade que ainda tem um costume bárbaro, as corridas de toros nas ruas ! Mas felizmente há movimentos de pessoas preocupadas em proibir estas corridas de toros nas ruas, bem como nas Praças de Toros. A imagem de este protesto a encontrei neste site Peta ótimo para os que somos sensíveis  pelos bichinhos. 
Outro costume que fala de barbárie no mundo atual são os foguetes !

Earthship em Portugal

Vamos ver um caso de retrofit perto da localidade de Vale de Prazeres, na Serra da Gardunha, em Portugal. Uma oficina comunitária prática, transformou um antigo edifício de pedra em ruínas, em um novo prédio Earthship, totalmente auto-sustentável.






O conceito Earthship -significa navio terrestre- foi criado pelo arquiteto Michael Reynolds, chamado de “garbage warrior”, literalmente o guerreiro dos resíduos. Mas como assim ? Acontece que as suas edificações empregam quase um 45% de materiais reutilizados como garrafas de vidro e PET, latinhas, madeira recuperada, gesso natural e pedra, peças de metal de máquinas de lavar e geladeiras, e claro o material favorito do arquiteto...os pneus. No entanto os muros são feitos com pneus fora de uso e recheados de terra compactada. Estas casas autossuficientes aplicam seis critérios de desenho como materiais de construção naturais e reciclados; energia elétrica solar e eólica; produção de alimentos; calefação e refrigeração térmica solar; coleta de…