Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2009

PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE (V)

ALIMENTAÇÃO SUSTENTÁVEL- As lojas varejistas são fornecidas com alimentos orgânicos. (imagem)

ÁGUA SUSTENTÁVEL- O consumo de água “per capita” é como mínimo 50 % menor que o promédio dos Emiratos Árabes Unidos; além disso emprega-se o re-uso das águas. (imagem)

HABITAT E VIDA SILVESTRE- Todas as especies de valor são conservadas o re-locadas com mínimo impacto.

PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE (III)

TRANSPORTE SUSTENTÁVEL- Transporte urbano com zero emissões de gás carbônico (imagem), implementação de medidas para reduzir as emissões nel transporte inter-urbano, facilitar e estimular o uso do transporte público, uso de veículos compartilhados, apoio ás iniciativas de transporte com baixas emissões.

MATERIAIS SUSTENTÁVEIS- Indicação do uso de materiais reciclados nos produtos da construção alavancando a redução da energia incorporada neles e nos processos de construção, indicação do uso de materiais sustentáveis como a madeira certificada (imagem) pelo Forest Stewardship Council FSC, bambu,etc

PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE (II)

A imagem da cima é sobre como fazer energia com resíduos; já a de baixo é a elaboração de adubo orgânico, o também chamado de composting. Ambas as duas correspondem ao post anterior.

PRINCÍPIOS DE SUSTENTABILIDADE (I)

Os apresento cá os 10 Princípios de Sustentabilidade da WWF World Wildlife Fund www.worldwildlife.org , seguindo os quais projetou-se a cidade de Masdar. Em junho do 2007 ela recebeu o primeiro World Clean Energy Award; também em setembro o projeto da cidade foi votado “Sustainable Region/City of the Year”.

CARBONO ZERO- 100% da energia é fornecida por energias renováveis: fotovoltaica, energia solar concentrada CSP, eólica, energia com resíduos.

RESÍDUOS ZERO- Processado do 99% dos resíduos dos aterros sanitários, inclui medidas de redução do lixo, reúso dos mesmos, reciclagem, fabricação de adubo orgânico.


PORQUÊ EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS?

Vou falar de edificações sustentáveis, chamadas de “green building” em inglês; fiquen a vontade para me perguntar o que vocês quiserem. Conforme a definição da ONU o desenvolvimento sustentável deve atender às necessidades do presente sem comprometer o atendimento das necessidades de gerações futuras. Então as edificações sustentáveis –casas e edifícios- são aquelas que são construidas conforme ao clima do lugar, considerando o ciclo da vida dos materiais de construção e das edificações, desde o projeto até sua operação; poupando assim energia, água, esgoto, e manutenção. Mas porquê deveriamos poupar esses consumos?

Pois acontece que as edificações consumen na sua construção e no seu tempo de vida –uns cinqüenta anos o mais- a metade da energia gerada na terra; além disso são responsáveis pela metade do dióxido de carbonio CO2 contido no ar. A construção em geral está associada aos grandes problemas do mundo de hoje: o consumo de energia e a contaminação do meio ambiente. O homen é um …

CONSTRUIR MAL (II)

Mas por outro lado a vida das edificações apenas sô começa com sua construção, a sua vida útil são 40 anos. A NOSSA responsabilidade com o planeta, se querermos um planeta sustentável, é fabricar coisas que consuman pouca energia na sua fabricação e no seu uso. Quanto mais energia se usar tem que se producir mais energia para repor a que foi queimada, quanto mais energia se producir mais estamos contaminando nosso planeta! Temos de empregar coisas que precissen pouca manutenção; pensando no que vai-se fazer ao fin da sua vida útil! Serai que é possível pegar alguns componentes dos produtos e fazer sua reciclagem ou criar novos produtos? Lembremos que o Brasil é o campeão mundial na reciclagem de latinas de alumínio, essas de refrigerantes e cerveja.

Hoje fala-se de envelhecimento programado. Todo isto é válido para qualquer produto como eletrodomésticos, carros, e claro está casas e prédios! Acontece que o problema da contaminação é sério mesmo. Por exemplo está contabilizado quantas…

CONSTRUIR MAL (I)

Porque constroe-se tão mal hoje? Por preguiça o por ignorância?

É um assunto cultural, é bem melhor falar da vida das edificações –casas e prédios- e não sô de construir, aliás como se faz em muitas conceituadas revistas de arquitetura. Nelas fala-se sô do “ato” de projetar e construir . A vida duma edificação começa já antes do arquiteto pegar o lápiz e o micro para desenhar. Começou já com a fabricação dos materiais de construção com a quantidade de energia embutida neles ao fabricar-los.

Por exemplo é malgastar energia e dineiro fazer os acabamentos exteriores nos prédios ou casas com chapas de alumíno. Este é o material que mais consome energia na sua fabricação, conforme Szkolay são 56 kWh por cada kg de alumínio fabricado. Já o aço consome 10 kWh/kg de material beneficiado. Em consequência é um grande poluidor do NOSSO meio ambiente!! A responsabilidade do arquiteto é sempre que possível, usar materiais com pouca energia embutida.

COLETORES SOLARES (II)

Básicamente o coletor é uma chapa de alumínio pintada de preto a qual vai-se esquentar com o sôl, mais uma serpentina de tubos de cobre no interior dos quais pôde circular a água; leva isolamento térmico e uma placa de vidro pela parte superior.

Existem também diversos tipos de reservatório térmico, eles estão formados por um reservatório interior de aço inox, com um isolante térmico de poliuretano e um revestimento exterior de alumínio; geralmente vai oculto no telhado. O sistema de distribuição são o conjunto de tubos -exteriores ao coletor- por onde circula a água, estes são de cobre e também levan isolamento térmico. Finalmente temos os diversos controles como válvulas e registros, e o Controlador Diferencial de Temperatura com sua instalação elétrica. Este C.D.T. aciona a bomba enviando água quente ao reservatório térmico quando a temperatura da água dos coletores é maior que a temperatura da água do reservatório.

Os coletores solares são eficientes ainda em dias com até só uma cap…

COLETORES SOLARES (I)

Hoje vamos ver como podemos produzir água quente para tomar banho, cozinhar e até para calefação; usando coletores solares. Um coletor solar na realidade é um sistema fechado que têm vários elementos: os coletores solares, o reservatório térmico, o sistema de distribuição, os controles, e a caixa de água fría.

A água fria entra ao coletor por baixo e sai quente pela parte superior rumo ao reservatório; daí sai para nosso uso, a água não consumida volta ao coletor por embaixo pois ela está sempre circulando por termossifão, o que quer dizer que a água quente é mais leve e sobe, no entanto seu lugar é ocupado pela água fria mais pesada. Para que o termossifão funzione é necessário que o reservatório esteja instalado por cima do coletor, quando isto não acontece falamos de circulação forzada, a que se produz com uma bomba circuladora.

O coletor é o elemento do sistema que captura a energia solar que vai nos permitir esquentar água, há diversos modelos, o mais comum é do tipo plano o qual p…

VRV III (9)

Vamos ver agora as vantagens do VRVIII: não requerem grandes espaços para a instalação dos equipamentos, tubolações e dutos.

Permitem uma total flexibilidade pois podemos fazer zonificação por setores da planta, tem fácil regulação pelo usuário com controle totalmente eletrônico; além disso tem uma maior vida útil.

Como desvantagem temos o maior custo inicial da instalação e também eventualmente da manutenção. Mas isto pode-se balançar com a menor nota fiscal de energia elétrica pois são equipamentos muito eficiêntes, com esta poupança podem-se amortiçar facilmente.

VRV III (8)

O gás refrigerante é HFC410A. Mas o que é o gás refrigerante?

Refrigerante é toda substancia de baixo ponto de ebullição capaz de absorver grandes cantidades de calor al producir-se um cambio de estado físico passando de líquido a gás e viceversa. Os CFCs –chloroflurocarbons- tiveram muita difussão mas seu uso está se reduzindo obligatoriamente pelo Protocolo de Montreal pelo seu potencial destruidor da capa de ozônio.

Os HFCs –hydroflurocarbons- não contêm cloro perigoso para a nossa atmósfera, não são inflamáveis nem tóxicos. O HFC410A é uma mistura ao 50% dos refrigerantes R32 e o R125, ambos os dois inofensivos para a capa de ozônio.

VRVIII (7)

As unidades exteriores podem ser bomba de calor ou trocador de calor, ambas duas permitem fornecer simultaneamente calefação e refrigeração.
Dispoem dum moderno sistema de auto-diagnóstico que nos avisa do mal funcionamento ou dum eventual vazamento do fluido refrigerante. As unidades exteriores e interiores têm baixo nível de ruido, os usuários muito agradecidos!
Eldorado Business Tower é um prédio de escritórios com boutiques, restaurantes, fitness centre, e heliponto. São 32 andares de 2.500m² a cada um, em total são 67.650 m². As unidades exteriores são do tipo bomba de calor, 64 unidades de 54HP e mais 2 unidades de30HP; Em total 3.516 HP. As unidades interiores são 968 do tipo “ceiling mounted built-in & ducted units”.

VRV III (6)

O COP Coeficient of Perfomance mede a eficiência da bomba de calor, é o cociente do calor cedido pelo condensador entre a potência elétrica gasta pelo compressor. Nosso caso este COP=4,31 significa que a cada kWh elétrico transforma-se em 4,31 kWh de calor!

Podemos ter então até 1.000m totais de comprimento de tubulações e linhas de até 165m. Todo isso faz possível providenciar até 64 zonas com diferentes temperaturas con sô um equipamento VRVIII. Cada um suporta até 64 unidades interiores. É um sistema versátil e flexível pois os 14 tipos e 79 modelos permitem uma grande cantidade de arranjos possíveis na instalação. Esta é simples de fazer resultando numa economia de tempo e mão-de-obra.

O compressor inverter scroll providencia uma excelente perfomance; o VRVIII pode suportar múltiples compressores. A válvula eletrônica de expanssão faz possível um bom controle da temperatura interior. Podemos ter controle remoto para até 16 zonas com programação dos 7 dias semanais.

VRV III (5)

Antes disso os equipamentos de ar-condicionado usavan a bomba de calor, mas a velocidade do compressor não podia-se mudar o que obrigava a continuos liga-desliga do compressor. Com o inverter elimina-se isto ganhando em eficiência e maior vida útil das peças. O compressor inverter fez possível o sistema VRF Variable Refrigerant Flow também conhecido como VRV Volume Refrigerante Variável. O sistema instalado no Eldorado Business Tower é o VRVIII da Daikin AC, é a sétima geração do original VRF lançado em 1982. O VRVIII está disponibiliçado no mercado numa grande cantidade de tipos e modelos.

A bomba de calor é um dispositivo que vai-nos permitir invertir o funcionamento do ciclo de refrigeração. Este produz frio no evaporador e calor no condensador; então no inverno a bomba produz calor no evaporador e frio no condensador.

Os sistemas VRF eram comunmente instalados em prédios com até 5.000m2 por andar, mas recentemente estão-se usando na China e outros paises em prédios de 10.000m2 por p…