Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2009

VRV III (3)

Também acontece neste processo que o líquido refrigerante ferve devido a absorção de calor, se transformando em vapor que agora vai para o compressor. Alí é comprimido a alta pressão e também sobe sua temperatura. Então este gás refrigerante passa ao outro trocador de calor: é a condensadora (imagem). Como sua temperatura é maior que a do exterior perde calor, e condensa-se se tranformando em líquido a alta pressão. Este líquido pasa agora pela válvula de expanssão onde desce sua pressão e também sua temperatura. Temos cá o nosso líquido refrigerante a baixa temperatura voltando à evaporadora e recomeçando o ciclo todo.

Mas achando fazer a zonificação das plantas dum prédio, o que vocês achariam dum sistema de ar-condicionado sob medida? Este é o sistema Inverter, vai nos permitir variar continuamente a cantidade de calor –o fluxo térmico- mudando a velocidade do compressor conforme a temperatura desejada.

Ao mudar sua velocidade está tembém mudando a pressão do gás, então está enviando…

VRV III (2)

Mas também para arrefecer as edificações pode-se empregar o ar-condicionado com ciclo de refrigeração, isto é o mesmo circuito que você tem na geladeira da sua casa. Nele temos 4 elementos: a evaporadora, o compressor, a condensadora, e a válvula de expanssão.A evaporadora vai instalado no interior do ambiente e recebe o nome de Unidade Interior, a condensadora é a Unidade Exterior.

A evaporadora é um trocador de calor, possui uma serpentina onde circula líquido refrigerante a baixa temperatura, pois bem essa temperatura é menor do que a temperatura do meio que nos queremos refrigerar. Então fazendo passar esse aire interior pela evaporadora usando o ventilador dele, o aire abaixa sua temperatura. Após disso sai da evaporadora voltando ao nosso ambiente e nós ficamos mais fresquinhos! Isto é possível sô porque o calor sempre transmite-se dos corpos mais quentes aos menos quentes.

VRVIII (1)

Os arquitetos “green” não rejeitamos o ar-condicionado, mas acontece que ao projetar as edificações conforme o clima local, podem-se obter poupanças de até 30% com seu uso. Isto também significa contaminar menos o nosso meio ambiente. Vamos ver o sistema de ar-condicionado do Eldorado Business Tower, o modelo VRV III: Vazão Refrigerante Variável.

Cada pavimento dum prédio tem a chance de fazer zonificação (primeira imagem), isto é diferentes zonas com diferentes temperaturas, pode ser uma zona perimetral e outra no interior da planta arquitetônica.Ou também pode-se zonificar pelo tipo de atividade nos ambientes; ou pelas fachadas Norte e Sur.

Antigamente para resfriar no verão usavan-se “chillers”, os quais produzem água fria que logo é enviada aos fan-coils. Chiller é uma central resfriadora como a da imagem do meio. Já o fan-coil (imagem debaixo), do inglês serpentina-ventilador, é exatamente isso: uma serpentina por onde circula água fria, e mais um ventilador que aspira o ar quente…

ELDORADO B. TOWER IV

A preocupação com o uso racional da água começou no canteiro com o inicio das obras, com a instalação dum sistema de tratamento das águas do lençol freático, onde elimina-se o ferro para seu uso posterior. Todavia há um outro sistema que coleta o excesso das águas pluviais em 2 reservatórios onde parte da sua contaminação é eliminada, para que após logo possa se direcionar ao rio Pinheiros ou á rede pública de esgoto.

Esta torre cumpre ainda com outras esigências “green” como a separação dos resíduos para reciclagem, uso de materiais de construção reciclados e de materiais produzidos na região, vagas para bicicletas e carros pouco contaminantes, etc

Eldorado Business Tower recebeu a pré-certificação para a obtenção do selo LEED (Leadership in Energy & Environmental Design) e foi avaliado como “Platina”, o patamar mais alto do Green Building.

Ainda está enquadrado na “Triple A” categoria americana para edificações que usan sistemas inteligentes e acabamentos de alto padrão.

ELDORADO B. TOWER III

Então, o uso racional da energia o obtemos por um correto design da volumetria e da envolvente exterior da torre; também pelo modo de operação dos elevadores e do ar condicionado. O edifício possui 29 elevadores com monitoração e control de trânsito ligados a uma estação autônoma de geração de energia, usa um sistema regerador para se recuperar a energia que sobrou das paradas. Estão equipados com um Sistema de Gerenciamento de Chamada Antecipada, que economiza energia pois reúne pessoas com o mesmo destino e diminui o tempo de espera.

O sistema de ventilação e ar condicionado é de Vazão Refrigerante Variável, providencia ar quente e frio e ao contrario dos sistemas convencionais que necessitan água para seu funcionamento, este permite o aproveitamento dos 150 m3 de água da condensação do ar condicionado. Num equipo tradicional esta água seria desperdiçada, em Eldorado ela vai para um reservatório de água sem tratamento onde se coleta junto á água de chuva, logo é bombeada ao sistema d…

ELDORADO B. TOWER II

As fachadas estão inteiramente revestidas de vidro branco, com aberturas em vidro esverdeado. O branco são placas de vidro extra-clear com pintura cerâmica especial, que protege da entrada do calor e proporciona a cor desejada. Estas áreas opacas têm por trás painéis dry wall. O vidro verde é duma capa e tem uma espessura de 11 a 15 mm, permite a passagem do 70% da luz natural, como é espelhado reduz a reflexão ao interior do calor incidente, permitindo a entrada de só um 30%.

As aberturas não abrem para se evitar as pérdidas térmicas e a entrada da contaminação. A caixilharia de alumínio anodizado é totalmente estanca, selada com gaxetas de neoprene, o que faz possível uma triple barreira e 2 cámaras de compensação. Ë a primeira fachada 100% unitizada do Brasil pois usaron-se painéis montados inteiriços, com vidro e caixilharia juntos. Os vidros estão polimerizados, é um tratamento que elimina as microrugosidades da sua superfície, o que reduz a penetração da sujeira e facilita a limp…

ELDORADO B. TOWER I

Vamos ver algumas edificações sustentáveis, começaremos com Eldorado Business Tower que é um prédio de escritórios erguido junto a um dos mais renombrados shoppings de São Paulo, foi inaugurado em novembro do 2007; é um projeto do Estudo dos arquitetos Aflalo & Gasperini.

São 32 andares de lajes protendidas que possibilitan plantas totalmente flexíveis de 2.000 m2, com pé-direito de 3,00 m, além do piso elevado e forro. No topo dos 141 m de altura tem um heliponto para até 2 helicópteros de 10 toneladas a cada um.

No pacote das diversas soluções tecnológicas empregadas vamos ver 4 que fazen dele um Green Buiding: uso racional da energia, água, esgoto e manutenção; todo o qual nos permite reduzir os custos operacionais e além disso baixo impacto ambiental.

PORQUÊ EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS?

Vou falar de edificações sustentáveis, chamadas de “green building” em inglês; fiquen a vontade para me perguntar o que vocês quiserem. Conforme a definição da ONU o desenvolvimento sustentável deve atender às necessidades do presente sem comprometer o atendimento das necessidades de gerações futuras. Então as edificações sustentáveis –casas e edifícios- são aquelas que são construidas conforme ao clima do lugar, considerando o ciclo da vida dos materiais de construção e das edificações, desde o projeto até sua operação; poupando assim energia, água, esgoto, e manutenção. Mas porquê deveriamos poupar esses consumos?

Pois acontece que as edificações consumen na sua construção e no seu tempo de vida –uns cinqüenta anos o mais- a metade da energia gerada na terra; além disso são responsáveis pela metade do dióxido de carbonio CO2 contido no ar. A construção em geral está associada aos grandes problemas do mundo de hoje: o consumo de energia e a contaminação do meio ambiente. O homen é um …

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA IX

Mas também temos de susbstituir a esquadria convencional da cozinha por outra DVH, e cambiar a sua porta envidraçada.

Ao fin assinalo o fato do que C.M.H.C. Canadian Mortgage & Housing Corp. agência canadense de créditos hipotecários para a construção fez diversos folders (1986) sobre o URE em reformas da casa feitas diretamente pelos seus proprietários: “a boa notícia é que praticamente todos os trabalhos de reforma apresentan a oportunidade de introduzir medidas de conservação da energia, que podem fazer que as refações se paguen sozinhas com a poupança de energia”. URE significa Uso Racional de Energia, algo que o ser humano não está costumado a fazer com deveria, neste mundo consumista que malgasta recursos finitos, isto é não renováveis.

Mas, porque é importante poupar o consumo de energia?

Pois acontece que ainda hoje a maioria da energia empregada obten-se queimando combustíveis fósseis como carvão, gás e petróleo. São energias não renováveis, quer dizer quando acabar não têm …

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VIII

O assunto do piso frio de monolítico pode-se resolver botando acima do piso existente um carpete ou melhor ainda um piso laminado. Em total apresentei ao meu cliente 4 orçamentos ao respeito.

A idéia do propriétario é fazer esta reforma em etapas, o que vai permitir começar pela sala colocando o isolamento térmico no muro exterior S.E. Ademais substituir a janela da fachada por outra de alta perfomance DVH, e a instalação da lareira fechada em lugar da existente. Também colocar o piso laminado por cima do existente.

Como a lareira está sobre a parede divisória da sala e a cozinha, podemos fazer uma pequena comunicação, assim o calor vai esquentar a ambas as duas.


AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VII

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VI

Para minimizar as perdas térmicas da lareira existente o aconselhável é um aquecedor de alta perfomance, são de dupla combustão a lenha. Têm uma cámara onde se queima a lenha, por fora desta e embrulhando-o há uma segunda cámara. Estes aquecedores podem ser de chapa grossa de aço ou de ferro fundido, levam uma porta de vitrocerâmico capaz de resssistir acima de 800ºC. Trata-se duma lareira fechada que não perde calor como as lareiras tradicionais abertas de alvenaria.

A lenha assim queimada produz fumaça que sobe pela chaminé e sai para o exterior, essa fumaça não está nunca em contato com o morador da casa; então o calor fornecido vem daquila segunda cámara, é um calor limpo e eficiênte. Ao cliente apresentei 5 orçamentos de lareiras, uma delas é um “insert” que vai instalado dentro da coifa existente de concreto e pedra vista. As outras opções requerem a fazer a demolição da coifa, mas nos permiten re-posicionar a lareira. Em todos os casos aproveitamos a chaminé existente de alvenar…

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA V

Todo isto complementado com a colocação da vedações (gaxetas) nas portas e janelas. Mas também com a substituição da porta da cozinha que é muito envidraçada, pois é outra fonte de perdas de calor.

O assunto dos muros exteriores de alvenaria de 20cm, soluciona-se colocando isolamento térmico de lã de vidro pelo lado interior, numa primeira etapa sô no muro S.E. da sala. Isto vai facilitar sua instalação pois é obra seca, de mais rápida execução que a obra úmida de alvenaria. Este isolamento vai colocado entre montanes metálicos que vão a cada 40cm cada um. Por cima vão placas de gesso parafusadas a estes montantes, é um drywall (muro seco em inglês). Leva uma certa massa corrida e fita de acabamento, são várias vezes lixadas, finalmente o drywall fica pronto para receber a tinta.

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA IV

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA III

Logo a vistoria da casa do meu cliente com a leitura das plantas arquitetônicas, fiz um relatório detalhando as origens das perdas térmicas, e as soluções a pôr em prática para minimiza-las.

A primeira medida é substituir as esquadrias convencionais, por outra do tipo DVH, isto é Duplo Vidrado Hermético. São 2 vidros especiais que encerram uma câmara de ar estanque a passagem do calor e da umidade, com uns caixilhos também especiais.

Há diferentes modelos de DVH, desde os tipos básicos até os mais sofisticados, cada um com seu uso específico. Existem os que têm a cámara recheia de gás, têm também o triplo vidrado para climas muito frios, etc Eu apresentei ao meu cliente 3 orçamentos de esquadrias executadas com caixilhos de alumínio anodizado natural e outro feito com PVC.


AVALIAÇÃO ENERGÉTICA II

Em ordem de ierarquia, temos que as esquadrias convencionais não impedem a passagem do calor pois o vidro comúm não é de jeito nenhum um bom isolante térmico. De fato é como não ter nada! Mas também o calor fuge por infiltração pelas fendas que há entre os marcos e as esquadrias; e pelos caixões das persianas.

Após disso comprovei o que monstravan as plantas arquitetônicas da casa, todos os muros exteriores de alvenaria são de 20 cm de espessura, exceto os da fachada. Estes muros não fornecem o isolamento térmico adequado.

Outro fator de desconforto é o fato de que todos os pisos da casa são de monolítico, este é um piso frio para o inverno.


AVALIAÇÃO ENERGÉTICA I

Esta é a historia dum cliente meu e da sua casa no Uruguay. Quando o conheci ele me falou que vai trabalhar cedo, sua casa então fica vazia o dia todo, e no inverno ao voltar a encontra fria! Isso o obriga a acender um aquecedor a gás, até a hora de dormir. Ao outro dia quando ele se levantar tem outra vez a casa fria. Na sala há uma lareira tradicional de alvenaria. Estas lareiras têm todo o charme e a magia do fogo. Que prazeroso é experimentar este agradável calor nas geladas noites do inverno! Mas são muito ineficientes, nesta época que fala-se muito em eficiência energética. Acontece que a metade do calor gerado com a queima da lenha das árvores fuge pela chaminé! Realmente é queimar o nosso dinheiro!

Quando visitei sua casa começamos a olhar quais eram as perdas de calor no inverno e também que coisas podiam-se fazer para contornar esta situação.